Como o medo de um diagnóstico afeta as pessoas em risco de doença de Alzheimer


0

Considerar a possibilidade de um diagnóstico de doença de Alzheimer pode ser uma coisa boa: você pode estar motivado a tomar medidas para viver um estilo de vida saudável, estabelecer planos para cuidar da velhice ou construir uma rede de apoio.

Mas o medo repetido e a preocupação com lapsos de memória provavelmente farão mais mal do que bem.

Para pessoas com maior risco de doença de Alzheimer, esse medo pode levar a pensamentos obsessivos. Você pode começar a interpretar mal cada lapso de memória ou falha cognitiva como um sinal de demência.

Essa ansiedade é comum e tem até nome: preocupação com demência. A preocupação com a demência pode levar à depressão e ansiedade, o que pode piorar o desempenho da atenção e da memória.

Os efeitos do medo

O medo de um diagnóstico de doença de Alzheimer vem de várias formas.

Além do medo de desenvolver o próprio Alzheimer, existe:

  • medo do estigma
  • medo do efeito que isso pode ter em sua família
  • medo de precisar de um cuidador
  • medo de perder o senso de propósito

Medo e preocupação podem causar estresse e ansiedade, e isso pode afetar sua qualidade de vida em geral. A ansiedade pode se transformar em outros transtornos de humor, como a depressão. Em casos graves, a preocupação com a demência pode resultar em um diagnóstico incorreto e no uso de medicamentos desnecessários.

A autossabotagem também pode ser um problema. Estudos demonstraram que a ansiedade pode aumentar o risco de desenvolver a doença de Alzheimer. A ansiedade também pode fazer você atrasar a triagem para um diagnóstico precoce que poderia ajudá-lo desacelerar progressão da doença.

Para aqueles com histórico familiar, a ansiedade de desenvolver potencialmente a doença de Alzheimer é “completamente compreensível”, diz Nate Chin, MD, geriatra da UW Health e diretor médico do Wisconsin Alzheimer’s Disease Research Center em Madison, Wisconsin, à Healthline.

Mas Chin, que apresenta um podcast chamado “Dementia Matters”, também explica que é importante que as pessoas entendam as doenças cerebrais e seus diagnósticos porque há muitos mal-entendidos em torno delas. Por exemplo, a doença de Alzheimer não é o mesmo que demência.

Quanto àqueles que podem hesitar em procurar atendimento, Chin recomenda uma abordagem geral: “O diagnóstico não os define, não muda o que eles realizaram em suas vidas ou explica completamente sua experiência vivida de sintomas”.

Como lidar

Se você se preocupa constantemente com um futuro diagnóstico de Alzheimer, é importante encontrar maneiras de lidar com isso antes que isso afete sua saúde.

Seja rastreado

Um diagnóstico de doença de Alzheimer é complicado. Mesmo com testes modernos, ainda há “alguma incerteza de que um histórico familiar de doença de Alzheimer seja realmente Alzheimer”, diz Chin.

Ele acha que essa incerteza às vezes pode ser reconfortante para as pessoas. Embora o histórico familiar seja um fator de risco, não é uma garantia.

“Muitas pessoas têm histórias familiares de doença de Alzheimer, e muitas pessoas têm [a version of the APOE gene called APOE4] que podem aumentar o risco de desenvolver Alzheimer”, explica Chin, “mas nem todas as pessoas com APOE4 desenvolve a doença de Alzheimer. Risco aumentado não é a mesma coisa que realmente contrair a doença.”

Embora o medo possa fazer você adiar a triagem para um diagnóstico precoce, a triagem é uma etapa importante para aliviar a ansiedade, independentemente do resultado. Pesquisar sugeriu que um diagnóstico e intervenção precoces podem retardar a progressão da doença.

Se você notar algum dos sinais de alerta da doença de Alzheimer, agende uma consulta com seu médico.

Conheça os sinais de alerta

Os sinais da doença de Alzheimer podem imitar sinais de declínio cognitivo que são típicos do envelhecimento. Mas as pessoas com Alzheimer exibem certos comportamentos contínuos que tendem a piorar com o tempo. Esses incluem:

  • perda de memória que afeta a vida diária
  • problemas com tarefas familiares, como usar a torradeira
  • dificuldade em falar ou escrever
  • ficar desorientado sobre horários ou lugares

Esses sinais nem sempre significam que uma pessoa tem Alzheimer. O seu médico pode determinar se são necessários mais testes.

Se você acabar com um diagnóstico, Chin diz que você deve ter em mente que alguns dos sinais e sintomas são reversíveis.

Após uma avaliação completa de seus sintomas, você poderá abordar fatores reversíveis. Esses incluem:

  • Transtornos de Humor
  • efeitos colaterais de medicamentos
  • anormalidades da tireóide
  • deficiências de vitaminas
  • problemas de sono
  • certas condições crônicas de saúde

“Abordar essas coisas pode ajudar com os sintomas e certamente pode ajudar a fortalecer o desempenho do cérebro”, diz Chin.

E uma vez diagnosticado, você também poderá receber tratamento precoce e tomar decisões mais informadas para cuidados de baixo custo.

Obtenha informações precisas

Lucas StoeckelPhD, neuropsicólogo clínico licenciado no Instituto Nacional de Saúde (NIH) Instituto Nacional do Envelhecimentorecomenda enfaticamente que você “se informe sobre a doença, sua progressão e recursos disponíveis” se estiver em risco de doença de Alzheimer.

Ele sugere falar com seu médico ou neurologista para obter uma explicação sobre a condição, bem como procurar recursos como o Centro de Educação e Referência em Doença de Alzheimer (ADEAR) para aprender sobre as últimas pesquisas, tratamentos e opções de cuidados.

Informações precisas e atualizadas podem ajudá-lo a tomar decisões mais informadas e definir expectativas realistas.

Trabalhe nos fatores de risco ‘controláveis’

Embora você não possa controlar o histórico familiar, a idade e a genética, ter esses fatores de risco não significa que o diagnóstico da doença de Alzheimer seja certo.

várias formas você pode gerenciar seu risco geral:

  • Dieta: Coma uma dieta balanceada com frutas e vegetais, nozes, grãos integrais e azeite de oliva. Seguir a dieta MIND pode ajudar a prevenir a demência e a perda da função cerebral com a idade.
  • Exercício: Estudos têm mostrado que a atividade física reduz o risco de demência.
  • Enriquecimento cognitivo: Realize exercícios cognitivos para melhorar a saúde geral do cérebro à medida que envelhece.
  • Mantenha-se social: Continue participando das atividades que você gosta. Eles podem fornecer um senso de propósito e realização. As amizades também podem beneficiar sua saúde geral.
  • Reduzir o estresse: Experimente atividades para reduzir o estresse, como ioga, meditação ou exercícios. Aconselhamento profissional ou terapia também podem ajudá-lo a lidar com o estresse ou a ansiedade.
  • Pare de fumar, se você fuma. Um médico pode ajudá-lo a fazer um plano de cessação.

O take-away

A experiência da doença de Alzheimer não é a mesma de 20 anos atrás. Os médicos sabem muito mais sobre cuidados, apoio e tratamentos. “O curso da doença parece diferente”, diz Chin.

Se você estiver preocupado com a possibilidade de um diagnóstico futuro, converse com um médico. Em seguida, tente se informar sobre a doença de Alzheimer e as pesquisas atuais.

Você já está no caminho certo ao ler este artigo.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *