Os resultados das eleições provisórias da RD Congo mostram vantagem para o Presidente Tshisekedi


0

As autoridades eleitorais anunciam os resultados da votação por diáspora nos EUA, Canadá, África do Sul, Bélgica e França.

Congo
A República Democrática do Congo anunciou os resultados provisórios [File: Mosa’ab Elshamy/AP Photo]

A República Democrática do Congo começou a anunciar os resultados das eleições gerais marcadas por uma organização caótica e preocupações de credibilidade.

As autoridades eleitorais anunciaram na sexta-feira os resultados da votação dos congoleses da diáspora na África do Sul, Estados Unidos, Canadá, Bélgica e França, antes da divulgação do resultado completo no sábado.

Os votos, que representam uma pequena proporção do eleitorado, mostraram ao Presidente Felix Tshisekedi uma vantagem considerável sobre os seus rivais da oposição. Os eleitores também votaram para escolher a próxima safra de legisladores nacionais e regionais e vereadores locais.

Os resultados provisórios surgem depois de a votação no país centro-africano rico em minerais ter sido prolongada até quinta-feira, depois de algumas assembleias de voto não terem sido abertas ao público e de alguns eleitores não terem conseguido encontrar os seus nomes nos registos.

A prorrogação não programada provocou uma forte resistência por parte dos candidatos da oposição, alguns dos quais consideraram a medida inconstitucional e apelaram a uma nova eleição.

Tshisekedi foi considerado o favorito nas eleições, nas quais enfrentou uma oposição dividida que incluía o ganhador do Prêmio Nobel da Paz Denis Mukwege e o magnata dos negócios e ex-governador provincial Moise Katumbi.

Apesar de a comissão eleitoral ter anunciado que as assembleias de voto não estavam autorizadas a abrir depois de quinta-feira, a votação continuou em alguns locais, especialmente áreas remotas, até sexta-feira.

Observadores independentes manifestaram preocupações sobre a votação, com o Carter Center, com sede nos EUA, a descrever “graves irregularidades” em 21 das 109 assembleias de voto que visitou e a assinalar “uma falta de confiança no processo”.

Denis Kadima, chefe da comissão eleitoral do país, rejeitou na sexta-feira as críticas de que a votação prolongada carecia de credibilidade.

A RDC, que é um dos países mais pobres do mundo, apesar de possuir vastas reservas de cobre, cobalto e ouro, tem um histórico de eleições disputadas que podem tornar-se violentas.

A eleição de Tshisekedi como presidente em 2018 foi marcada por acusações de fraude eleitoral e fraude.

Pelo menos 34 pessoas foram mortas e outras 59 ficaram feridas em protestos contra o resultado, segundo as Nações Unidas.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *