Como reconhecer e quebrar laços traumáticos


0

homem e mulher sentados e encostados em lados opostos de uma árvore
Guille Faingold / Stocksy United

Sair de um relacionamento abusivo geralmente não é tão simples quanto sair pela porta.

Junto com as preocupações sobre como encontrar um lugar para morar, se sustentar ou ser impedido de ver seus filhos ou entes queridos, você pode se sentir amarrado ao seu parceiro, incapaz de se separar.

Esse apego emocional, conhecido como vínculo traumático, se desenvolve a partir de um ciclo repetido de abuso, desvalorização e reforço positivo.

O trauma do abuso pode criar sentimentos poderosos que você luta para entender, especialmente quando o abuso alterna com bondade e intimidade.

É natural desenvolver um vínculo com alguém que o trata com bondade. Muitos relacionamentos abusivos começam com uma chuva de afeto e garantias de amor.

Quando o abuso começar, você pode ficar surpreso. Depois disso, seu parceiro pode se desculpar, jurar que vai mudar ou insistir “Eu só estava chateado”.

Essas tentativas de manipulação geralmente são bem-sucedidas, pois você se lembra dos primeiros dias do relacionamento e acredita que eles podem ser aquela pessoa novamente.

A ligação de trauma também pode acontecer entre:

  • uma criança e um cuidador abusivo ou outro adulto
  • um refém e sequestrador
  • o líder e membros de uma seita

Sinais de um vínculo traumático

Os vínculos do trauma podem ser um pouco diferentes dependendo do tipo de relacionamento, mas tendem a ter duas características principais.

Uma natureza cíclica

Primeiro, eles dependem de reforço intermitente. Em outras palavras, um ciclo de abuso.

Em geral, é mais fácil sair de uma situação totalmente ruim, em que a pessoa abusiva nunca oferece qualquer gentileza ou preocupação com o seu bem-estar. Se você não acredita que alguém mudará, provavelmente não ficará por aqui.

Mas em relacionamentos abusivos, seu parceiro ocasionalmente faz te tratar bem. Eles podem trazer presentes para você, chamá-lo de sua alma gêmea, levá-lo para sair ou pedir-lhe para relaxar.

Esses gestos podem ser confusos e desarmadores, especialmente se pensados ​​como sinais de mudança permanente.

Eventualmente, o amor começa a ofuscar o medo de novos abusos. À medida que você recupera lentamente o senso de confiança, pode ignorar ou suprimir as memórias de seu comportamento passado até que o ciclo comece novamente.

Um desequilíbrio de poder

Esses laços também se baseiam em um desequilíbrio de poder subjacente. Nessa dinâmica, você pode sentir que eles o controlam a ponto de não saber mais como resistir ou se libertar.

Mesmo que você consiga sair do relacionamento, poderá ter dificuldade em romper esse vínculo sem ajuda profissional.

Você pode se sentir incompleto ou perdido sem eles e, eventualmente, retornar, simplesmente porque o ciclo abusivo é familiar e você ainda não sabe como viver sem ele.

Outros sinais importantes

Aqui está uma olhada em algumas outras características dos vínculos traumáticos:

  • Você se sente infeliz e pode até não gostar mais do seu parceiro, mas ainda se sente incapaz de terminar as coisas.
  • Quando você tenta ir embora, você se sente física e emocionalmente angustiado.
  • Quando você diz que quer ir embora, eles prometem mudar, mas não fazem nenhum esforço para realmente fazê-lo.
  • Você se fixa nos dias “bons”, usando-os como prova de que realmente se importam.
  • Você dá desculpas e defende o comportamento deles quando outros expressam preocupação.
  • Você continua a confiar neles e espera mudá-los.
  • Você os protege mantendo o comportamento abusivo em segredo.

Laços de trauma podem perdurar, mesmo quando o abuso aconteceu há muito tempo. Você pode ter dificuldade em parar de pensar em alguém que o magoou e sentir vontade de estender a mão ou tentar novamente.

Aqui está um teste que pode ajudar, embora não seja conclusivo:

Pergunte a si mesmo se você incentivaria um ente querido a deixar um relacionamento semelhante. Responda honestamente.

Se você respondeu sim, mas ainda se sente impotente para deixar seu relacionamento, isso é um bom indicador de vínculo de trauma.

Porque isso acontece

As pessoas que nunca sofreram abuso muitas vezes têm dificuldade em entender por que as pessoas continuam em relacionamentos abusivos. Eles podem acreditar que você é perfeitamente capaz de partir.

Na realidade, porém, o vínculo do trauma torna isso extremamente difícil.

As pessoas não escolhem o abuso. Eles também não podem ajudar no desenvolvimento de vínculos traumáticos, que são impulsionados por alguns processos biológicos bastante fortes.

A resposta de congelamento

Talvez você esteja familiarizado com a resposta de lutar ou fugir, a resposta automática de seu corpo a qualquer ameaça percebida. Talvez você esteja ciente de que as pessoas respondem a ameaças em quatro maneiras diferentes: lutar, fugir, congelar, fulvo.

Quando você enfrenta o abuso ou teme a possibilidade de um abuso futuro, seu cérebro reconhece a angústia iminente e envia um aviso para o resto do seu corpo.

A adrenalina e o cortisol (os hormônios do estresse) entram em ação, estimulando seu instinto de sobrevivência e desencadeando tensão emocional e física.

É aqui que entra o desequilíbrio de poder: se você não sente que pode escapar com segurança ou enfrentar a pessoa que está abusando de você, congelar pode parecer a melhor opção, então você fica.

Quando os pensamentos sobre o abuso se tornam muito dolorosos ou difíceis de suportar, você opta por se concentrar nas partes positivas de seu relacionamento e ignorar ou bloquear o resto.

Você pode dar desculpas para eles e justificar seu comportamento para racionalizar sua necessidade de ficar.

Cada repetição do ciclo pode reforçar essa sensação de impotência, a aparente certeza de que você nunca será capaz de escapar. Você passa a acreditar na falsa realidade que eles construíram para controlá-lo: você precisa deles. Eles precisam de você. Você não é nada sem eles. Ninguém mais se importa.

Essas mentiras podem fragmentar blocos cada vez maiores de sua identidade e autoestima, prendendo-o mais fortemente ao relacionamento.

Os hormônios também desempenham um papel

Os hormônios podem ser reforçadores poderosos. Você só precisa examinar o papel da dopamina no vício para encontrar suporte para isso.

A dopamina tem uma função semelhante na ligação do trauma. Depois de um incidente de abuso, o período de calma que geralmente se segue pode aliviar seu estresse e medo.

Desculpas, presentes ou afeição física oferecidos pela pessoa abusiva servem como recompensas que ajudam a reforçar a onda de alívio e desencadear a liberação de dopamina.

Como a dopamina cria sensações de prazer, ela pode fortalecer sua conexão com o agressor. Você quer o aumento de dopamina, então continua tentando fazê-los felizes para ganhar seu afeto.

Afeto físico ou intimidade também estimulam a liberação de oxitocina, outro hormônio do bem-estar que pode fortalecer ainda mais os laços. A oxitocina não só promove a conexão e sentimentos positivos, mas também pode aliviar o medo.

A afeição física de um parceiro abusivo, então, pode atenuar o sofrimento e a dor emocional, tornando mais fácil focar no tratamento positivo.

Quebrando o vínculo

Pessoas que sofreram abuso na infância muitas vezes se sentem atraídas por relacionamentos semelhantes na idade adulta, uma vez que o cérebro já reconhece os altos e baixos do ciclo.

Uma história de trauma pode tornar ainda mais difícil quebrar os laços traumáticos, mas você pode aprenda a parar este ciclo. Essas dicas podem ajudar.

Saiba com o que você está lidando

Reconhecer a existência do vínculo é um primeiro passo importante. Quando se trata de abuso, é claro, muitas vezes é mais fácil falar do que fazer.

Para encontrar evidências de abuso e reconhecer sinais de vínculo de trauma, aqui estão algumas coisas que você pode tentar:

Mantenha um diário

Anotar coisas que acontecem todos os dias pode ajudá-lo a começar a identificar padrões e observar problemas com comportamento que podem não ter parecido abusivos no momento.

Quando abusar faz acontecer, observe o que aconteceu e se seu parceiro disse algo depois para desculpá-lo.

Considere o relacionamento de outra perspectiva

Finja que está lendo sobre seu relacionamento em um livro. Geralmente é mais fácil examinar eventos negativos quando você tem algum nível de distanciamento.

Preste atenção aos pequenos detalhes que o incomodam ou o fazem parar. Eles parecem saudáveis ​​para você?

Fale com seus entes queridos

Não é fácil falar abertamente sobre o abuso. Talvez você tenha ficado com raiva ou rejeitado amigos e familiares quando eles expressaram preocupação no passado.

No entanto, os entes queridos podem oferecer uma perspectiva essencial. Desafie-se a ouvir e a fazer um esforço real para considerar a exatidão de suas observações.

Evite a auto-culpa

Acreditar que você causou o abuso ou o provocou pode dificultar o exercício de sua autonomia, mantendo-o efetivamente no relacionamento.

Lembre-se de que o abuso nunca é sua culpa, não importa:

  • o que você pode ou não ter feito
  • quão profundamente você teme a solidão ou uma vida sem eles
  • quantas vezes você já voltou

Você Faz merece melhor. Substituir a autocrítica e a culpa por afirmações e conversas internas positivas pode ajudar essa verdade a começar a se estabelecer.

Corte o contato completamente

Depois de tomar a decisão de sair, interrompa o ciclo completamente, interrompendo toda a comunicação.

Se você for um dos pais, isso pode não ser possível, mas um terapeuta pode ajudá-lo a estabelecer um plano para manter apenas o contato necessário.

Crie distância física encontrando um lugar seguro para ficar, como um parente ou amigo. Considere também alterar seu número de telefone e endereço de e-mail, se possível.

Se você não pode fazer isso, bloqueie-os completamente. Eles podem entrar em contato com um novo número, mas ignore essas mensagens e chamadas.

Eles podem insistir que vão mudar, ir para a terapia, fazer qualquer coisa, desde que você simplesmente volte. Essas promessas podem parecer muito tentadoras.

Lembre-se, porém, de quantas vezes eles já prometeram mudar.

Obtenha ajuda profissional

Embora você possa agir para começar a enfraquecer o vínculo do trauma por conta própria, esses vínculos tendem a se manter firmes. Você pode não achar fácil se libertar sem suporte profissional, e isso é absolutamente normal.

Um terapeuta pode lhe ensinar mais sobre os padrões de abuso que impulsionam os vínculos traumáticos, e esse insight pode muitas vezes fornecer muita clareza.

Na terapia, você também pode:

  • explorar os fatores que alimentam o vínculo
  • trabalhar na definição de limites
  • aprender habilidades para construir relacionamentos saudáveis
  • confrontar a autocrítica e a autoculpa
  • desenvolver um plano de autocuidado
  • lidar com os sintomas de saúde mental relacionados a trauma e abuso de longa duração

Geralmente é recomendado trabalhar com um terapeuta informado sobre o trauma. Profissionais que se especializam em reconhecer e tratar o transtorno de estresse pós-traumático (PTSD), particularmente PTSD complexo e os efeitos colaterais do abuso, muitas vezes podem ter o maior impacto para as pessoas que trabalham para superar esse trauma específico.

Recursos para suporte extra

Se você precisar de ajuda para reconhecer o abuso, sair de uma situação abusiva ou iniciar o processo de cura após deixar um parceiro abusivo, estes recursos podem oferecer um ponto de partida:

  • Love Is Respect oferece recursos projetados especificamente para pessoas entre 13 e 26 anos.

  • A National Domestic Violence Hotline oferece suporte confidencial gratuito 24 horas por dia, 7 dias por semana, pelo telefone 800-799-7233 ou via chat. A organização também oferece um guia para a criação de um plano de segurança.

O resultado final

O abuso nunca é sua culpa. Nem o desenvolvimento de um vínculo traumático.

Pode levar algum tempo para recuperar o senso de autoestima e sentir como se finalmente tivesse se libertado, mas o apoio de um profissional treinado pode fazer toda a diferença.


Crystal Raypole já trabalhou como escritor e editor da GoodTherapy. Seus campos de interesse incluem línguas e literatura asiáticas, tradução para o japonês, culinária, ciências naturais, positividade sexual e saúde mental. Em particular, ela está empenhada em ajudar a diminuir o estigma em torno de questões de saúde mental.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Countdown
The Classic Internet Countdowns
Open List
Submit your own item and vote up for the best submission
Ranked List
Upvote or downvote to decide the best list item
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format