Pergunte ao advogado: Como você diz às pessoas que tem alopecia areata?


0

Muitas pessoas que sofrem queda de cabelo devido à alopecia têm o instinto de se retirar ou se esconder. Encontrar o suporte certo é fundamental. Dependendo do seu nível de conforto, isso pode envolver compartilhar seu diagnóstico com outras pessoas.

O suporte pode ser diferente para cada pessoa. Seus entes queridos, profissionais de saúde mental e comunidades de pessoas que se identificam com suas experiências são recursos potenciais nos quais você pode se apoiar enquanto você navega pelos altos e baixos.

Para saber mais sobre o que esperar ao falar sobre a alopecia, Healthline conversou com Keya Trammell. Ela é uma artista e artista radicada em Chicago que recebeu um diagnóstico de alopecia areata aos 2 anos de idade.

Esta entrevista foi editada por questões de brevidade, extensão e clareza.

Como foi contar às pessoas que você tem alopecia areata? Quais foram os benefícios?

Lembro-me dos meus primeiros momentos quando era jovem, apresentando-me no primeiro dia de aula ou no acampamento de verão. Eu diria: “Olá, meu nome é Keya e tenho alopecia!”

Minha introdução entusiástica foi minha maneira inteligente de conscientizar os colegas sobre minha singularidade antes que a provocação pudesse ser uma opção.

Usei perucas desde a primeira série até a faculdade. Minha mãe e eu sentimos que as perucas poderiam ser um tipo de proteção para mim. Às vezes, eu chamava a atenção para mim mesmo tirando a peruca na aula para fazer os outros rirem. Eu estava, mais uma vez, tentando vencer a provocação.

Isso não durou muito, especialmente quando percebi que a provocação viria, quer eu convidasse ou não. Certa vez, no último ano do ensino médio, minha peruca escorregou na aula. Desta vez, não foi intencional. A turma riu, inclusive minha professora, e pedi licença para ir ao banheiro. Fiquei arrasado, para dizer o mínimo.

No dia seguinte, raspei o cabelo restante para recuperar minha dignidade. Eu ainda ia para a escola de peruca, mas por baixo me tornei meu próprio super-herói. Eu recuperei meu poder naquele momento.

Vivendo minha verdade e amando-a

Agora sou um artista baseado em Chicago, Illinois, então estou sempre na frente das pessoas.

Há cerca de 8 anos, escrevi um poema intitulado “Intitulado Alopecian”, no qual falaria sobre minha jornada com a queda de cabelo. Eu recitava com uma peruca e arrancava a peruca no final do poema. Uau! Isso despertaria o público e eu sempre choraria quando terminasse.

À medida que fui ficando cada vez mais confortável com meu visual, decidi embarcar na aventura cotidiana de ser uma mulher careca. Foi a melhor decisão que já tomei. Isso me ajudou a me sentir livre. Até minha vida amorosa está melhor, não necessariamente porque sou careca, mas porque tenho muita confiança na minha aparência.

Eu nado mais leve. Não tenho cabelo no rosto com as janelas abertas. E minha cabeça está lisa como o bumbum de um bebê depois de um novo barbear. Na verdade, recebo muitos elogios e, o melhor de tudo, conheço muitas pessoas que também têm alopecia. Acho que essas interações acontecem mais rápido do que aconteceriam se eu usasse peruca todos os dias.

Não me entenda mal. Eu tenho uma peruca trançada de 24 polegadas, uma peruca afro que toca os céus e uma peruca que Beyoncé provavelmente gostaria de usar, mas é minha escolha usá-las.

Ao longo dos anos, tive muitas maneiras diferentes de me apresentar como uma mulher negra que vive com alopecia. O que parece ser o ponto comum de tudo isso é que é genuíno. Seja genuinamente medroso, bobo ou corajoso, sempre foi genuíno.

Como você lida com opiniões não solicitadas sobre a alopecia?

Eu experimentei opiniões não solicitadas sobre essa condição durante toda a minha vida. Alguns ignorantes, alguns mal-intencionados e alguns prestativos. Eu ouvi:

  • “Wakanda para sempre”, deixou escapar para mim enquanto caminhava.
  • “Posso olhar para sua cabeça para ver se consigo dar uma olhada no meu futuro?”
  • “Todo mundo não consegue tirar esse olhar.”
  • “Você é linda, com ou sem cabelo.”

Pessoalmente, considero tudo isso com cautela e sempre me lembro do meu valor. Eu sei quem sou e nenhuma opinião pode mudar isso!

Aceitando apoio da minha comunidade

Descobri que a comunidade é o que me mantém com os pés no chão, mesmo depois de receber opiniões não solicitadas. Um exemplo disso foi após a zombaria muito divulgada da alopecia areata durante o Oscar de 2022.

O que se seguiu foi um turbilhão público de opiniões não solicitadas sobre a alopecia. Sentei-me na minha sala com raiva, nem mesmo pela minha experiência pessoal, mas por amigos que têm alopecia e não se sentem tão confortáveis ​​com sua condição.

Algumas têm maridos com quem dormem todas as noites e que nunca as viram sem peruca. Alguns são meus pupilos na adolescência, lidando com depressão e pensamentos suicidas devido à falta de cabelo.

Fiquei com raiva do meu eu mais jovem porque me lembrei de como mesmo a menor menção a essa condição, se não fosse feita com cuidado, poderia arruinar meu dia.

Depois que minha raiva passou, passei a apreciar o fato de que a comunidade da alopecia areata se mantinha unida e se afirmava por meio das redes sociais, de telefonemas, de cartas e muito mais.

Não só a própria comunidade se manifestou – outras também o fizeram. Meses depois, recebi ligações perguntando se eu estava bem de pessoas que não têm alopecia. Até me pediram para participar de um podcast de rádio para falar sobre alopecia.

Eu nunca tinha visto tanta conscientização pública sobre o tema da alopecia. Isso me fez querer estar pessoalmente mais envolvido.

Fazendo novas conexões e se envolvendo com a defesa de direitos

Fui à conferência da NAAF em junho de 2022 e fiquei emocionado com minha decisão. Eu disse a mim mesmo: “Uau, esta é a primeira vez que estou experimentando como é ser humano e não apenas a única pessoa com alopecia na sala”.

Todos os participantes lidaram com opiniões não solicitadas em um momento ou outro. Por um momento, porém, conseguimos confortar um ao outro com conversas transparentes, aceitação e momentos divertidos em geral.

Eu recomendo a qualquer pessoa que encontre uma comunidade de alopecia perto de sua localização. Não importa onde você mora, há alguém com quem se conectar. Participar de uma conferência da NAAF é outra ótima maneira de se conectar com outras pessoas. Não há nada mais reconfortante do que encontrar uma tribo que compartilhe os mesmos altos e baixos que você.

Você não está sozinho – depois de perceber isso, opiniões não solicitadas podem doer, mas a dor não durará!


Keya Trammell é cantora profissional, maquiadora, atriz e defensora da alopecia. Ela cresceu cantando na igreja e lançou sua carreira musical em 2016, depois que um vídeo dela cantando uma música cover se tornou viral, obtendo mais de 1,3 milhão de visualizações em uma semana. O vencedor do Chicago Music Award tem um amor e respeito especial pelas artes cênicas. Ela abriu e executou backing vocals para artistas premiados com o Grammy e usa sua plataforma para evocar confiança através da dedicação à personificação do personagem, cantando com o espírito e conectando-se com todos na plateia.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *