Navegando por sexo, relacionamentos e intimidade ao viver com esquizofrenia


0

É absolutamente possível namorar – e ter um relacionamento saudável e de longo prazo – se você vive com esquizofrenia.

“É possível que aqueles com esquizofrenia bem controlada tenham uma vida saudável, o que pode incluir relações emocionais e sexuais”, diz Ramya Mohan, membro do Royal College of Psychiatrists e fundador do CAPEforHealth em Manas, Londres.

Como diz o neuropsiquiatra Ooha Susmita, MBBS, MD, da Allo Health: “Uma pessoa com esquizofrenia bem controlada não será diferente de uma pessoa sem esquizofrenia na estratosfera do namoro”.

A seguir, profissionais de saúde mental compartilham por que a esquizofrenia pode afetar seus relacionamentos sexuais e românticos e oferecem dicas para namorar com atenção e segurança.

Algumas pessoas estão interessadas em sexo ou namoro, e outras não.

“Existem vários motivos pelos quais uma pessoa com esquizofrenia pode não estar interessada em um relacionamento romântico”, diz o especialista em sexo e relacionamentos Rayan Dove.

Para começar, algumas pessoas acham que a socialização aumenta a probabilidade de experimentar paranóia ou que provoca ansiedade social, diz ele. Isso pode tornar a perspectiva de formar relacionamentos românticos muito menos atraente.

A esquizofrenia também pode causar sintomas como:

  • dificuldade em sentir prazer
  • diminuição da expressão emocional
  • motivação reduzida

“Esses sintomas podem fazer com que alguém se desinteresse em se envolver em atividades necessárias para formar e manter relacionamentos românticos, como sair para namorar”, explica Dove.

Os medicamentos usados ​​para controlar a esquizofrenia podem causar efeitos colaterais que interferem na sua vida pessoal.

“Alguns medicamentos, por exemplo, podem causar ganho de peso, disfunção sexual ou sonolência, o que pode afetar a autoestima de uma pessoa e a capacidade de se envolver em atividades românticas”, diz Dove.

Você pode descobrir que não tem interesse ou está menos interessado em sexo ou namoro por motivos não relacionados à sua saúde mental. Sua orientação romântica ou sexual, por exemplo, pode influenciar seu desejo ou a falta dele.

Sinais de que você pode estar pronto para buscar sexo ou namoro

Não existe uma abordagem específica – a prontidão terá uma aparência diferente para cada pessoa. Mas existem alguns temas comuns que você pode achar útil considerar.

1. Você tem um plano de tratamento que funciona para você

A esquizofrenia é uma condição crônica que requer tratamento e manejo contínuos.

Pode ser útil estabilizar seu regime de medicação e frequentar terapia de forma consistente antes de começar a namorar ou ficar, diz Dove.

Isso garante que você esteja em uma boa situação mental e emocional para lidar com o estresse que acompanha o namoro, o sexo e os rompimentos, diz ele.

2. Você entende seus sintomas e gatilhos

Isso pode ajudá-lo a implementar mecanismos de enfrentamento para gerenciar seus sintomas individuais, diz Dove.

O estresse, por exemplo, é um gatilho comum para sintomas como ansiedade e paranóia.

3. Você tem um sistema de suporte instalado

“Ter família, amigos e um terapeuta com quem conversar sobre suas lutas e experiências com namoro pode ajudá-lo nos altos e baixos”, diz Susmita.

4. Você prioriza o autocuidado

“Namorar pode ser uma montanha-russa de emoções, por isso é essencial que você esteja preparado para priorizar o autocuidado e a autocompaixão enquanto anda nessa montanha-russa”, diz Dove.

Dependendo de suas necessidades individuais, considere:

  • priorizando o sono
  • engajar-se em atividades que trazem alegria e realização
  • usando conversa interna positiva
  • movendo seu corpo de maneiras que pareçam nutritivas
  • comendo alimentos ricos em nutrientes
  • limitar o uso de álcool, nicotina e outras substâncias

5. Seu terapeuta acha que você está pronto

“É importante notar que a decisão de começar a namorar deve ser tomada em consulta com um profissional de saúde mental que pode ajudar a avaliar a sua preparação”, diz Susmita.

Desvendando mitos e equívocos

Existem muitos mitos sobre que tipo de parceiro será alguém que vive com esquizofrenia. É absolutamente possível ser um parceiro bom e leal.

“Ter esquizofrenia não aumenta a probabilidade de uma pessoa trair ou desrespeitar os limites do relacionamento”, diz Susmita.

Pessoas que vivem com esquizofrenia não são mais propensas a experimentar comportamentos sexuais “incomuns”, como hipersexualidade, diz Alex Dimitriu, MD, fundador da Menlo Park Psychiatry and Sleep Medicine em Menlo Park, Califórnia.

Porém, como acontece com qualquer pessoa, se você tiver um novo início de hipersexualidade, pode valer a pena conversar com um profissional de saúde.

Isso pode indicar que seu plano de tratamento atual precisa de um ajuste ou que algo mais precisa de um.

Reduzindo o estigma associado à esquizofrenia

O estigma e a discriminação contra pessoas com problemas de saúde mental, incluindo a esquizofrenia, ainda são comuns hoje em dia.

O estigma associado à esquizofrenia pode tornar um desafio para os indivíduos que vivem com a doença sentirem-se confiantes e seguros nos seus relacionamentos românticos, diz Dove.

“Muitos também temem que potenciais parceiros os julguem ou rejeitem por causa da sua doença”, diz ele.

Então, como você pode lidar com esse estigma? Resumindo, acreditando que você merece cuidado. O seguinte pode ajudar com isso:

  • educando-se sobre a esquizofrenia
  • trabalhar com um profissional de saúde mental informado
  • permanecer dedicado à sua rotina de autocuidado
  • juntando-se a um grupo de apoio
  • seguindo seu plano de tratamento continuamente

Como falar sobre esquizofrenia com um parceiro atual ou potencial

Você não deve a ninguém uma explicação ou discussão sobre sua saúde mental, mas pode ser útil conversar sobre isso se você se sentir confortável para fazê-lo.

Isso pode ajudá-lo a encontrar um parceiro que o abrace e esteja disposto a aprender sobre sua condição, apoiá-lo em seus sintomas, ajudá-lo a seguir seu plano de tratamento e muito mais.

“É importante ser aberto e honesto com potenciais parceiros sobre o seu diagnóstico e como isso pode afetar o seu relacionamento”, diz Dove. “Isso pode ajudar a construir confiança e compreensão e garantir que todas as partes estejam na mesma página.”

Quando você tem essa conversa é com você. Algumas pessoas optam por recebê-lo imediatamente, pois a resposta de uma pessoa pode dizer muito sobre o valor do seu tempo, atenção e cuidado.

Outras pessoas optam por esperar até estabelecerem um nível básico de confiança com os parceiros.

“É importante partilhar a sua história com o seu parceiro de uma forma que respeite as suas necessidades e permita uma decisão informada sobre o relacionamento”, diz Mark Joseph, uma pessoa que vive com esquizofrenia e que mantém uma relação saudável com a sua esposa há mais de 10 anos.

Aqui estão algumas maneiras de abordar o assunto pessoalmente:

  • “Em nome de continuarmos a nos conhecer, gostaria de compartilhar que tenho esquizofrenia. Está bem administrado, estou sem sintomas há anos e minha equipe médica me deu luz verde até o momento. Eu sei que isso pode ser muito para absorver, então adoraria responder a quaisquer perguntas que você possa ter.”
  • “Há algumas datas, mencionei que tive um período de vida particularmente difícil. Agora que nos conhecemos melhor, quero compartilhar que o motivo é que recebi um diagnóstico de esquizofrenia. Eu sei que há muito estigma associado à doença, então adoraria dar a você a oportunidade de fazer qualquer pergunta que tiver.”
  • ”Algo que gosto de compartilhar com as pessoas que estou conhecendo é que recebi um diagnóstico de esquizofrenia quando era [X] anos. Minha condição está bem controlada, não tenho sintomas e tive vários relacionamentos românticos desde que recebi o diagnóstico.”

Você também pode iniciar esta conversa por texto. Isso também lhe dá a oportunidade de enviar materiais de leitura, vídeos do TikTok ou canais do YouTube que podem ajudar a educar seu parceiro.

Tenha em mente que esta provavelmente será uma conversa contínua.

“Minha esposa e eu conversamos várias vezes sobre meu diagnóstico antes de nos comprometermos um com o outro”, diz Joseph. “Também discutimos nossas expectativas um do outro, o que nos permitiu nos conhecer melhor.”

Consulte um profissional de saúde

“Um terapeuta ou psiquiatra pode desempenhar um papel crucial para ajudar um indivíduo com esquizofrenia a viver com sucesso, o que pode incluir navegar no mundo do namoro e manter relacionamentos saudáveis”, diz Susmita.

Seu médico pode ensiná-lo sobre a esquizofrenia e discutir como ela pode afetar seus relacionamentos, maneiras de se comunicar de maneira eficaz e dicas para manter limites saudáveis. Eles também podem ajudá-lo com o seguinte:

  • avaliando seus sintomas, status de tratamento e bem-estar geral para determinar se você está pronto para começar a namorar
  • gerenciar quaisquer efeitos colaterais de medicamentos que possam afetar sua atividade sexual, desejo ou imagem corporal
  • identificando sinais de alerta em potenciais parceiros

Gabrielle Kassel (ela/ela) é uma educadora sexual queer e jornalista de bem-estar que está comprometida em ajudar as pessoas a se sentirem o melhor que puderem em seus corpos. Além da Healthline, seu trabalho apareceu em publicações como Shape, Cosmopolitan, Well+Good, Health, Self, Women’s Health, Greatist e muito mais! Em seu tempo livre, Gabrielle pode ser encontrada treinando CrossFit, revisando produtos de prazer, caminhando com seu border collie ou gravando episódios do podcast que ela coapresenta chamado Bad In Bed. Siga-a no Instagram @Gabriellekassel.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *