O mundo reage às eleições em Taiwan enquanto a China diz que a reunificação é “inevitável”


0

Pequim afirma que a sua posição sobre a “reunificação nacional” permanece inalterada enquanto os líderes mundiais felicitam William Lai Ching-te.

O presidente eleito de Taiwan, Lai Ching-te, e seu companheiro de chapa, Hsiao Bi-khim, participam de um comício
O presidente eleito de Taiwan, Lai Ching-te, comemora sua vitória nas eleições presidenciais em Taipei [Carlos Garcia Rawlins/Reuters]

A China disse que a “reunificação” com Taiwan ainda era “inevitável” depois que o presidente eleito William Lai Ching-te venceu as eleições cruciais de sábado na ilha autônoma que Pequim reivindica como sua.

Lai, do Partido Democrático Progressista (DPP), no poder, venceu apesar dos avisos da China para não votar nele. Ele obteve 40,1 por cento dos votos expressos, de acordo com os resultados da Comissão Eleitoral Central.

“Quero agradecer ao povo de Taiwan por escrever um novo capítulo na nossa democracia”, disse Lai no seu discurso de vitória. “Estamos a dizer à comunidade internacional que, entre a democracia e o autoritarismo, estaremos do lado da democracia.”

No período que antecedeu as eleições, a China denunciou Lai como um separatista perigoso, disse que ele seria uma ameaça à paz na região se vencesse e classificou as eleições como uma escolha entre “paz e guerra”.

Aqui estão algumas das reações ao voto crucial:

China

“Taiwan é a Taiwan da China”, disse o porta-voz do Gabinete de Assuntos de Taiwan de Pequim, Chen Binhua, num comunicado divulgado pela agência estatal de notícias Xinhua, acrescentando que o DPP “não pode representar a opinião pública dominante na ilha”.

Mas acrescentou que a votação “não impedirá a tendência inevitável de reunificação da China”.

Embora Taiwan seja autogovernado desde a década de 1940, a China ainda reivindica a ilha e os seus territórios periféricos.

A votação “não mudará o cenário básico e a tendência de desenvolvimento das relações através do Estreito”, disse Binhua. A posição de Pequim sobre “realizar a reunificação nacional permanece consistente e a nossa determinação é firme como uma rocha”.

A China “opõe-se firmemente[s] as atividades separatistas que visam a ‘independência de Taiwan’, bem como a interferência estrangeira”, acrescentou.

Estados Unidos

Os Estados Unidos “não apoiam” a independência de Taiwan, disse o Presidente Joe Biden, depois de ter sido questionado pelos jornalistas sobre a posição de Washington sobre a votação presidencial de Taiwan.

A administração Biden temia que a eleição, a transição e a nova administração aumentassem o conflito com Pequim.

Numa declaração, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, saudou Lai pela sua vitória e saudou o “robusto sistema democrático e o processo eleitoral” da ilha autónoma.

Blinken acrescentou que Washington está “empenhado em manter a paz e a estabilidade através do Estreito e a resolução pacífica das diferenças, livre de coerção e pressão”.

Rússia

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, disse em comunicado que Moscou continua a ver Taiwan como parte integrante da China.

Moscovo tem demonstrado repetidamente o seu apoio à política de “Uma China” de Pequim na questão de Taiwan.

União Europeia

A UE “saúdou” a eleição presidencial de Taiwan e felicitou todos os eleitores que “participaram neste exercício democrático”, afirmou um comunicado, sem mencionar o presidente eleito Lai.

“A UE continua preocupada com as crescentes tensões no Estreito de Taiwan e opõe-se a qualquer tentativa unilateral de mudar o status quo”, afirmou a declaração de um porta-voz do chefe diplomático da UE, Josep Borrell.

“A União Europeia sublinha que a paz e a estabilidade através do Estreito de Taiwan são fundamentais para a segurança e prosperidade regional e global.”

Reino Unido

O ministro das Relações Exteriores britânico, David Cameron, parabenizou Lai e disse esperar que Taiwan e a China renovem os esforços para resolver suas diferenças pacificamente.

“As eleições de hoje são uma prova da democracia vibrante de Taiwan”, afirmou Cameron num comunicado.

“Espero que os dois lados do Estreito de Taiwan renovem os esforços para resolver as diferenças pacificamente através de um diálogo construtivo, sem ameaça ou uso de força ou coerção.”

Japão

O Japão felicitou a boa implementação das eleições democráticas e Lai pela sua vitória.

“Esperamos que a questão em torno de Taiwan seja resolvida pacificamente através do diálogo, contribuindo assim para a paz e a estabilidade na região”, afirmou num comunicado, acrescentando que Taiwan era um “parceiro extremamente crucial” com quem Tóquio pretendia “aprofundar cooperação”.

Canadá

O Ministério das Relações Exteriores do Canadá parabenizou o povo de Taiwan após as eleições, mas não mencionou Lai.

“Guiado pelos pilares da democracia, dos direitos humanos e da paz, o Canadá espera avançar nos seus laços interpessoais, científicos, comerciais e de investimento”, afirmou o ministério num comunicado na plataforma de redes sociais X.

Lituânia

Gabrielius Landsbergis, ministro das Relações Exteriores da Lituânia, parabenizou Lai pela sua vitória.

“Juntamente com o povo de Taiwan celebramos a força da democracia livre e justa”, disse ele numa publicação no X.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *