O que saber sobre esquizofrenia de alto funcionamento


0

Quando os sintomas de esquizofrenia de uma pessoa não parecem interferir em sua vida diária, sua condição pode ser referida como esquizofrenia de alto funcionamento. Mas este não é um diagnóstico oficial.

A esquizofrenia é um transtorno psiquiátrico complexo e variado que afeta cada pessoa de maneira diferente.

Algumas pessoas têm sintomas relativamente leves que vêm e vão. Outros apresentam sintomas mais graves e persistentes que interferem em suas vidas diárias.

Quando uma pessoa com esquizofrenia é capaz de viver uma vida independente, manter um emprego e manter relacionamentos, sua condição é frequentemente chamada de “alto funcionamento”.

A linguagem é importante

O termo “alto funcionamento” não tem uma definição médica clara. Alguns clínicos o utilizam para se referir a pessoas que necessitam de um nível menor de assistência para as atividades diárias. Mas termos como “alto funcionamento” e “baixo funcionamento” não levam em conta as circunstâncias de vida, habilidades e pontos fortes únicos das pessoas. É melhor evitar usar esse tipo de linguagem fora de uma conversa com seu profissional de saúde.

Isto foi útil?

O que é esquizofrenia de alto funcionamento?

Esquizofrenia de alto funcionamento é um termo usado quando as pessoas com esquizofrenia são capazes de funcionar bem na vida diária, apesar do diagnóstico. Eles podem ter sintomas mais leves ou podem ter desenvolvido bons mecanismos de enfrentamento, apesar de apresentarem sintomas mais graves.

É importante observar que “alto funcionamento” é um termo subjetivo e não um diagnóstico clínico. E o rótulo não reflete necessariamente a gravidade dos sintomas de uma pessoa. Pessoas com esquizofrenia de alto funcionamento ainda podem enfrentar desafios significativos e precisam de tratamento e apoio contínuos.

O nível de funcionamento de uma pessoa pode ser influenciado por uma série de fatores, incluindo:

  • Gravidade dos sintomas: Pessoas com menos sintomas ou menos graves podem funcionar melhor na vida diária do que aquelas com sintomas mais graves.
  • Resposta ao tratamento: Aqueles que recebem tratamento adequado e oportuno têm maior probabilidade de manter um bom funcionamento. Pesquisas de 2020 sugerem que a intervenção precoce pode estar ligada a melhores resultados a longo prazo.
  • Estratégias pessoais de enfrentamento: Algumas pessoas desenvolvem fortes estratégias de enfrentamento que lhes permitem controlar efetivamente seus sintomas e evitar que esses sintomas tenham um efeito importante em sua vida diária.
  • Forte rede de apoio: Aqueles com família e amigos muito solidários podem funcionar melhor na vida diária do que aqueles que não têm esse apoio.
  • Falta de outras condições de saúde mental ou física: Muitas pessoas com esquizofrenia têm outras condições de saúde mental ou física que dificultam a vida diária. As pessoas que não têm outra condição podem parecer com funcionamento superior.

Sintomas de esquizofrenia de alto funcionamento

Qualquer pessoa com esquizofrenia, seja ela considerada de funcionamento “alto” ou baixo, pode apresentar os mesmos tipos de sintomas.

Os sintomas da esquizofrenia são divididos em sintomas positivos, negativos e cognitivos.

Os sintomas positivos são aqueles que “acrescentam” à sua personalidade (em outras palavras, não existiam antes da condição). Esses sintomas incluem os da psicose, como:

  • alucinações
  • delírios
  • pensamentos e fala desorganizados
  • comportamento motor atípico (por exemplo, catatonia)

Os sintomas negativos “afastam” sua personalidade e envolvem cinco áreas principais:

  • alogia (redução no número de palavras faladas)
  • anedonia (redução da experiência de prazer)
  • associalidade (atividade social reduzida)
  • avolição (redução da atividade direcionada a um objetivo, devido à diminuição da motivação)
  • afeto embotado (dificuldade em expressar emoções, como expressões faciais diminuídas)

Os sintomas cognitivos podem incluir problemas com:

  • foco e atenção
  • memória de trabalho
  • funcionamento executivo

Os sintomas negativos da esquizofrenia costumam ser mais difíceis de tratar do que os sintomas positivos, principalmente porque não respondem aos medicamentos antipsicóticos. Para algumas pessoas com esquizofrenia, esses sintomas negativos persistem, mesmo quando os sintomas positivos são bem administrados.

Pesquisa de 2020 sugere que os sintomas negativos estão associados a uma pior perspectiva e incapacidade de longo prazo. Embora muitas pessoas com esquizofrenia de alto funcionamento tenham sintomas negativos, esses sintomas podem ser menos graves.

Diagnosticando a esquizofrenia de alto funcionamento

No Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, 5ª ed. revisão de texto (DSM-5-TR), a esquizofrenia agora está listada como um transtorno do espectro. Isso representa com mais precisão a ampla gama de sintomas da condição que pode mudar com o tempo.

É importante observar que a esquizofrenia de alto funcionamento não é um diagnóstico clínico. Portanto, quer uma pessoa exiba um nível de funcionamento mais alto ou mais baixo, ela ainda precisa atender aos mesmos critérios de diagnóstico.

A diagnóstico de esquizofrenia deve incluir pelo menos dois dos seguintes sintomas, com um desses sintomas estando entre os três primeiros:

  • delírios
  • alucinações
  • discurso desorganizado
  • comportamento gravemente desorganizado ou catatônico
  • sintomas negativos

Os sintomas devem ocorrer frequentemente por pelo menos 1 mês, com alguns sintomas durando mais de 6 meses.

Além disso, você precisará ter experimentado um funcionamento reduzido em uma ou mais áreas importantes da vida, como relacionamentos pessoais, trabalho ou autocuidado.

Tratamento da esquizofrenia

A esquizofrenia é normalmente tratada com medicação antipsicótica, bem como vários tipos de terapias e treinamento de habilidades.

A esquizofrenia pode ser tratada com o seguinte:

  • Antipsicóticos atípicos: Os antipsicóticos atípicos ou de segunda geração são o tratamento de primeira linha para a esquizofrenia. Esses medicamentos reduzem os níveis de dopamina no cérebro, o que ajuda a direcionar os sintomas da psicose.
  • Terapia cognitivo-comportamental (TCC): A TCC ajuda as pessoas com esquizofrenia a identificar e corrigir processos de pensamento e comportamentos inúteis.
  • Treinamento de habilidades sociais: Intervenções de habilidades sociais ajudam as pessoas com esquizofrenia a aprender habilidades de vida social e independente. Isso pode incluir aulas que cobrem habilidades interpessoais e gerenciamento de medicamentos.
  • Correção cognitiva: Esta intervenção se concentra em habilidades como atenção, memória e pensamento flexível.
  • Treinamento de cognição social: Essa intervenção visa habilidades como percepção social (compreensão de sinais sociais ou linguagem corporal), percepção emocional (identificação das emoções dos outros) e teoria da mente (identificação e compreensão do estado mental de outra pessoa).

Algumas pessoas com esquizofrenia de alto funcionamento podem ter alcançado a remissão dos sintomas após responderem bem ao tratamento. A remissão dos sintomas significa que seus sintomas são leves o suficiente para não interferir significativamente em sua vida.

Pesquisas de 2018 sugerem que a remissão dos sintomas é possível em 20% a 60% das pessoas com esquizofrenia, mas isso depende de muitos fatores complexos.

A linha de fundo

“Esquizofrenia de alto funcionamento” é um termo usado quando as pessoas com esquizofrenia funcionam bem na vida, apesar do diagnóstico. Isso pode significar que eles mantêm relacionamentos pessoais fortes, têm um emprego estável ou são capazes de viver de forma independente.

Mas as pessoas com esquizofrenia de alto funcionamento ainda apresentam sintomas, de forma consistente ou ocasional.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *