Seu guia para comer bem com autismo


0

Embora o autismo possa acompanhar a aversão alimentar, isso não significa que você não possa fazer refeições nutritivas e agradáveis.

O transtorno do espectro do autismo (TEA) é uma condição de desenvolvimento que faz com que uma pessoa experimente diferenças em seu comportamento, comunicação e aprendizagem. O autismo afeta cerca de 1% de crianças em todo o mundo, segundo estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A pesquisa sugere que os problemas alimentares são comuns em pessoas autistas – e muitos desses problemas decorrem de fatores como aversões a certos sabores e texturas ou preferências alimentares estritas.

Abaixo, exploramos por que o autismo pode dificultar a ingestão de alimentos e compartilhamos algumas dicas sobre como superar essas barreiras para tornar a alimentação uma experiência mais agradável.

Por que o autismo dificulta a alimentação?

Pessoas autistas, especialmente crianças, muitas vezes têm mais dificuldades para comer do que pessoas sem autismo. E embora muitos fatores possam causar problemas alimentares em pessoas autistas, existem alguns motivos mais comuns.

Aversão ao sabor ou textura

Dificuldades de processamento sensorial são uma característica definidora do autismo. Muitos pessoas autistas percebem as experiências sensoriais de maneira diferente, especialmente quando comem ou bebem.

Em um revisão de 2022, os pesquisadores exploraram a ligação entre o processamento sensorial e os comportamentos alimentares no autismo. Segundo os estudos, a sensibilidade e a hipersensibilidade ao cheiro e sabor dos alimentos eram cada vez mais comuns em pessoas autistas.

Preferências alimentares limitadas

Preferências alimentares restritas e limitadas são comuns em pessoas autistas. Eles podem variar de preferências simples a condições graves, como transtorno de ingestão alimentar evitativa/restritiva (ARFID).

Pesquisa de 2022 constataram que a restrição alimentar e a ARFID são extremamente comuns em pessoas autistas, principalmente crianças e adolescentes. Os pesquisadores observam que isso geralmente se deve a fatores como problemas sensoriais, fobias alimentares ou apenas falta de interesse pela comida.

Comportamentos alimentares repetitivos

Comportamentos rígidos e repetitivos são comuns no autismo. Às vezes, esses comportamentos podem se estender a atividades como comer e fazer as refeições.

Em um Revisão de 2020, os pesquisadores exploraram comportamentos alimentares comuns e na hora das refeições em pessoas autistas. Em crianças e adolescentes, e até adultosos comportamentos comuns incluíam coisas como comer apenas alimentos específicos, preparações alimentares específicas ou comer em horários específicos, para citar alguns.

Problemas para reconhecer pistas

“Interocepção” descreve nosso senso de consciência de como nos sentimos dentro de nossos corpos. Pessoas autistas podem ter dificuldade em interpretar sinais interoceptivos, incluindo aqueles como fome e sede.

Uma revisão preliminar de 2016 explorou como o TEA afeta a interocepção. De acordo com os pesquisadores, a interocepção é normalmente alterada em pessoas autistas, muitas vezes levando a uma hiporreatividade ou sub-reatividade ao estado interno.

Como posso comer melhor com autismo?

Se você tiver dificuldade para comer por causa de problemas sensoriais ou preferências alimentares limitadas, há algumas coisas que você pode fazer para garantir que ainda esteja seguindo uma dieta nutritiva.

E a propósito, o termo “nutritivo” neste contexto não significa restritivo ou estrito; significa ter certeza de que seu corpo está recebendo os alimentos de que precisa e gosta.

Uma ferramenta que você pode usar para se tornar mais consciente de sua dieta é um diário alimentar. Um diário alimentar diário é uma ótima ferramenta para acompanhar não apenas os alimentos que você ingere, mas também suas preferências alimentares e outros fatores que influenciam seus hábitos alimentares.

Depois que você conseguir identificar se há alguma preocupação com sua dieta, existem algumas maneiras de resolver esses problemas:

  • Encontre alimentos semelhantes: Se você tem aversão a coisas como sabor e textura, mas deseja expandir sua dieta, tente encontrar alimentos semelhantes aos que você já gosta. Por exemplo, se você gosta da textura do Tater Tots, existem produtos semelhantes feitos de couve-flor, brócolis ou outros vegetais.
  • Adicione novos alimentos lentamente: Contanto que você atenda à maioria de suas necessidades nutricionais, não há razão para tentar se forçar a comer todos os alimentos que existem. Mas também não há nada de errado em querer adicionar novos alimentos à sua dieta. Apenas certifique-se de adicionar novos alimentos lentamente para não se sobrecarregar.
  • Consulte um nutricionista: Quando você tem uma dieta limitada, pode colocá-lo em risco de coisas como deficiências nutricionais. Os exames de sangue feitos pelo seu médico podem ajudar a descobrir se você tem alguma deficiência. Quando se trata de resolver essas deficiências, às vezes um nutricionista ou nutricionista pode ser útil.

Se você está planejando consultar um nutricionista ou nutricionista, pode ser útil encontrar alguém que esteja familiarizado com os desafios que as pessoas autistas enfrentam quando se trata de alimentação. Será muito mais fácil fazer as mudanças necessárias se o seu nutricionista compreender algumas das barreiras que você enfrenta em relação à alimentação.

Experimente a ferramenta FindCare da Healthline para ajudar a encontrar os melhores médicos em sua área.

Gerenciando a superestimulação ao comer fora

Pessoas autistas podem experimentar informações sensoriais de maneira diferente. Muitas pessoas autistas são conhecidas como “hiper-reativas” às experiências sensoriais. Quando há muitas informações sensoriais, como sons, cheiros ou luzes, ser hiper-reativo a essas coisas pode levar à sobrecarga sensorial (superestimulação) ou dor.

Para pessoas autistas propensas a sofrer superestimulação, jantar fora em um restaurante ou comer perto de um monte de gente pode muitas vezes ser um gatilho.

Se você percebeu que tende a ficar sobrecarregado ou estressado enquanto come fora, existem algumas estratégias que você pode usar para atenuar isso:

  • Tem um plano: Primeiro, antes mesmo de sair de casa, pode ser útil criar uma estratégia calmante que você possa usar se perceber que está ficando ansioso ou superestimulado. Todo mundo tem coisas diferentes que os ajudam quando se sentem sobrecarregados, então crie um plano usando as ferramentas que forem mais confortáveis ​​para você.
  • Pesquise suas opções: Algumas cidades maiores têm restaurantes dedicados a oferecer experiências gastronômicas favoráveis ​​ao autismo. Mas mesmo que não haja nenhum na sua região, você pode revisar os cardápios e acomodações com antecedência.
  • Regular o ruído: Você também pode usar ferramentas que podem ajudar a amortecer parte do ruído quando você estiver jantando fora. Se sons altos ou multidões caóticas forem o gatilho, considere usar fones de ouvido para controlar o que você está ouvindo. Existem até alguns tampões de ouvido com cancelamento ou redução de ruído projetados para serem pequenos e discretos.
  • Reduza a luz: Se você costuma ser incomodado por luzes fortes, tente escolher locais com iluminação mais escura (como um gastropub) ou pergunte se você pode sentar-se em uma parte mais escura do restaurante. Você também pode usar óculos escuros.
  • Obtenha suporte: Se você está tentando se acostumar a comer em restaurantes, avise um amigo ou familiar de confiança. Eles podem jantar fora com você para oferecer apoio e ajudá-lo a voltar para casa se você ficar superestimulado.

Remover

Dificuldades alimentares são comuns no autismo, especialmente para pessoas autistas com problemas de sabor e textura, preferências alimentares rígidas e comportamentos alimentares repetitivos. Às vezes, esses problemas podem dificultar que as pessoas autistas comam o suficiente dos alimentos de que seu corpo necessita, o que pode levar a coisas como deficiências nutricionais.

No entanto, estando conscientes destes obstáculos e fazendo pequenas mudanças ao longo do tempo, as pessoas autistas podem transformar a alimentação numa experiência mais saudável e agradável para si mesmas.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *