Aprendendo a aceitar seu corpo na adolescência


0

Viver numa sociedade capitalista que lucra com as pessoas que não gostam dos seus corpos pode ser um desafio, especialmente para os adolescentes. Mas é possível avançar em direção à aceitação do corpo. Veja como começar.

Aceitação do corpo é estar bem com seu corpo – mesmo que ele não faça certas coisas que você gostaria que fizesse ou se houvesse certos atributos físicos com os quais você não está completamente satisfeito.

“Alguém que aceita seu corpo reconhece que seu corpo é apenas uma parte de quem ele é, não a totalidade”, diz Carly S., guru de brinquedos sexuais positivos para o corpo e especialista em prazer, fundadora da Dildo or Dildon’t.

“Eles entendem que seus sentimentos em relação ao corpo não devem dominar o que sentem em relação a si mesmos”, diz ela.

Aceitar o seu corpo não significa necessariamente acreditar que ele é perfeito ou que você tem um físico esteticamente agradável. (Isso é positividade corporal).

Você pode aceitar seu corpo e ter dificuldades com o que veste ou não, ter dias de baixa confiança ou ter inseguranças.

“Você pode até aceitar seu corpo e ainda querer mudar algo em sua aparência de alguma forma no futuro”, diz ela.

Que fatores afetam a maneira como você vê seu corpo?

“Como humanos, somos constantemente alimentados com retórica sobre a aparência de nossos corpos e o que poderíamos fazer para torná-los melhores”, diz a especialista em branding e ativista gorda Megan Ixim, fundadora e performer por trás de “That Fat Babe”.

Vem de anúncios e aplicativos de namoro, filmes e revistas, familiares e amigos, e feeds de mídia social e reuniões sociais, diz ela.

“Vivemos numa sociedade capitalista que beneficia do facto de as pessoas odiarem a si mesmas, aos seus corpos e à sua aparência”, diz Ixim.

“Esta máquina multibilionária lucra com o nosso desconforto e ódio pelos nossos corpos”, diz ela.

Como é uma imagem corporal positiva?

“Positividade corporal é a ideia de que você aceita e ama todas as partes do seu corpo”, diz Ixim. “É a ideia de que você acredita que é linda e continuará a acreditar que, independentemente de como seu corpo evolui e muda no futuro.”

Na prática, quem tem uma imagem corporal positiva pode pensar (ou até dizer!) o seguinte:

  • “Adoro a aparência da minha barriga neste top curto.”
  • “Adoro que você possa acompanhar as diferentes iterações do meu corpo nas minhas estrias.”
  • “Eu adoro a aparência das covinhas na minha bunda em meu maiô.”

Qual é a aparência de uma imagem corporal neutra?

“Geralmente, a neutralidade corporal é considerada uma visão mais alcançável do corpo humano”, diz Ixim.

Envolve aceitar seu corpo em seus vários estados sem necessariamente sentir amor por ele. Há menos ênfase na aparência do seu corpo e mais ênfase no que ele pode fazer.

Alguém com uma imagem corporal neutra pode ver seu corpo como uma máquina, por exemplo:

  • “Fico feliz que meu corpo possa suportar corridas semanais pela vizinhança.”
  • “Usar as mãos e os braços para explorar diferentes lugares na minha cadeira de rodas me traz muita alegria.”
  • “Sou grato por esses pés que me permitem ficar sobre eles enquanto danço a noite toda.”

“A neutralidade corporal pode fazer parte do caminho de um indivíduo em direção à positividade corporal”, diz Carly S. Mas não precisa ser assim – a neutralidade corporal é um destino válido por si só.

Algumas pessoas optam por não buscar a positividade corporal porque não lhes parece acessível, enquanto outras optam por não buscá-la porque não consideram necessário.

Qual é a aparência de uma imagem corporal negativa?

“Quando alguém tem uma imagem corporal negativa, normalmente mantém um diálogo negativo quase constante sobre sua aparência”, diz Ixim.

Alguém com uma imagem corporal negativa, diz ela, pode encontrar-se frequentemente:

  • desejando que eles parecessem diferentes
  • comparando a maneira como eles se parecem com os outros
  • criticando coisas sobre sua aparência
  • gastar muito tempo ou dinheiro para mudar sua aparência
  • evitando atividades que eles acham que podem destacar suas imperfeições físicas

Como uma relação negativa com seu corpo afeta sua saúde e bem-estar geral?

Sentir-se mal com sua aparência não é uma questão superficial, diz Sophia Yen, MD, MPH, cofundadora e CEO da Pandia Health, um fornecedor de controle de natalidade online.

“É algo que pode levar a distúrbios alimentares e transtornos alimentares, bem como à depressão e outros problemas de saúde mental”, diz ela.

Sentir-se mal com seu corpo também pode levar à baixa autoestima e à baixa autoconfiança, causando uma reação em cadeia de consequências negativas.

A baixa confiança, por exemplo, pode afetar se você assume certos riscos, como candidatar-se a um cargo competitivo ou pedir um aumento. Isto pode ter implicações materiais e financeiras significativas.

“Odiar seu próprio corpo pode fazer com que você seja hostil com aqueles de quem você tem ciúmes ou com aqueles que você considera ‘naturalmente bonitos’ ou ‘injustamente bonitos’”, diz Yen.

Quando você muda a visão do seu corpo para o positivo, você pode notar melhorias nas relações sociais, diz ela.

Que ferramentas e estratégias você pode usar para melhorar seu relacionamento com seu corpo?

“A aceitação do corpo é algo que você precisa aprender ativamente, ajustando suas crenças e afastando-se da ideia de padrões de beleza irrealistas”, explica Carly S.

1. Deixe conversas que não lhe servem

“Uma das coisas mais difíceis de trabalhar para a aceitação do corpo é que você perceberá o quanto a vergonha do corpo vem das pessoas mais próximas a você”, diz Ixim.

Por exemplo, pode parecer um pai ou responsável perguntando se você precisa de outra porção no jantar ou um irmão criticando suas roupas.

Quando esses comentários surgem, “pode ser útil lembrar que eles estão dizendo isso porque também foram doutrinados em uma sociedade negativa para o corpo”, diz ela. “Mas termine a conversa educadamente.”

Pode-se dizer:

  • “No momento não estou disponível para ter esta discussão.”
  • “Eu te amo e não aceito mais comentários sobre meu corpo.”
  • “Estou saindo desta conversa porque você não está respeitando meus limites em relação a comentários corporais.”
  • “Gostaria que transferíssemos a conversa para outra coisa.”

2. Renove seus feeds sociais

“Crie uma bolha de aceitação corporal em seus cronogramas”, sugere Carly S.

Isso significa deixar de seguir contas que rotineiramente desencadeiam pensamentos negativos ou comparativos, bem como deixar de seguir qualquer pessoa que apareça e deixe você com um sentimento de pavor, ódio por si mesmo ou inadequação, diz ela.

Ixim recomenda repovoar seus feeds com pessoas que se parecem com você, bem como pessoas com vários tons e tamanhos corporais.

“Em vez de apenas seguir as pessoas com base em sua aparência, você pode considerar seguir pessoas que realizam atividades que despertam um sentimento de paixão dentro de você”, observa ela.

“Ao manter seus feeds sociais nutritivos e tão diversificados quanto possível, parte desse conteúdo visual começará a penetrar em sua psique e se tornará a nova norma”, diz Carly S.

3. Estabeleça uma prática de movimento alegre

As pessoas que praticam a aceitação do corpo muitas vezes celebram o que seus corpos podem fazer, em vez de se concentrarem na aparência ou no que eles parecem.

Como tal, encontrar uma prática de movimento que lhe permita explorar algo que o seu corpo pode fazer pode ajudá-lo a aceder a uma mentalidade mais neutra, diz Ixim.

“Você pode tentar algo que faça você se sentir poderoso, como kickboxing ou remo”, diz ela. Ou você pode tentar uma prática que o ajude a se conectar com o divino, como uma caminhada pela floresta ou uma aula de dança envolvente.

4. Priorize o tempo para o prazer

“Tocar seu corpo de novas maneiras pode ajudá-lo a apreciar todas as diferentes sensações que seu corpo é capaz de proporcionar”, diz Carly S.

Isso pode significar dançar no chuveiro, tomar banho de espuma, massagear-se ou masturbar-se, diz ela.

“Reservar um tempo semanal para se conectar com seu corpo pode ajudá-lo a descobrir suas preferências sexuais e a se sentir mais confortável para pedir o que deseja caso se torne sexual com outra pessoa”, diz Carly S.

5. Contrariar pensamentos negativos

Pensamentos negativos acontecem, especialmente se você for novo no jogo da autoaceitação. Tente combatê-los com pensamentos gentis ou neutros, diz Carly S.

Na prática, isso pode parecer:

  • “Posso não gostar da aparência da minha barriga agora, mas adoro como a pele da minha barriga é macia.”
  • “Minhas pernas podem mostrar folículos capilares mais rapidamente do que gostaria, mas adoro o quão fortes eles são.”
  • “Minha bunda não cabe bem no meu jeans, mas é o travesseiro perfeito para o meu cachorrinho.”

“Quando você pratica contrariar esses pensamentos com aceitação, você começará a treinar seu cérebro para ser mais gentil consigo mesmo”, diz ela.

6. Diga coisas boas de forma proativa

Você não precisa esperar que um pensamento negativo provoque um pensamento positivo.

Holly Schiff, PsyD, psicóloga clínica do Jewish Family Services em Greenwich, Connecticut, recomenda ser proativamente positivo.

Você pode dizer coisas boas para si mesmo no espelho, “ou pode tentar fazer exercícios de registro no diário, onde faz uma lista de 10 coisas que você gosta em você”, diz Schiff.

7. Tenha fé no futuro

“Ser adolescente é muito difícil”, diz Ixim. “Seu corpo está em constante mudança, há muita pressão social e o ensino médio é difícil.”

Apesar do que alguns adultos possam afirmar, este não é O melhor que pode ser. Nós prometemos.

“Sua vida está apenas começando e está melhorando”, diz ela.

Como os pais e responsáveis ​​podem oferecer apoio?

Você tem que aceitar seus próprios sentimentos sobre seu corpo e aparência antes de poder oferecer apoio autêntico, observa Ixim. Usar as dicas acima pode ajudar.

No que diz respeito a apoiar seu filho adolescente, tente:

  • Dê um exemplo positivo modelando comportamentos que promovam a aceitação do corpo.
  • Evite comprar alimentos com rótulos estimulantes ou enquadrar as refeições como “magras”, “sem culpa” ou “diet”.
  • Elogie as partes de sua personalidade que você aprecia.
  • Evite fazer comentários sobre peso, cabelo, maquiagem, roupa ou outras facetas de sua aparência.
  • Incentive-os a fazer coisas que os façam sentir-se bem.

Onde você pode aprender mais?

Para saber mais sobre aceitação corporal, confira o trabalho dos seguintes autores, educadores e influenciadores:

  • Betânia C. Meyers
  • Kayden Coleman
  • Kelvin Davis
  • Kenzie Brenna
  • Meg Boogs
  • Megan Ixim
  • Mik Zazon
  • Roxane Gay
  • Sonya Renée Taylor
  • Substancia Jones
  • Tess Holliday

Gabrielle Kassel (ela/ela) é uma educadora sexual queer e jornalista de bem-estar que está comprometida em ajudar as pessoas a se sentirem o melhor que puderem em seus corpos. Além da Healthline, seu trabalho apareceu em publicações como Shape, Cosmopolitan, Well+Good, Health, Self, Women’s Health, Greatist e muito mais! Em seu tempo livre, Gabrielle pode ser encontrada treinando CrossFit, revisando produtos de prazer, caminhando com seu border collie ou gravando episódios do podcast que ela coapresenta chamado Bad In Bed. Siga-a no Instagram @Gabriellekassel.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *