Militares israelenses atacam o sul do Líbano, alimentando temores de ampliação do conflito


0

Os ataques à infra-estrutura militar do Hezbollah seguem-se ao assassinato do líder do Hamas em Beirute, que Israel não reivindicou.

As consequências dos ataques israelenses em Bint Jbeil, sul do Líbano
Pessoas verificam os escombros de um prédio em Bint Jbeil, no sul do Líbano, perto da fronteira com Israel, após o bombardeio israelense na noite anterior, 27 de dezembro de 2023 [AFP]

Vários membros do Hezbollah foram mortos em ataques israelitas no sul do Líbano, num dos dias mais mortíferos para o grupo alinhado com o Irão, à medida que os combates transfronteiriços aumentaram desde o início da guerra em Gaza, em Outubro.

Pelo menos nove membros do grupo foram mortos em ataques separados na quarta-feira, informou a agência de notícias Reuters.

Os militares israelitas divulgaram vídeos nocturnos dos ataques, incluindo os da infra-estrutura militar do Hezbollah e dos “dispositivos de observação” na aldeia de Yaroun, na província de Nabatieh, no sul do Líbano, localizada do outro lado da fronteira dos colonatos israelitas de Yir’on e Avivim, no norte de Israel.

A filmagem granulada parece mostrar bombas israelenses atingindo e destruindo vários edifícios residenciais próximos a outros edifícios civis.

Também foram detectados “lançamentos” cruzando o território libanês que caíram em áreas abertas na área de assentamento de Goren, no norte de Israel, disseram os militares israelenses.

Desde 8 de Outubro, os contínuos confrontos na fronteira entre o exército israelita e o Hezbollah resultaram na morte de dezenas de civis libaneses e de mais de 140 membros do Hezbollah. Israel e grupos armados no sul do Líbano – a cerca de 200 km (124 milhas) da Faixa de Gaza, particularmente o Hezbollah, têm-se envolvido em frequentes intercâmbios através da fronteira Israel-Líbano, patrulhada pelas Nações Unidas.

Medos de escalada

Os ataques seguiram-se ao assassinato de Saleh al-Arouri, vice-líder do Hamas, num ataque de drones na capital libanesa, Beirute, na terça-feira.

O chefe do Hezbollah, Sayyed Hassan Nasrallah, disse num discurso televisionado na quarta-feira que o assassinato de al-Arouri foi “um crime grave e perigoso sobre o qual não podemos ficar calados”. O Hezbollah apoia o grupo armado palestino.

Milhares de pessoas compareceram ao funeral de al-Arouri em Beirute na quinta-feira, onde os enlutados oraram antes de transportar seu corpo para o Cemitério dos Mártires da Palestina, no campo de refugiados de Shatila.

O funeral contou com a presença de autoridades palestinas, incluindo Moussa Abu Marzouk, alto funcionário do Hamas, bem como representantes de alguns grupos políticos libaneses.

Imran Khan da Al Jazeera, reportando de Beirute na Quinta-feira, disse que todas as várias facções palestinas no Líbano “apareceram com força”.

Membros do Hezbollah também se juntaram a eles, disse Khan. Todos os líderes seniores do Hamas no Líbano também compareceram ao funeral, acrescentou.

“Isso foi um verdadeiro sinal de respeito, um verdadeiro sinal de unidade”, disse Khan. “Hoje não foi uma questão de vingança… hoje foi uma questão de mostrar desafio e unidade.”

Espera-se que tanto o Hamas quanto o Hezbollah reajam, disse Khan.

Ele disse que a linguagem vinda de Israel e do Hezbollah sugere que nenhum dos lados está disposto a recuar.

Nasrallah culpou Israel pelo ataque e apresentou as suas condolências ao Hamas pelo que chamou de “flagrante agressão israelita”.

Israel não assumiu a responsabilidade pelo ataque que matou al-Arouri no subúrbio de Dahiyeh, no sul de Beirute, um reduto do Hezbollah. Mas há preocupações crescentes de que a guerra de Israel em Gaza esteja a aumentar em toda a região.

As Nações Unidas pediram moderação, dizendo que um novo aumento nas hostilidades poderia ser devastador tanto para Israel como para o Líbano.

O presidente francês, Emmanuel Macron, numa chamada telefónica com o membro do gabinete de guerra israelita, Benny Gantz, instou Israel a “evitar qualquer atitude de escalada, particularmente no Líbano”.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, avisou anteriormente que Beirute seria transformada “em Gaza” se o Hezbollah iniciasse uma guerra total.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *