Voo da Boeing retorna ao aeroporto do Japão devido a rachadura na janela da cabine


0

A aeronave não é um dos aviões 737 MAX 9 da Boeing que estiveram sob os holofotes após a explosão da Alaska Airlines.

Boeing
Um avião Boeing 737-800 retornou a um aeroporto no Japão depois que uma rachadura foi encontrada na janela da cabine [File:Jim Young/Reuters]

Um voo doméstico da All Nippon Airways (ANA) do Japão retornou ao aeroporto de partida depois que uma rachadura foi encontrada na janela da cabine da aeronave Boeing 737-800 em pleno ar.

O voo 1182 se dirigia ao aeroporto de Toyama, no Japão, mas voltou ao aeroporto de Sapporo-New Chitose depois que a rachadura foi encontrada na parte externa das quatro camadas de janelas ao redor da cabine, disse um porta-voz da companhia aérea no sábado.

Não houve relatos de feridos entre os 59 passageiros e seis tripulantes, acrescentou a companhia aérea.

“A fissura não afetou o controlo ou a pressurização do voo”, disse o porta-voz da ANA.

Este é o segundo incidente envolvendo uma aeronave Boeing em uma semana.

O avião da ANA, também modelo 737, não é, no entanto, um dos aviões 737 MAX 9 da Boeing que estão sob os holofotes desde que um voo da Alaska Airlines sofreu uma explosão que deixou um buraco na lateral da fuselagem no último sábado.

Embora o voo para o Alasca também tenha pousado em segurança com todos os 174 passageiros e seis tripulantes, os dados do voo mostraram que o avião subiu a 16.000 pés (4.876 metros) antes de retornar ao Aeroporto Internacional de Portland.

A Alaska Airlines disse que estava paralisando sua frota de aeronaves 737-9.

Aviões ‘aterrados’

Na sexta-feira, a Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA) disse que todos os aviões 737 MAX 9 permaneceriam em terra até que a Boeing fornecesse mais dados após o incidente quase catastrófico da Alaska Airlines.

“Para a segurança dos viajantes americanos, a FAA manterá o Boeing 737-9 MAX aterrado até que extensas inspeções e manutenção sejam realizadas e os dados das inspeções sejam revisados”, afirmou a FAA em comunicado.

O regulador também lançou uma investigação de segurança sobre o incidente, o primeiro grande problema de segurança em voo em um avião Boeing desde os acidentes fatais do 737 MAX em 2018 e 2019, que levaram a um longo encalhe da aeronave.

“Estamos trabalhando para garantir que nada disso aconteça novamente”, disse o administrador da FAA, Mike Whitaker.

“Nossa única preocupação é a segurança dos viajantes americanos e o Boeing 737-9 MAX não retornará aos céus até que estejamos totalmente satisfeitos de que é seguro.”

Em comunicado divulgado na sexta-feira, a Boeing saudou o anúncio da FAA e disse que a empresa “cooperaria de forma total e transparente”.

“Apoiamos todas as ações que fortalecem a qualidade e a segurança e estamos tomando medidas em todo o nosso sistema de produção.”

Os jatos Boeing 737 Max já foram aterrados em todo o mundo no passado. Em Outubro de 2018, não foram autorizados a voar durante quase dois anos, depois de um acidente na Indonésia ter matado 189 pessoas, e outro na Etiópia, cinco meses depois, que matou 157 pessoas.

A aeronave foi autorizada a voar novamente depois que a Boeing renovou seu sistema automatizado de controle de voo, que havia sido ativado erroneamente em ambos os acidentes.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *