Porque é que os sul-asiáticos vão lutar na guerra Rússia-Ucrânia?


0

Jovens da Índia, Nepal e Sri Lanka estão na linha da frente da guerra da Rússia contra a Ucrânia.

SRINAGAR, JAMMU E CAXEMIR, ÍNDIA - 2024/02/28: Pai de Azad Yousuf Kumar, segura um smartphone exibindo as fotos de Azad Yousuf Kumar, vestindo uniforme militar, na aldeia de Pulwama.  Dois homens da Caxemira, Azad Yousuf Kumar, de 31 anos, e Zahoor Ahmad Sheikh, de 30 anos, que foram atraídos para Dubai com a promessa de empregos e depois enviados enganosamente para a Rússia por agências de recrutamento fraudulentas e ordenados a lutar como mercenários pela Rússia no fronteira com a Ucrânia.  Uma família da Caxemira soube que o seu filho, Azad Yousuf Kumar, de 31 anos, tinha sido ferido no conflito Rússia-Ucrânia.  A família disse que o jovem de 31 anos foi forçado a lutar na guerra na linha de frente e instou o governo indiano a intervir para ajudá-los a recuperar o filho.  Pelo menos uma dúzia de cidadãos indianos foram enganados pelos agentes para lutarem pelas forças russas na guerra do país com a Ucrânia.  De acordo com a publicação indiana 'The Hindu', um cidadão indiano foi morto num ataque com mísseis na semana passada.  As famílias angustiadas dos homens presos agora solicitaram ao governo federal que os devolva para casa.  (Foto de Faisal Bashir/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)
O pai de Azad Yusuf Kumar segura um smartphone exibindo as fotos de seu filho, vestindo uniforme militar, na aldeia de Pulwama [Faisal Bashir/SOPA Images/LightRocket via Getty Images]

Jovens do Sul da Ásia juntaram-se ao exército russo na guerra contra a Ucrânia depois de lhes terem sido prometidos salários e benefícios lucrativos.

Agora, eles estão sendo privados de seus salários e mortos nas linhas de frente – todas as rotas de fuga estão repletas de obstáculos.

Aqui está mais sobre os homens do Sul da Ásia que lutam na guerra da Rússia contra a Ucrânia.

De quais países vêm os combatentes estrangeiros na guerra Rússia-Ucrânia?

Homens predominantemente do Nepal, Índia e Sri Lanka foram lutar na guerra como mercenários.

Em Março de 2022, o presidente russo Vladimir Putin apoiou o plano para permitir que voluntários estrangeiros se juntassem à Rússia na sua guerra contra a Ucrânia. Os observadores especularam que a Rússia pretendia recrutar combatentes da Síria. Um mercenário nepalês disse à Al Jazeera que combatentes nepaleses, tadjiques e afegãos são enviados diretamente para a linha de frente.

Embora o governo nepalês não tenha um número exacto de nepaleses que lutam na Rússia, um funcionário do Ministério dos Negócios Estrangeiros estimou que cerca de 200 nepaleses lutavam na Rússia no final de 2023.

Alguns analistas estimam que cerca de mil combatentes nepaleses foram destacados. Os números baseiam-se em grande parte nas queixas recebidas pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros do Nepal de famílias de recrutas, explicou Santosh Sharma Poudel, analista de política externa e cofundador do Instituto Nepal para Investigação Política.

O número não oficial de indianos que lutam na Ucrânia é estimado em cerca de 100, informou a mídia local.

Vários cingaleses que vivem na Rússia disseram à Al Jazeera que centenas de seus compatriotas estavam agora servindo nas forças armadas russas.

Três homens nepaleses, prontos para ir ao campo de batalha na Ucrânia ocupada pela Rússia.  (Cortesia: Atit Chettri)
Três homens nepaleses, prontos para lutar na Ucrânia ocupada pela Rússia [ Courtesy: Atit Chettri]

Por que os sul-asiáticos vão lutar na guerra?

Vários homens que foram lutar na guerra disseram à Al Jazeera que a razão por trás disso era a sua situação financeira. “A situação económica da minha família é miserável, por isso pensei que isto seria um bom avanço”, disse Bimal Bhandari*, um mercenário de 32 anos do Nepal.

Os homens do Sri Lanka não estão a aderir à guerra porque acreditam na causa russa, mas porque é uma oportunidade de ganhar dinheiro no meio da turbulência económica, disse Gamini Viyangoda, escritor, analista político e colunista do Sri Lanka.

No Sri Lanka, a crise económica e a perturbação política em 2022 resultaram numa crise de fome em 2023. As enormes dívidas externas e o aumento da inflação levaram à escassez de combustível, medicamentos e alimentos.

Um soldado aposentado do Sri Lanka, agora recruta da Rússia, disse à Al Jazeera, sob condição de anonimato, que estava menos preocupado com a perspectiva de perder a vida ao ingressar no exército russo do que com as dificuldades económicas no Sri Lanka.

Os soldados que actualmente servem no exército do Sri Lanka também estão ansiosos por deixar os seus postos e ir para a Rússia, se tiverem oportunidade. Um soldado disse à Al Jazeera que ganha escassos US$ 65 por mês após deduções fiscais.

Poudel disse que há uma tendência entre os nepaleses de irem para o estrangeiro, para o Médio Oriente ou para a Europa, em busca de rendimentos lucrativos porque “o rendimento médio per capita no Nepal é de apenas cerca de 1.000 dólares por ano”. Em comparação, o salário anunciado para ingressar no exército russo é “cerca de 4.000 dólares por mês, o que é enorme”, acrescentou.

“Nem todos estão recebendo o valor anunciado, embora o salário seja significativamente mais alto do que receberiam aqui”, disse Poudel.

Acredita-se que Nipuna Silva, um soldado do Sri Lanka que deixou seu exército para lutar pela Rússia na Ucrânia por causa de melhores salários, foi morto na linha de frente na Ucrânia [Handout by Silva's family]
Acredita-se que Nipuna Silva, um soldado do Sri Lanka que deixou seu exército para lutar pela Rússia na Ucrânia por causa de melhores salários, foi morto na linha de frente na Ucrânia [Handout by Silva’s family]

De que lado eles estão lutando?

A maioria dos recrutas do Sul da Ásia luta nas linhas russas.

No entanto, alguns cingaleses também lutaram ao lado da Ucrânia. Depois que três homens do Sri Lanka que lutavam ao lado da Ucrânia foram mortos, aproximadamente 20 outros que serviam na Legião Internacional de Defesa Territorial da Ucrânia deixaram a unidade, de acordo com Lahiru Hathurusinghe, 25 anos, que se acredita ser o único cingalês ainda ligado a o lado ucraniano.

Como os sul-asiáticos são recrutados para a guerra?

Sul-asiáticos em busca de emprego ou oportunidades na Europa têm sido recrutados através das redes sociais, incluindo apelos para que nepaleses, indianos e cingaleses sejam recrutados para o exército russo foram publicados no TikTok.

Homens nepaleses disseram à Al Jazeera que, quando contataram a conta do TikTok, estavam conectados a um agente que administrava uma agência de viagens no Nepal. Hemil Mangukiya, 23 anos, de Surat, na Índia, encontrou emprego como ajudante no exército russo através de um vídeo no YouTube postado por Faisal Khan, de Dubai.

As agências de viagens também cobravam pesadas taxas dos homens interessados ​​em ir para a Rússia.

Um homem nepalês recrutado em outubro de 2023 foi cobrado em 9.000 dólares e, em troca, foi-lhe prometido um salário mensal de cerca de 3.000 dólares, juntamente com benefícios que incluíam a cidadania russa para si e para a sua família.

Aos cingaleses também foram prometidos salários mensais de até US$ 3.000 e a perspectiva de cidadania russa.

Veterano militar do Sri Lanka com nove anos de experiência, Nipuna Silva*, que já estava endividado, pediu emprestado 4.000 dólares para pagar uma agência que lhe conseguiu um emprego na Rússia. Mais tarde, ele se juntou ao exército russo.

Mangukiya, de Surat, pagou US$ 3.600 aos seus agentes de recrutamento e recebeu uma oferta de US$ 1.800 para um emprego como assistente.

Quando Bhandari chegou à Rússia, foi deixado em um campo de recrutamento e assinou um contrato de um ano para lutar como soldado.

Embora muitos nepaleses tenham ido para a Rússia diretamente da capital Katmandu, alguns trabalhavam como trabalhadores migrantes no Médio Oriente.

Como são tratados os recrutas do Sul da Ásia?

Embora tenha sido prometido aos recrutas um programa de treinamento intensivo de três meses, eles dizem que receberam menos de um mês de exercícios de combate na região de Rostov, no sudoeste da Rússia, na fronteira com a Ucrânia.

“Acho que eles foram treinados há poucos dias, em alguns casos nem mesmo uma semana”, disse Poudel. “E então eles são enviados para a linha de frente, basicamente como dispensáveis.”

Devido à falta de treinamento, os homens nepaleses que falaram com a Al Jazeera pensaram que seriam usados ​​como apoio. No entanto, eles foram empurrados para a linha de frente. “Os russos simplesmente nos comandaram por trás. Éramos como o escudo deles”, disse Ratna Karki*, recruta de 34 anos, à Al Jazeera.

Quando Bhandari tentou escapar, foi capturado e detido, tal como muitos outros – apanhados pela estrita vigilância da Rússia.

Embora os pais de Mangukiya tivessem certeza de que seu filho estaria a salvo de qualquer conflito, ele foi colocado na linha de frente.

Silva, do Sri Lanka, assinou um contrato de um ano em janeiro e, em 19 de fevereiro, sua esposa recebeu um pagamento de US$ 1.640 da Rússia. Dias depois, ela descobriu que Silva havia morrido num ataque de drone.

Pelo menos cinco recrutas do Sri Lanka morreram na guerra. Pelo menos 12 nepaleses foram mortos e outros cinco capturados pela Ucrânia. Pelo menos dois indianos foram mortos nas linhas de frente ucranianas.

Qual é a solução?

A polícia nepalesa já prendeu pessoas acusadas de contrabandear homens para a Rússia, com base em denúncias.

O Ministério das Relações Exteriores do Nepal manteve contato com o governo russo enquanto tenta repatriar recrutas do Nepal, bem como recuperar cadáveres. Além disso, o ministério instou a Rússia a fornecer compensação financeira às famílias dos falecidos.

Randhir Jaiswal, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros indiano em Nova Deli, disse aos jornalistas que, no dia 8 de março, o Gabinete Central de Investigação “detetou uma importante rede de tráfico de seres humanos, realizando buscas em várias cidades e recolhendo materiais incriminatórios. Foi registrado um caso de tráfico de pessoas contra vários agentes.”

O advogado e investigador internacional baseado em Nova Deli, Aakash Chandran, disse à Al Jazeera que o governo indiano deveria repatriar os cidadãos indianos que se juntaram voluntariamente ao exército russo, juntamente com aqueles que foram forçados a entrar no exército.

O governo é obrigado a investigar e processar esses cidadãos por qualquer prática de crime internacional, incluindo crimes de guerra cometidos na Ucrânia durante a sua participação em conflitos armados em nome da Rússia, “um país com o qual a Índia está em paz”.

Chandran acrescentou que aqueles que se inscreveram para trabalhar como ajudantes ou carregadores do exército, mas foram enganados e empurrados para a linha da frente, devem receber o estatuto de “prisioneiros de guerra” se forem capturados pelo exército ucraniano, de acordo com as Convenções de Genebra.

Ele disse que para aqueles involuntariamente enganados ou forçados ao serviço armado, qualquer contrato assinado não é executável.

No entanto, para as pessoas que assinaram voluntariamente contratos de um ano, as coisas são um pouco mais complexas.

A questão torna-se mais diplomática do que jurídica e depende de até que ponto o Estado está disposto a defender a repatriação.

Poudel disse que também é difícil repatriar todos os nepaleses que partiram, porque alguns deles “passam por canais ilícitos para a Rússia”.

Acrescentou que as medidas preventivas tomadas pelas autoridades nepalesas podem ter reduzido o número de nepaleses que aderiram à guerra na Ucrânia, mas não interromperam totalmente o fluxo.

“A longo prazo, penso que, na medida em que haja poucas oportunidades económicas no país, as pessoas quereriam ir para o estrangeiro, em busca de melhores salários, melhores empregos e uma vida melhor. E isso é muito difícil de controlar”, disse Poudel.

“Portanto, penso que, a longo prazo, não há alternativa a não ser criar oportunidades em casa.”

*Alguns nomes foram alterados para proteger a identidade de pessoas preocupadas com sua segurança.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *