Como aprendi a controlar a anemia: o que funcionou para mim


0

Paciente advogado Krista Deveau fora com colinas verdes ao fundo
Fotografia cortesia de Krista Deveau

Tenho lutado contra a deficiência de ferro a maior parte da minha vida. Quando criança, nunca pensei em nada a respeito, porque considerava estar cansado e exausto uma experiência normal. Como poderia esperar me sentir diferente quando isso é tudo que eu já conheci?

Eu tinha cerca de 8 anos quando comecei a sentir sintomas de deficiência de ferro. Os sintomas incluíam fadiga, insônia, pernas inquietas, unhas quebradiças, mãos e pés frios, tontura, pele pálida e batimento cardíaco acelerado. Às vezes, a anemia se tornava debilitante porque a exaustão e a fadiga eram muito graves.

Demorei vários anos para me sentir confortável ao lidar com a anemia. Minha jornada incluiu vários diagnósticos, experiências com vários planos de tratamento e até mesmo cirurgia.

Com tempo, paciência, autodefesa e a ajuda de entes queridos, sinto que alcancei um bom equilíbrio entre saúde e felicidade. Esta é minha história.

Obtendo um diagnóstico

Foi minha mãe quem primeiro percebeu minha falta de energia, em comparação com outras crianças de 8 anos.

Na maioria dos dias, eu voltava da escola e tirava uma soneca em vez de brincar com amigos. Minha aparência frágil e pálida se misturou com as paredes da minha casa. Foi um sinal claro de que algo não estava certo.

Minha mãe me trouxe para ver nosso médico de família. Eu fiz exames de sangue que mostraram que meu ferro estava significativamente baixo, especialmente para alguém da minha idade. Fui mandado para casa com uma receita de comprimidos diários de ferro.

Essas pílulas de ferro deveriam me colocar de pé e me sentir eu mesma novamente.

Mas não foi esse o caso. Minha energia ficou baixa e, com o tempo, outros sintomas começaram a aparecer, como forte dor abdominal. Minha mãe percebeu que algo ainda não estava certo.

Buscando uma segunda opinião

Cerca de um ano após meu diagnóstico de deficiência de ferro, minha mãe me levou a um gastroenterologista em um hospital pediátrico para uma segunda opinião, junto com mais exames.

Depois de todos os sintomas e espera, fui diagnosticado com a doença de Crohn, uma doença inflamatória intestinal. A deficiência de ferro foi um dos vários problemas que se revelaram sintomas da doença de Crohn.

Assim que fui diagnosticado com a doença de Crohn, comecei o tratamento adequado com diferentes tipos de medicamentos. Meus níveis de ferro começaram a voltar ao normal e comecei a prosperar como um adolescente.

Quando a anemia se tornou debilitante

Fotografia cortesia de Krista Deveau

Quando cheguei à idade adulta, havia passado por duas ressecções intestinais devido à doença de Crohn. Logo após a segunda ressecção, comecei a ter crises de tontura extrema. Alguns dias, eu não conseguia sair da cama porque parecia que o quarto inteiro estava girando.

Não me passou pela cabeça que meus sintomas poderiam estar relacionados à deficiência de ferro. Também não havia considerado que havia perdido grande parte do meu intestino, onde o ferro é absorvido pelo corpo. Após uma semana de fortes crises de tontura que me deixaram deitada no chão do banheiro, contatei meu médico.

Para minha surpresa, o sangue revelou que meus níveis de ferro haviam caído tremendamente. Foi quando meus médicos me disseram que eu estava anêmica. Eles ficaram muito preocupados e me disseram que eu precisava de tratamento médico imediato.

Encontrar um plano de tratamento que funcione

Comecei a receber tratamentos para normalizar meus níveis de ferro. A doença de Crohn foi a principal causa da minha deficiência de ferro e má absorção. Com isso em mente, minha equipe de médicos decidiu que infusões de ferro intravenosas seria minha melhor opção de tratamento.

Pode parecer assustador, mas se tornou parte da minha rotina regular. No início, eu precisava ir à clínica de infusão uma vez por semana para recebê-los. Todo o processo levaria cerca de 3 a 3 horas e meia.

Para mim, os efeitos colaterais incluíram leves dores de cabeça, fadiga e um gosto metálico na boca. Às vezes era difícil lidar com isso, mas os resultados ao longo do tempo definitivamente valeram a pena. Demorou cerca de 4 a 6 semanas de infusões semanais para que meu corpo se ajustasse ao tratamento e fizesse meus níveis de ferro voltarem ao normal.

Fotografia cortesia de Krista Deveau

Depois de algumas tentativas e erros para descobrir o que funcionava para o meu corpo, decidi tomar infusões de ferro a cada 3 a 4 meses. Com este plano de tratamento, meus níveis de ferro permaneceram estáveis, não caindo mais dramaticamente. A nova programação não só ajudou a manter meus níveis de energia elevados, mas me permitiu mais tempo para fazer as coisas que amo.

Desde que comecei a receber infusões regulares de ferro, ficou muito mais fácil controlar a anemia e navegar pelas ocupações da vida cotidiana. Tenho um estilo de vida bastante agitado como professora de jardim de infância e gosto de caminhar em trilhas nos fins de semana. Ter energia para fazer as coisas que amo é muito importante para mim e, finalmente, parece que sou capaz de fazer isso.

O takeaway

Tendo sido paciente por 20 anos, aprendi a importância de defender minha saúde e bem-estar. Navegar pela vida com deficiência de ferro pode ser desafiador e exaustivo, mas um plano de tratamento feito para mim e para meu corpo me deu a chance de levar uma vida normal. Isso fez toda a diferença.


Krista Deveau é professora de jardim de infância de Alberta, Canadá. Ela vive com a doença de Crohn desde 2001 e lutou contra a deficiência de ferro durante a maior parte de sua vida. Em 2018, a doença de Crohn a levou a uma colectomia que alterou sua vida. Ela acordou da cirurgia com uma bolsa de ostomia presa ao estômago para coletar seus resíduos. Agora, ela é uma defensora apaixonada da ostomia e da doença inflamatória intestinal, compartilhando sua história sobre como é viver com uma doença crônica e uma deficiência, e prosperando apesar dos desafios. Você pode acompanhar a história dela no Instagram @ my.gut.instinct.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Countdown
The Classic Internet Countdowns
Open List
Submit your own item and vote up for the best submission
Ranked List
Upvote or downvote to decide the best list item
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format