Adolescentes fazendo sexo não são inerentemente ruins ou prejudiciais – aqui está o porquê


0

Você pode reduzir o risco de danos ao seu filho adolescente, fornecendo informações médicas precisas para apoiar e encorajar decisões saudáveis ​​e informadas sobre sexo.

É importante lembrar que o termo “adolescente” representa uma ampla faixa etária.

Descreve muitas idades, estágios de desenvolvimento e níveis de preparação diferentes, explica a educadora sexual Erica Smith, M.Ed, criadora do Purity Culture Dropout, um programa para pessoas que foram criadas com crenças evangélicas sobre a sexualidade.

Afinal, o termo pode descrever jovens de 13 anos que ainda estão no ensino médio e jovens de 19 anos que já estão na faculdade.

“Sexo” é outra palavra que pode significar coisas diferentes dependendo de quem a diz. Algumas pessoas dizem que sexo pênis na vagina e pênis no ânus são os únicos tipos de sexo, enquanto outras dizem que sexo é qualquer ato de prazer significativo.

Sem dúvida, pode ser física ou emocionalmente prejudicial para uma pessoa envolver-se em atividade sexual quando não está adequadamente informada ou preparada para as possíveis consequências.

Mas, apesar de todo o medo em torno dos adolescentes fazerem sexo, os adolescentes que fazem isso nem sempre são o dia do juízo final. Algumas pesquisas sugerem que o sexo pode não apenas ser uma experiência neutra, mas também benéfica para alguns adolescentes.

O que a pesquisa diz sobre adolescentes fazendo sexo

Um estudo de 2007 liderado por psicólogos clínicos analisou dados do Estudo Longitudinal Nacional de Saúde do Adolescente, um estudo representativo nacionalmente que avalia a saúde dos adolescentes e o comportamento de alto risco nos Estados Unidos.

Embora milhares de participantes do 7º ao 12º ano tenham sido entrevistados em três pontos diferentes entre 1994 e 2002, os investigadores concentraram-se especificamente em dados recolhidos de 534 pares de gémeos do mesmo sexo.

Isso permitiu aos pesquisadores eliminar variáveis ​​genéticas e socioeconômicas que pudessem influenciar seu comportamento.

Os pesquisadores descobriram que, ao contrário da crença popular, os adolescentes que fazem sexo desde cedo podem ser menos inclinado a exibir “comportamento delinquente” – incluindo problemas emocionais, uso indevido de substâncias e criminalidade – mais tarde na vida.

A maioria dos adolescentes sexualmente ativos faz sexo com pessoas com quem mantém um relacionamento romântico. E esses relacionamentos os ensinam sobre intimidade, comunicação e emoções, além de mantê-los ocupados demais para infringir a lei.

Os investigadores observam que, embora existam desvantagens na actividade sexual no início da adolescência – nomeadamente gravidez não planeada e infecções sexualmente transmissíveis (IST) – estes riscos não são inevitáveis.

Outros países ocidentais têm taxas e padrões semelhantes de atividade sexual entre adolescentes, mas taxas drasticamente mais baixas de gravidez na adolescência.

A diferença? A maioria dos currículos de educação sexual nos Estados Unidos não faça adequadamente informar os adolescentes sobre a sua saúde sexual e reprodutiva, incluindo como se protegerem de gravidezes indesejadas e DSTs.

“Antes mesmo de perguntar: ‘Existem estudos que mostram que é prejudicial para os adolescentes fazer sexo ou não?’ devemos também pensar: ‘Adolescentes onde? Adolescentes preparados ou despreparados? Adolescentes que recebem educação sexual baseada em táticas de susto ou adolescentes que são criados desde o nascimento para acreditar que o sexo é uma parte normal e saudável dos relacionamentos?’”, Diz Smith.

“Os resultados do estudo serão muito diferentes dependendo do contexto”, diz Smith.

Se você fizer seu próprio mergulho profundo, observe quem são os pesquisadores e quem está financiando a pesquisa.

Pesquisas escritas ou financiadas por pessoas com investimento financeiro na educação baseada apenas na abstinência ou na cultura do celibato, incluindo afiliados religiosos, provavelmente não são objetivas.

Por que você deve incentivar seu filho a ter arbítrio e autonomia

A autonomia corporal, na sua forma mais resumida, é o seu direito de tomar decisões sobre o seu corpo.

Para crianças e adolescentes, a autonomia corporal se parece com:

  • poder usar o que quiserem
  • escolher se desejam manter, remover ou alterar de outra forma os pelos faciais ou corporais
  • ser capaz de pintar o cabelo, usar maquiagem ou alterar sua aparência temporariamente
  • ter espaço para explorar sua identidade de gênero e tomar decisões sobre cuidados de afirmação de gênero
  • ser incentivado a aceitar ou não o contato físico, incluindo apertos de mão e abraços, com membros da família

Quando você permite que seu filho tenha autonomia sobre essas coisas, você o ensina a perceber e respeitar como seu coração, mente, corpo e alma se sentem ou respondem quando querem ou não algo.

Por exemplo, talvez eles sintam calor e formigamento no corpo quando fazem, vestem ou sentem algo bom, mas têm uma sensação sombria e vazia quando o oposto é verdadeiro.

No futuro, essas informações os ajudarão a decidir com que tipo de pessoa desejam ou não ter intimidade.

Como apoiar seu filho adolescente em sua jornada

Se ainda não o fez, comece a conversar com seu filho sobre sexo. Quanto antes melhor.

Embora algumas escolas ofereçam educação sexual, ela pode não ser medicamente precisa e provavelmente não é abrangente.

Apenas 22 estados dos EUA exigem que, se for fornecida, a educação sexual seja precisa do ponto de vista médico, factual ou técnico. Isso deixa muito espaço para desinformação.

Você precisa complementar tudo o que seu filho está aprendendo na escola, disponibilizando informações médicas precisas para ele, diz Jesse Kahn, LCSW-R, CST, diretor e terapeuta sexual do The Gender & Sexuality Therapy Center na cidade de Nova York.

É importante ter várias conversas adequadas à idade do seu filho ao longo da vida, diz Smith.

“Isso ajuda os pais e cuidadores a criar uma atmosfera na qual seus filhos se sintam confortáveis ​​em abordá-los com perguntas e preocupações sobre assuntos relacionados ao sexo, sabendo que não terão problemas ou se sentirão envergonhados por isso”, explica ela.

Com o tempo, essas conversas podem ajudar a criar uma sensação de segurança emocional.

“Uma sensação de segurança emocional com os pais e cuidadores permite que os adolescentes estejam mais preparados para as emoções intensas dos relacionamentos sexuais e românticos e tenham habilidades de enfrentamento e apoio quando esses relacionamentos ocorrem”, acrescenta Smith.

Considerações físicas para discutir com seu filho adolescente

Em “Ativismo do Prazer: A Política de Sentir-se Bem”, Adrienne Maree Brown escreve: “O prazer é o ponto. Sentir-se bem não é frívola, é liberdade.”

Seja saboreando o sabor da comida, apreciando a beleza de um pôr do sol ou comemorando com os amigos, abraçar o prazer como uma busca digna e incentivar seu filho a fazer o mesmo pode mudar sua vida.

O prazer pelo prazer, sexual ou não, é uma forma válida de descoberta e exploração. Conversar com seu filho sobre prazer sexual é tão importante quanto falar sobre riscos sexuais.

Dependendo dos atos sexuais específicos em jogo, a atividade sexual pode levar a:

  • alterações no microbioma genital ou anal, aumentando o risco de infecções do trato urinário (ITU) e vaginose bacteriana
  • pequenos cortes ou rasgos ao redor da abertura da vagina ou ânus, dentro do canal vaginal ou anal ou ao longo do pênis
  • DSTs e doenças sexualmente transmissíveis (DSTs)
  • gravidez

Compreender estes riscos — e ter as ferramentas para os mitigar — é fundamental para tomar decisões informadas sobre a actividade sexual individual ou em parceria.

“Dar preservativos ao seu filho ou levá-lo ao médico para controle de natalidade é útil, mas não é suficiente”, diz Smith. “Você também deveria estar conversando com eles.”

Isso significa examinar todas as formas de contracepção, como usar cada método corretamente e como acessar cada método conforme necessário. Consulte um profissional de saúde afirmativo para saber mais.

Considerações emocionais para discutir com seu filho adolescente

“O sexo não é um processo exclusivamente biológico”, diz Smith. “Também é profundamente emocional e eles devem estar preparados para isso também.”

Ajude seu filho a compreender que ele pode sentir inúmeras emoções antes, durante e depois do sexo, como:

  • excitado
  • relaxado
  • satisfeito
  • eufórico
  • neutro
  • vulnerável
  • estranho
  • envergonhado
  • arrependido

Da mesma forma, é importante ensiná-los que vários fatores podem influenciar o modo como se sentem, incluindo:

  • seu nível geral de estresse, hidratação ou fome
  • a estabilidade e profundidade emocional de seu relacionamento com seu parceiro sexual
  • quão fisicamente, sexualmente ou romanticamente atraídos eles são por seu parceiro sexual
  • a quantidade e qualidade do tempo que passam com o parceiro sexual antes e depois do sexo
  • quão seguros eles se sentem com seu parceiro sexual

“Converse com seu filho adolescente sobre como a culpa e a pressão não são ingredientes adequados para o sexo”, diz Kimberly Vered Shashoua, LCSW, da Vered Counseling, um provedor de terapia on-line para adolescentes na Carolina do Norte e no Texas.

“Deixe-os saber que só porque disseram que fantasiaram sobre algo ou disseram ‘sim’ anteriormente, o parceiro não deve presumir que é isso que eles querem agora”, diz Shashoua.

Certifique-se de que seu filho saiba que, se algo indesejado acontecer, ele poderá procurar você, um terapeuta ou outro adulto de confiança, diz ela.

Onde aprender mais e recursos para compartilhar com seu filho adolescente

Essas conversas nem sempre são fáceis. Eles podem despertar sua própria negatividade sexual internalizada, homofobia, cis-normatividade e muito mais.

“Se você não se sente preparado para ter essas conversas como cuidador, pode consultar educadores sexuais e terapeutas sexuais que podem ajudá-lo a desaprender o que você não quer transmitir, criar roteiros adequados à idade para se comunicar com seu filho adolescente e ganhe confiança e conforto ao falar sobre sexo em geral e com seu filho adolescente”, diz Kahn.

Outros recursos (gratuitos) que os cuidadores podem consultar incluem:

  • Paternidade planejada
  • Scarleteen
  • Famílias Sexuais Positivas
  • Conselho de Informação e Educação sobre Sexualidade dos Estados Unidos
  • Converse com seus filhos

Conforte-se: você não precisa ser a única fonte de educação sexual clinicamente correta e positiva para seu filho adolescente.

Além dos sites acima, existem muitos livros, podcasts e outras ferramentas que você pode recomendar ou comprar para seu filho adolescente.

Para nomear alguns:

  • “Not Your Mother’s Meatloaf: A Sex Education Comic Book” editado por Saiya Miller e Liza Bley
  • “SEXO: o guia de sexualidade que você precisa saber para passar pela adolescência”, escrito por Heather Corinna
  • “Corpos Trans, Eus Trans: Um Recurso por e para Comunidades Transgêneros” editado por Laura Erickson-Schroth
  • “Espere o que? Um guia de quadrinhos para relacionamentos, corpos e crescimento”, co-escrito por Heather Corinna e Isabella Rotman e colorido por Luke B. Howard

Você pode encontrar ainda mais recursos por meio desta lista classificável por Sex Positive Families.

O resultado final

Equipar seu filho adolescente com informações médicas precisas sobre saúde sexual e reprodutiva – incluindo anatomia, consentimento, prazer, gravidez e DSTs – pode ser a diferença entre uma atividade sexual adolescente mais segura e menos segura.

Usar táticas baseadas na vergonha e no medo para ensinar os adolescentes sobre sexo não os impedirá de se envolverem em atividades sexuais. Mas isso os impedirá de falar com você sobre isso, mesmo que precisem de sua ajuda.

Criar um ambiente seguro e livre de julgamento pode capacitar seu filho a contar com você para obter apoio e orientação.


Gabrielle Kassel (ela/ela) é uma educadora sexual queer e jornalista de bem-estar que está comprometida em ajudar as pessoas a se sentirem o melhor que puderem em seus corpos. Além da Healthline, seu trabalho apareceu em publicações como Shape, Cosmopolitan, Well+Good, Health, Self, Women’s Health, Greatist e muito mais! Em seu tempo livre, Gabrielle pode ser encontrada treinando CrossFit, revisando produtos de prazer, caminhando com seu border collie ou gravando episódios do podcast que ela coapresenta chamado Bad In Bed. Siga-a no Instagram @Gabriellekassel.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *