Como rastrear nefropatia relacionada ao diabetes


0

A nefropatia diabética é uma doença renal e é grave, mas você pode fazer exames de triagem para ajudar a diagnosticar essa complicação do diabetes com antecedência suficiente para tratá-la.

A nefropatia relacionada ao diabetes, também conhecida como nefropatia diabética ou doença renal diabética (DKD), é uma complicação potencialmente fatal do diabetes.

Níveis cronicamente elevados de glicose no sangue danificam os vasos sanguíneos nos rins. Com o tempo, os rins perdem a capacidade de filtrar os resíduos do sangue e, eventualmente, falham completamente. Quando isso acontece, é necessária diálise ou transplante de órgão para permanecer vivo.

Não há cura para a nefropatia diabética, mas quando detectada precocemente, sua progressão pode ser retardada ou interrompida.

Vários tipos de testes são usados ​​para rastrear a nefropatia diabética. A triagem é uma parte importante do gerenciamento da saúde renal para pessoas com diabetes.

Teste de proteína na urina

A proteína começará a aparecer na urina quando os rins forem danificados. Uma das primeiras proteínas a aparecer é a albumina. Um teste de proteína na urina mede a quantidade de albumina presente em uma amostra de urina.

Aqui está o que os resultados significam, de um modo geral:

  • menos de 30 miligramas (mg) é considerado dentro de uma faixa saudável
  • 31 a 300 mg pode indicar doença renal precoce (microalbuminúria)
  • acima de 300 mg é considerada doença renal mais avançada (macroalbuminúria)

Taxa de filtração glomerular estimada (eGFR)

Este teste mede o quão bem seus rins estão trabalhando para filtrar o sangue.

Ele faz isso analisando o nível de creatinina no sangue. A creatinina é uma toxina que os rins normalmente filtram. A taxa de filtração sanguínea estimada de uma pessoa é calculada usando essa medida mais outros fatores físicos, como idade, sexo e tamanho do corpo.

Aqui estão o que resultados significam:

  • Uma TFG de 60 ou mais está na faixa normal.
  • Uma TFG abaixo de 60 pode significar doença renal.
  • Uma TFG de 15 ou menos pode significar insuficiência renal.

exames de imagem

Os exames de imagem são testes não invasivos que criam uma imagem dos órgãos, ossos ou tecidos dentro do corpo. Existem três tipos comuns de exames de imagem usados ​​para rastrear nefropatia por diabetes:

ultrassom renal

Também chamado de ultrassom renal, ele usa ondas sonoras para produzir uma imagem de vídeo em tempo real do interior do corpo.

tomografia computadorizada

Uma tomografia computadorizada usa raios-X para criar uma imagem de seção transversal 3D do interior do corpo. Algumas tomografias exigem que um agente de contraste, também conhecido como corante, seja introduzido no corpo, seja por injeção ou ingestão, para melhorar a qualidade da imagem.

Biópsia renal

Também conhecido como biópsia renal, este teste remove um pequeno pedaço dos rins para exame. É um teste invasivo. A biópsia é feita com uma agulha ou com uma pequena cirurgia. Uma biópsia pode descobrir cicatrizes, inflamação ou depósitos de proteínas que não podem ser descobertos usando outros testes.

Saiba mais sobre a nefropatia diabética

Você pode reduzir o risco de doença renal relacionada ao diabetes monitorando e gerenciando regularmente seus níveis de glicose e saúde renal, além de fazer exames anuais de saúde.

Isto foi útil?

Com que frequência você deve ser rastreado para doença renal diabética?

A diretriz geral para pessoas com diabetes é fazer uma triagem da função renal todos os anos.

Para pessoas com diabetes tipo 2, os exames começam no diagnóstico. Para pessoas com diabetes tipo 1, os exames podem começar 5 anos após o diagnóstico.

Os sintomas da doença renal geralmente são sutis e facilmente perdidos. Por causa disso, certos fatores de risco podem apontar para a necessidade de ser mais diligente na triagem.

De acordo com a National Kidney Foundation, esses fatores de risco incluem:

  • história familiar de insuficiência renal
  • pressão alta
  • doença cardíaca
  • infecções crônicas do trato urinário (ITUs)
  • pedras nos rins
  • uso prolongado de anti-inflamatórios não esteróides (AINEs), como ibuprofeno e naproxeno

Existe um teste que diagnostica a doença renal do diabetes?

Os médicos usam um teste de proteína na urina e um teste de eGFR para diagnosticar a nefropatia diabética.

Os resultados do EGFR são mais precisos e usados ​​para identificar estágios específicos da doença renal. Geralmente, um eGFR acima de 90 é considerado saudável. Abaixo disso, os resultados são divididos em estágio 1 (lesão renal leve) até o estágio 5 (insuficiência renal).

Por que a triagem para nefropatia diabética é importante?

A nefropatia diabética é uma complicação comum do diabetes. De acordo com o Instituto Nacional de Diabetes e Doenças Digestivas e Renais (NIDDK), 1 em 3 pessoas com diabetes têm doença renal nos Estados Unidos.

Com o tempo, os rins perdem a capacidade de filtrar os resíduos do sangue e, eventualmente, falham completamente. Quando os rins não funcionam mais, é necessário fazer diálise ou um transplante de órgão para se manter vivo.

A nefropatia do diabetes também é difícil de detectar. Sintomas comuns, como náuseas, alterações na micção, inchaço dos membros ou dores musculares, podem ser facilmente descartados ou confundidos com outras condições.

Exames regulares são a maneira mais eficaz de monitorar alterações na saúde renal. Eles podem possibilitar a detecção precoce, de modo que o tratamento e as mudanças no estilo de vida possam retardar ou interromper a progressão da nefropatia diabética.

Remover

A triagem regular da saúde dos rins faz parte do gerenciamento ativo do diabetes. É a maneira mais eficaz de detectar os sinais precocemente e melhorar as chances de um resultado melhor.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *