O esforço de guerra da Ucrânia pode fracassar, já que os EUA e a UE atrasam os fundos


0

Um alto funcionário da Casa Branca alerta que Washington está “sem dinheiro” para a Ucrânia, uma vez que os ventos também parecem estar a mudar na Europa.

Membros da unidade Omega Special Purpose da Guarda Nacional da Ucrânia disparam um morteiro contra as tropas russas na cidade de Avdiivka, na linha de frente, em meio ao ataque da Rússia à Ucrânia, na região de Donetsk, Ucrânia, em 8 de novembro de 2023. Radio Free Europe/Radio Liberty/Serhii Nuzhnenko via REUTERS
Membros da unidade Omega da Guarda Nacional da Ucrânia disparam um morteiro contra as tropas russas na cidade de Avdiivka, na linha de frente, em meio ao ataque da Rússia à Ucrânia, na região de Donetsk, Ucrânia, em 8 de novembro de 2023. [Radio Free Europe/Radio Liberty/Serhii Nuzhnenko via Reuters]

O Presidente Volodymyr Zelenskyy expressou três desejos no mês passado: pediu 61,4 mil milhões de dólares em financiamento de Washington para o esforço de guerra da Ucrânia no próximo ano, 20,5 mil milhões de dólares da União Europeia e um convite da UE para iniciar negociações de adesão.

Zelenskyy pediu que seus desejos se tornassem realidade antes do Natal, mas agora parece possível que ele não consiga nenhum deles.

Na segunda-feira, o diretor do Gabinete de Gestão e Orçamento da Casa Branca escreveu ao Congresso, dizendo que 97 por cento do financiamento aprovado para a Ucrânia tinha sido gasto.

“Quero ser claro: sem acção do Congresso, até ao final do ano ficaremos sem recursos para adquirir mais armas e equipamento para a Ucrânia e para fornecer equipamento dos stocks militares dos EUA”, escreveu Shalanda D Young na sua carta.

“Não existe um pote mágico de financiamento disponível para enfrentar este momento. Estamos sem dinheiro – e quase sem tempo.”

Cortar o financiamento iria “agredir” a Ucrânia, colocando as suas forças na defensiva e possivelmente em retirada, escreveu Young.

No mesmo dia, o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, escreveu ao presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, dizendo-lhe que não era realista esperar que os estados membros da UE aprovassem o financiamento da Ucrânia ou um convite para iniciar negociações de adesão numa cimeira da UE de dois dias que começa em 14 de dezembro.

“Exorto-vos respeitosamente a não convidar o Conselho Europeu para decidir sobre estas questões em dezembro, pois a óbvia falta de consenso levaria inevitavelmente ao fracasso”, escreveu Orbán.

Os pacotes de financiamento dos Estados Unidos e da UE teriam de ser aprovados este mês para entrarem em vigor no próximo ano e manterem o fogo da artilharia ucraniana.

O presidente russo, Vladimir Putin, já criou o seu próprio orçamento militar.

Em 27 de Novembro, assinou um aumento de 70% nas despesas com defesa e segurança no próximo ano, para 157,5 mil milhões de dólares, representando cerca de 39% de todo o orçamento russo.

“Qualquer discussão sobre a necessidade de continuar a assistência militar à Ucrânia deve invariavelmente basear-se na única alternativa (catastrófica) – um ‘conflito congelado’”, escreveu o conselheiro presidencial ucraniano Mykhailo Podolyak no X na terça-feira.

“Este estado ‘congelado’ não se situa num domínio abstrato de ‘conveniência política’, mas sim num cenário de um massacre de civis em grande escala, de uma grande guerra, de um enorme número de crimes de guerra inequívocos e de crimes contra a humanidade… e da persistente desejo insano da Federação Russa de destruir a agência da Ucrânia”, escreveu Podolyak.

O financiamento para a Ucrânia não foi a única medida de segurança nacional que a Câmara liderada pelos republicanos deixou em suspenso.

O conselho editorial do Washington Post, num artigo de opinião, disse que o orçamento de defesa dos EUA, uma série de promoções militares e uma reautorização de poderes vitais para interceptar sinais de inteligência também precisavam ser aprovados antes da retirada do Congresso, no final da próxima semana.

‘Essencialmente, isto é agora um futebol político’

Os republicanos do Congresso procuram promover uma agenda social e libertária em troca da defesa da segurança nacional e da política externa.

Eles buscaram proibir as mulheres militares de viajarem a outros estados para fazer abortos; querem que o presidente Joe Biden restrinja os procedimentos de asilo na fronteira com o México e renuncie aos seus poderes para conceder liberdade condicional humanitária; e eles querem desfinanciar a Receita Federal.

“A administração Biden não conseguiu abordar substancialmente nenhuma das preocupações legítimas da minha conferência sobre a falta de uma estratégia clara na Ucrânia, de um caminho para resolver o conflito ou de um plano para garantir adequadamente a responsabilização pela ajuda fornecida pelos contribuintes americanos”, escreveu o presidente da Câmara. Mike Johnson em X.

“Essencialmente, este é agora um futebol político onde a negociação de cavalos, infelizmente, fará parte do compromisso final que eles estão tentando alcançar”, disse Jens Bastian, atualmente membro do Instituto Alemão para Assuntos Internacionais e de Segurança, à Al Jazeera.

Mas os republicanos também têm razão, disse Bastian.

“Os republicanos estão efectivamente a empurrar a bola indirectamente para o campo dos europeus, dizendo-lhes: ‘Se não colocarem mais dinheiro ou armas na mesa, então ficaremos relutantes em compensar o que não estão a fazer’.”

Ventos de mudança na Europa?

A Europa gastou este ano 29,2 mil milhões de dólares em ajuda militar à Ucrânia, em comparação com os 62,3 mil milhões de dólares dos EUA.

Enquanto confederação em que as decisões importantes em matéria de despesas e de política externa devem ser unânimes, a Europa está sujeita às diferentes opiniões e perspectivas dos seus Estados-membros.

Orban, talvez o aliado mais próximo da Rússia dentro do bloco, disse recentemente aos membros do partido que a Ucrânia estava “a anos-luz” de aderir à UE, uma visão que está em total desacordo com o forte apoio da Alemanha à adesão da Ucrânia.

A Ucrânia afirma ter realizado sete reformas fundamentais para combater a corrupção e o branqueamento de capitais, limitar a influência dos oligarcas, garantir a integridade do poder judicial e garantir os direitos das minorias étnicas. A Comissão Europeia concorda que a Ucrânia está no caminho certo e deve ser convidada a iniciar negociações oficiais este mês.

Orbán é também o principal aliado da China na UE, recebendo uma parcela relativamente grande do investimento direto chinês nos países da Europa Oriental.

Ele foi o único membro da UE a participar no 10º aniversário da Iniciativa Cinturão e Rota da China, em Pequim, em Setembro passado.

Outros líderes da UE concordam com Orbán.

Robert Fico, antigo primeiro-ministro eslovaco, venceu as eleições parlamentares naquele país em 30 de Setembro com uma plataforma pró-Rússia. Uma semana depois, ele anunciou que os envios de armas para a Ucrânia seriam interrompidos.

As eleições na Holanda no mês passado deram primazia ao político de extrema-direita Geert Wilders, que também se opôs a novos gastos na Ucrânia.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *