Reparo de retocele: o que esperar


0

Um procedimento de reparo não é necessário para todas as pessoas que desenvolvem retocele, mas pode ser o tratamento de escolha quando os sintomas não podem ser controlados de forma conservadora.

A retocele é um tipo de prolapso de órgão pélvico. Ocorre quando a parede de suporte entre a vagina e o intestino grosso enfraquece, permitindo que o tecido do reto empurre a parede posterior da vagina.

Muitas pessoas com retocele não sabem que têm uma. Eles podem ocorrer sem sintomas e podem ser parte do envelhecimento, resultado de parto vaginal ou um efeito secundário de pressão crônica ou esforço no abdômen.

Quando os sintomas ocorrem, a sua gravidade e a forma como respondem ao tratamento conservador determinam em grande parte se é necessária uma reparação.

Por que está feito

O reparo da retocele envolve a correção cirúrgica da protuberância criada pelo reto que empurra para dentro da vagina. É um procedimento reservado para retoceles que causam desconforto significativo ou sintomas que não respondem a outros tratamentos.

Independentemente do método de reparo da retocele utilizado, o objetivo é remover a protuberância do tecido e reforçar o septo retovaginal, a parede de suporte entre a vagina e o intestino grosso.

As retoceles graves geralmente requerem reparo porque podem causar sintomas retais e vaginais graves, incluindo:

  • sexo doloroso
  • sangramento vaginal
  • dificuldade em evacuar
  • constipação
  • dor retal
  • esforço durante as evacuações

Você pode até precisar pressionar a parede vaginal com os dedos durante a evacuação para evacuar.

O que está envolvido

Durante um reparo de retocele, o cirurgião separa as paredes vaginal e retal.

O septo retovaginal é então reforçado por meio de plicatura, um processo de costura de dobras de tecido para aumentar a estabilidade estrutural. Às vezes, um remendo de malha cirúrgica ou um procedimento de grampeamento pode ser usado como reforço.

Uma vez que os tecidos vaginal e retal estejam devidamente separados e estruturalmente sólidos, o excesso de tecido do prolapso é removido.

Abordagens de reparo de retocele

quatro abordagens para reparo de retocele:

  • vaginal
  • abdominal
  • retal
  • períneo

O que o seu médico recomendar será baseado em fatores como idade, gravidade do prolapso e se os sintomas são principalmente vaginais ou retais.

O procedimento preferido também pode depender do especialista que realizará sua cirurgia. Os uroginecologistas, por exemplo, podem optar por procedimentos abdominais e vaginais, enquanto um médico colorretal pode optar por uma abordagem retal.

Certas condições concomitantes também podem afetar o reparo da retocele que você fará.

O procedimento de ressecção retal transanal grampeada (STARR), por exemplo, é um método de reparo de retocele anal frequentemente preferido se você estiver apresentando sintomas de obstrução retal.

Nenhuma abordagem de reparo da retocele é considerada melhor que as outras, embora a abordagem vaginal seja o mais comumente usado.

Como preparar

Se o seu profissional de saúde recomendou o reparo da retocele, você provavelmente já passou por vários exames físicos gerais, exames pélvicos e testes de contraste (defecografia) que indicam a presença de uma retocele.

No entanto, a preparação para a cirurgia ainda pode envolver mais trabalho de laboratório para garantir que você seja candidato à anestesia.

Nas semanas anteriores à cirurgia, mudanças no estilo de vida, como parar de fumar, também podem ser recomendadas para ajudar a diminuir o risco de complicações cirúrgicas.

Assim que seu trabalho de laboratório for aprovado, você receberá instruções pré-cirúrgicas específicas com base na abordagem de reparo da retocele.

Como o reparo da retocele ocorre sob anestesia geral, muitas vezes é necessário jejum na noite anterior ao procedimento.

Certifique-se de informar sua equipe médica sobre quaisquer medicamentos e suplementos prescritos ou de venda livre (OTC) que você toma. Às vezes, o seu profissional de saúde pode recomendar ajustes na dosagem ou aconselhar sobre o que evitar antes do procedimento.

Se você estiver passando por um reparo de retocele por abordagem anal, a preparação intestinal é necessária para garantir que o reto e os intestinos estejam livres de fezes. Isso pode envolver o uso de enemas ou laxantes um dia antes da cirurgia.

No dia, siga as recomendações de higiene do seu cirurgião (se houver) e use roupas confortáveis.

Processo de recuperação

O cronograma de recuperação para o reparo da retocele varia dependendo do procedimento e de fatores como idade e saúde geral.

Em geral, você deve planejar ficar longe do trabalho, de atividades extenuantes e de sexo por várias semanas.

Seu cirurgião pode encaminhá-lo para um especialista em reabilitação pélvica assim que o local da cirurgia estiver curado. Um especialista em reabilitação pode orientá-lo através de exercícios de fortalecimento do assoalho pélvico para melhorar a saúde pélvica geral.

Resultados e eficácia

A maioria das pessoas submetidas ao reparo da retocele relata uma melhora nos sintomas após o procedimento.

Num estudo de 2011 com 37 mulheres submetidas a reparação de rectocele utilizando o procedimento STARR, 87% dos participantes tiveram resultados que variaram de “adequado” a “excelente”. Pouco mais de 80% afirmaram que optariam por realizar o procedimento novamente.

A Revisão de literatura de 2021 analisaram nove estudos envolvendo procedimentos de reparo transperineal. A taxa média de notas de melhoria dos sintomas em todos os estudos foi de pouco mais de 70%.

Você pode precisar de um procedimento de acompanhamento. Uma coorte nacional sueca de 2022 estudar descobriram que 11,5% das pessoas necessitaram de reoperação 5 anos após o reparo da retocele, enquanto 16,4% necessitaram dela em 10 anos.

Risco de complicações

O reparo da retocele apresenta risco de complicações semelhantes a qualquer outro procedimento cirúrgico, como:

  • infecção
  • retenção urinária
  • reações alérgicas à anestesia

Após o reparo da recotcele, você também pode experimentar:

  • nova dor durante a relação sexual
  • incontinência fecal
  • fístula retovaginal (uma abertura entre a vagina e o reto)

Também existe a possibilidade de que, mesmo após uma cirurgia bem-sucedida, o prolapso ocorra novamente e exija tratamento adicional.

Opções não cirúrgicas

Existem várias estratégias não cirúrgicas para controlar os sintomas da retocele, incluindo:

  • uma dieta rica em fibras de mais de 25 gramas por dia
  • bebendo 2 a 3 litros de água diariamente
  • amaciadores de fezes
  • fortalecimento do assoalho pélvico, como exercícios de Kegel
  • uso de um pessário vaginal

O reparo da retocele geralmente é o próximo passo se essas abordagens não proporcionarem alívio.

O resultado final

As retoceles não são fatais e a maioria não requer intervenção cirúrgica. Mas o seu médico pode recomendar um procedimento de reparo se os seus sintomas forem graves ou não puderem ser controlados com métodos não cirúrgicos.

Embora existam várias abordagens para o reparo da retocele, o objetivo final é reforçar a parede de suporte entre a vagina e o reto e eliminar o excesso de tecido.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *