Estará Al-Assad, da Síria, a apoiar o Hamas em busca de ganhos políticos ou de óptica?


0

À medida que a Síria reentrou lentamente no rebanho árabe, melhorou as relações com o Hamas, mas isso não significa necessariamente grande coisa.

O presidente sírio, Bashar al-Assad, fala em Damasco, Síria [File: SANA via AFP]

As consequências regionais da guerra de Israel em Gaza chamaram atenção renovada para o chamado “eixo de resistência” – uma espécie de aliança entre o Hamas, o Hezbollah, o Irão e a Síria.

Mas embora o Hezbollah e o Irão tenham estado visivelmente activos desde 7 de Outubro, o regime sírio tem desempenhado um papel mais discreto no apoio ao seu aliado intermitente, o Hamas.

O inimigo do meu inimigo

Foi apenas em Outubro do ano passado que o Hamas restabeleceu formalmente os laços com o regime do presidente sírio, Bashar al-Assad, mais de uma década depois de terem se desentendido nos primeiros anos da guerra civil síria, quando o Hamas se juntou à a revolução da oposição síria.

A reconciliação teria sido encorajada pelo Hezbollah e pelo Irão, em parte para contrariar o número crescente de governos árabes que normalizaram as suas relações com Israel através dos Acordos de Abraham.

Encurralado pelo cerco cada vez mais apertado de Israel a Gaza, que vigorava desde 2007, o Hamas precisava desesperadamente de aliados. E com a economia síria em frangalhos e as infra-estruturas sírias cada vez mais alvo de ataques aéreos israelitas, Damasco não estava em posição de manter o seu rancor quando os seus principais apoiantes, o Irão e o Hezbollah, pressionavam pela reconciliação.

A contribuição da Síria para a força material do Hamas é pequena e é pouco provável que tenha desempenhado qualquer papel na facilitação do ataque de 7 de Outubro.

Embora Ismail Haniyeh, chefe da ala política do Hamas, tenha dito à Al Jazeera no ano passado que parte do arsenal de foguetes de longo alcance do grupo vem da Síria, a grande maioria dos seus arsenais militares vem do Irão ou são fabricados internamente. Contudo, a posição da Síria no âmbito da aliança mais ampla com o Irão e o Hezbollah continua a ser um factor significativo na escalada da violência em toda a região.

“A Síria ainda desempenha um papel importante no Eixo da Resistência, simplesmente em virtude da sua posição geoestratégica”, afirma Nasrin Akhter, doutoranda na Universidade de St Andrews que investiga as relações entre o Hamas, o Hezbollah e a Síria.

“Além de servir de canal para a transferência de armas para o Hezbollah, a Síria proporciona ao Irão uma posição segura na arena árabe-israelense, permitindo-lhe abrir uma segunda frente contra Israel e dando-lhe uma base a partir da qual pode atacar os EUA. posições na região.” Mas dentro desta aliança, o regime sírio é um “ator passivo”, argumenta Joseph Daher, um académico e especialista no Hezbollah e na Síria.

“Desde 2011, a Síria quase não tem um papel autónomo e depende do Irão ou da Rússia, por vezes jogando um contra o outro”, diz Daher. “Qualquer abertura de uma frente militar [against Israel] da Síria serão na verdade lançadas pelo Hezbollah ou por milícias pró-iranianas”, com a própria Síria “relutante e incapaz de lançar uma guerra contra Israel”.

A fumaça sobe de um ataque aéreo israelense, à esquerda, e de bombardeios de artilharia, à direita, nos arredores de Aita al-Shaab, uma vila libanesa na fronteira com Israel, no sul do Líbano, segunda-feira, 13 de novembro.
A fumaça sobe de um ataque aéreo israelense, à esquerda, e de bombardeios de artilharia, à direita, nos arredores de Aita al-Shaab, uma vila fronteiriça do Líbano com Israel no sul do Líbano, 13 de novembro de 2023 [Hussein Malla/AP Photo]

O próprio secretário-geral do Hezbollah, Hassan Nasrallah, admitiu isso: “Não podemos pedir mais à Síria e temos de ser realistas”, disse Nasrallah em 11 de Novembro num discurso aos seus apoiantes. “A Síria enfrenta uma guerra global há 12 anos. Apesar da sua situação difícil, apoia a resistência e sofre as consequências.”

Um campo de batalha para a guerra por procuração

Desde o início da guerra em Gaza, a Síria tem sido palco de ataques e represálias entre Israel e os EUA, por um lado, e o Irão e as milícias apoiadas pelo Irão, por outro.

Ao longo do último mês, os EUA conduziram vários ataques aéreos na Síria contra o Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irão e os seus aliados, e Israel bombardeou os aeroportos de Damasco e Aleppo. Entretanto, milícias apoiadas pelo Irão atacaram alvos dos EUA pelo menos 40 vezes no Iraque e na Síria, segundo o Pentágono.

A escalada da violência cria ainda mais instabilidade na Síria e “aumenta a probabilidade de a Síria ser transformada num campo de batalha para uma guerra por procuração travada por potências regionais e globais, acumulando ainda mais sofrimento e miséria sobre o povo sírio”, afirma Akhter.

Mas enquanto os sírios sofrem as consequências da aliança do regime com o Hamas, o próprio Assad poderá beneficiar politicamente à medida que os líderes regionais ficam sob crescente pressão popular para mudarem a sua posição em relação a Israel.

a aldeia de Khuzaa, perto de Abasan, a leste de Khan Yunis
Uma menina palestina acaricia seu gato em meio à destruição causada pelos ataques israelenses em Khuzaa, a leste de Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza, em 27 de novembro de 2023. [Said Khatib/AFP]

À medida que os Acordos de Abraham parecem cada vez mais insustentáveis, a normalização do regime sírio com os líderes árabes continua em ritmo acelerado. Em Novembro, al-Assad participou na cimeira árabe-islâmica organizada pelo príncipe herdeiro Mohammed bin Salman em Riade, na Arábia Saudita, ao lado de líderes regionais que anteriormente o denunciaram.

Mas, independentemente do apoio retórico do regime a Gaza, ou das oportunidades fotográficas que acompanham as cimeiras regionais, al-Assad continua a ser uma figura divisiva e impopular.

“A questão fundamental [for the Syrian regime] não é a libertação da Palestina, mas a sua própria sobrevivência e interesses geopolíticos”, diz Daher.

“A popularidade de Assad já é muito fraca no país devido ao contínuo aprofundamento da crise socioeconómica, com mais de 90 por cento da população a viver abaixo do limiar da pobreza. Não haverá nenhum aumento significativo na sua popularidade como resultado do seu apoio ao Hamas.”

Akhter concorda: “Há uma percepção generalizada no mundo árabe de que o regime sírio está simplesmente a defender a causa palestiniana para os seus próprios objectivos políticos, a fim de desviar a atenção das suas próprias violações internas dos direitos humanos.

“Isso pouco fará para apagar a memória recente das atrocidades perpetradas pelo regime sírio, com muitos traçando paralelos entre o bloqueio punitivo e o bombardeio de Gaza por parte de Israel e o cerco da Síria ao campo de refugiados de Yarmouk, que levou a população palestina à beira da fome. .”


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *