‘Nós, judeus, acabamos de ser presos; Palestinos são espancados’: manifestantes na Alemanha


0

Na Alemanha, frases como “do rio para o mar” são proibidas e a polícia está a prender pessoas por as utilizarem.

Protesto na Alemanha
Pessoas participam de manifestação em apoio aos palestinos em Gaza, em Berlim, Alemanha, em 10 de novembro de 2023 [Liesa Johannssen/Reuters]

A activista germano-israelense Iris Hefets foi presa pela primeira vez em Berlim, apenas algumas semanas após o início da guerra de Israel em Gaza, em Outubro passado – por segurar um cartaz que dizia: “Como judeu e israelita, parem o genocídio em Gaza”.

Naquela altura, a polícia disse a Hefets, um psicanalista de 56 anos que é membro do grupo activista anti-sionista Voz Judaica pela Paz, que tudo se resumia a uma proibição total de manifestações pró-Palestinas.

Ela foi libertada pouco depois, mas diz: “Não pensei que seria detida por isso – descobri que fui ingênua”.

Ela foi presa pela segunda vez em 10 de novembro por “incitação ao ódio racial” quando segurava o mesmo cartaz – sua acusação foi recentemente retirada. A sua terceira detenção foi por causa de uma placa avisando que “o sionismo mata”. Novamente, ela foi libertada logo depois, mas desta vez seu sinal foi confiscado.

Hefets apresentou queixa à polícia para recuperar o seu cartaz e pretende colocá-lo num futuro “museu da libertação palestiniana”, diz ela.

Ela acredita que, pelo menos para as duas últimas detenções, a decisão de detê-la foi tomada com base no conselho de uma nova força-tarefa policial especial que “é o ponto de contato disponível para todas as forças policiais em conexão com o conflito no Oriente Médio”, um O porta-voz da polícia de Berlim confirmou à Al Jazeera. A força-tarefa foi criada em 30 de outubro do ano passado – logo após o início da guerra de Israel em Gaza.

Esta força-tarefa “Besondere Aufbauorganisation” (BAO), que faz parte do Landeskriminalamt (LKA) – o centro de inteligência policial – fica de olho nas “ideologias de esquerda e estrangeiras”, incluindo grupos comunistas e grupos pró-Palestina, a polícia confirmou o porta-voz. Emite orientações e instruções às forças policiais sobre quais frases e palavras usadas por ativistas podem ser consideradas ilegais. Por exemplo, o porta-voz da polícia de Berlim disse à Al Jazeera que, em Berlim, usar a frase “do rio para o mar” é actualmente considerado crime.

“A classificação criminal de… slogans é realizada em estreita consulta com o Ministério Público de Berlim”, disse o porta-voz da polícia de Berlim.

Liberdade de expressão sob ataque na Alemanha

Os manifestantes palestinianos parecem estar a suportar o peso da repressão policial aos protestos na Alemanha – “Nós, judeus, estamos a ser presos, os palestinianos estão a ser espancados”, diz Hefets. Um exemplo foi a detenção brutal de um manifestante que usava um hijab num protesto na estação central de Berlim no fim de semana passado, que foi captado em vídeo e publicado em canais de redes sociais.

Veja esta postagem no Instagram

Uma postagem compartilhada por Esra 🇵🇸 (@egultekin_)

Mas Hefets acredita que o seu grupo de activistas judeus também está a ser alvo específico de manifestações devido à sua identidade judaica.

Na semana passada, a conta bancária do Jewish Voice foi congelada antes do Palastina Kongres (Congresso Palestiniano) em meados de Abril – por “razões regulamentares”, de acordo com o banco estatal Berliner Sparkasse. A conta do grupo já foi congelada antes, em 2019, devido ao seu apoio ao movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) liderado pelos palestinianos.

“Eles [Jewish protesters] atrapalha a narrativa de que os judeus são protegidos pelos alemães contra os muçulmanos – mas quando vemos os judeus marchando, vemos que isso não é necessário”, diz Hefets.

O seu caso foi uma das razões pelas quais a classificação da Alemanha caiu para “restringida” no Civicus Monitor, uma classificação anual que mede as liberdades cívicas de protesto.

“O rebaixamento da Alemanha deveria ser um alerta para que o país e o continente mudem de rumo”, disse Tara Petrovic, pesquisadora de Europa e Ásia Central do Civicus Monitor. Mas houve muitos outros incidentes de policiamento severo – ou, como acusam os críticos, de repressão.

No início deste mês, a polícia de Berlim invadiu o apartamento de uma mulher de 41 anos por ter escrito “do rio ao mar” quatro vezes nas redes sociais. Isto foi relatado pela polícia como “uso de símbolos anticonstitucionais”, a mesma lei que proíbe a exibição da suástica, o símbolo dos nazis.

Mas este foi apenas um exemplo particularmente flagrante do policiamento rigoroso – ou, segundo os críticos, da repressão – do discurso pró-palestiniano na Alemanha.

A legalidade da frase “do rio ao mar” tem sido interpretada de forma diferente nos estados federais da Alemanha. Um tribunal no estado central de Hesse decidiu no final de Março que um evento denominado “Do Rio ao Mar, a Palestina será Livre para Todos” poderia prosseguir, com base no facto de a frase poder ter muitos significados diferentes.

No entanto, em meados de Novembro, a frase foi proibida pelo Ministério Federal do Interior, que a considerou um apelo à destruição de Israel e disse que deveria ser considerada um slogan do Hamas, que foi formalmente rotulado como organização terrorista na Alemanha.

Em Novembro, a frase foi proibida na Baviera, onde os procuradores públicos disseram que consideravam a frase um apoio ao Hamas e deveria estar sujeita à mesma lei que proíbe a exibição da suástica nazi.

Protesto na Alemanha
Um manifestante gesticula durante uma manifestação pró-Palestina, em meio à guerra em curso em Gaza, em Berlim, Alemanha, 2 de dezembro de 2023 [Lisi Niesner/Reuters]

Uma ‘restrição muito perigosa à expressão’

A capital da Alemanha, Berlim, que alberga a maior comunidade palestiniana (estimada em 300.000) na Europa, tem sido um foco particular de confrontos entre manifestantes e polícia.

Os promotores registraram 2.140 possíveis casos criminais e iniciaram mais de 380 investigações entre 7 de outubro de 2023 e meados de fevereiro de 2024.

As recentes detenções representam uma repressão “quase sem precedentes” à liberdade de expressão desde 7 de outubro, de acordo com Alexander Gorski, advogado criminal e de migração baseado em Berlim. Ele alertou que as leis que foram originalmente concebidas para combater o discurso de ódio na Alemanha estão agora a aproximar-se rapidamente de uma “restrição de expressão muito perigosa, que poderá estabelecer um precedente que limite severamente a liberdade de expressão neste país”.

Num caso, em Dezembro, sete propriedades residenciais e comerciais foram invadidas por 170 agentes da polícia; uma declaração foi publicada no Instagram pelo colectivo feminista Zora, expressando apoio a “todos os combatentes revolucionários da liberdade palestiniana”, incluindo a FPLP (Frente Popular para a Libertação da Palestina). , que é classificado como grupo terrorista pela UE desde 2002 – como uma “força progressista”. As investigações estão em andamento.

“A Alemanha decidiu, com razão, que deveria haver restrições ao discurso político após a Segunda Guerra Mundial, mas algumas das leis que deveriam proteger a democracia estão a restringir o discurso político em torno da Palestina e de Israel”, disse Gorski.

Desde 7 de outubro, isto levou a situações “absurdas” como “ativistas judeus sendo detidos por alegarem que Israel está cometendo um genocídio”, acrescentou.

manifestante alemão
Um exemplo de um dos sinais de protesto que levou à prisão de manifestantes na Alemanha [Courtesy of Mariam Joumaa]

Outro membro germano-israelense da Voz Judaica pela Paz no Oriente Médio, uma desenvolvedora de software de cerca de 50 anos que falou à Al Jazeera sob condição de anonimato, foi detida por cinco policiais por segurar uma placa “Outro judeu por um Palestina Livre” depois de ter vindo a Berlim para uma série de protestos em Fevereiro.

A ativista disse que a polícia lhe disse que a combinação da bandeira judaica com as cores palestinas na placa poderia ser entendida como “um chamado para destruir Israel”.

“Quando me cercaram pela primeira vez, isto ainda me assombra à noite”, disse a activista, acrescentando que a experiência a fez questionar a sua decisão de se mudar para cá. “A polícia quer enquadrar tudo isto como discurso de ódio, mas o que estamos a dizer é liberdade.”

O colega da Chatham House e germanista Hans Kundani descreveu o “macarthismo sionista” do país pelo seu zelo em cancelar ou processar aqueles que criticam Israel ou a sua resposta ao 7 de Outubro num ensaio intitulado Sionism uber alles (“Sionismo acima de tudo”).

Apesar do apoio público tímido à guerra em Gaza – 69 por cento dos cidadãos alemães que responderam a uma sondagem realizada pela emissora ZDF disseram que as acções militares de Israel em Gaza eram injustificadas no final de Março – os legisladores continuaram a apoiá-la inabalavelmente. “O que emergiu na última década não foi tanto uma Alemanha pós-sionista, mas uma Alemanha hiper-sionista”, escreveu Kundani.

Apesar da mudança demográfica, acrescentou, “as elites alemãs redobraram o seu compromisso com Israel”, em parte porque “receiam que a sua compreensão das lições do passado nazi já não seja amplamente partilhada e querem torná-la inegociável antes de ser é tarde demais.”

‘Alguém agarrou meu rosto por trás – foi a polícia’

A activista palestiniana Ola Alzayat participou num protesto em Fevereiro e explica que, estando grávida, tomou especial cuidado para se manter longe de problemas.

De repente, “alguém agarrou meu rosto por trás. Eu não sabia o que estava acontecendo”, diz ela.

Foi a polícia. Num vídeo do incidente que foi visto pela Al Jazeera, uma Alzayat visivelmente grávida pode ser vista a ser arrastada pelo pescoço, com o seu keffiyeh puxado do pescoço até ao rosto. Ela está gritando: “Estou grávida, por favor, por favor!”

Alzayat diz que os policiais deram um tapa em seu rosto quando ela tentou se mover, deixando-a com hematomas. Inicialmente acusaram-na de tentar “evitar uma prisão”, acrescentando posteriormente outra acusação de bater em agentes da polícia com uma bandeira, embora ela alegue nem ter tido consigo uma bandeira.

Ela conta que foi carregada por cinco policiais e colocada em um carro da polícia, de onde também viu seu marido ser preso. Embora a acusação de impedir uma prisão tenha sido retirada, ela diz que as investigações continuam sobre as alegações de que ela agrediu um policial.

Stella Maris
Stella Maris sendo presa em manifestação anticolonial na Alemanha [Courtesy of Andrés Trujillo]

A artista e activista Stella Meris foi presa três vezes desde 7 de Outubro. Numa manifestação anticolonial em que participou, ela disse que a polícia declarou que a Palestina “não tinha nada a ver com o colonialismo” e por isso as bandeiras palestinianas foram proibidas.

“Eles me prenderam e tentaram me derrubar só por usar uma bandeira palestina”, diz ela. “Eles disseram que era igual à suástica, um símbolo ilegal que eu nunca poderia mostrar em espaço público.”

Numa outra manifestação, Meris segurava uma placa que dizia “do rio ao mar, exigimos igualdade”. Depois de sair, ela foi até uma estação de metrô próxima, onde diz que cerca de 15 policiais a procuravam. Ela foi presa sob a acusação de incitar ao ódio racial. “Naquela época eu não sabia que o slogan estava em processo de criminalização”, diz ela.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *