China visa mídia amigável e diplomatas para ‘contar a história de Xinjiang’


0

Pequim organiza visitas à região do extremo oeste, onde é acusada de potenciais crimes contra a humanidade, mas nem todos estão convencidos.

Um policial chinês se posiciona à beira da estrada perto do que é oficialmente chamado de centro de educação profissional em Yining, na Região Autônoma Uigur de Xinjiang, China
Um policial chinês montando guarda perto de um centro de treinamento vocacional quando os campos chamaram a atenção global pela primeira vez [Thomas Peter/Reuters]

O historiador e jornalista albanês-canadense Olsi Jazexhi acreditava, no início de 2019, que os relatos sobre violações dos direitos humanos na Região Autônoma Uigur de Xinjiang (Xinjiang), no oeste da China, eram mentiras.

Relatos de pessoas que fugiram da área, bem como relatórios de organizações de direitos humanos, pintavam um quadro de violações dos direitos humanos perpetradas em grande escala. As minorias muçulmanas em Xinjiang – a maioria das quais são uigures de língua turca – estariam alegadamente privadas de liberdades básicas, o seu património cultural e religioso estava a ser destruído e pelo menos 1 milhão delas tinham sido internadas numa vasta rede de campos de detenção.

A comunidade internacional tomou conhecimento e as Nações Unidas manifestaram as suas preocupações.

Mas Jazexhi não estava convencido.

“Eu tinha a certeza de que as histórias eram um esquema construído pelos EUA e pelo Ocidente para desacreditar a China e desviar a atenção dos seus próprios registos de direitos humanos em relação aos muçulmanos”, disse ele à Al Jazeera.

O próprio governo chinês rejeitou veementemente as acusações, reconhecendo a existência dos campos, mas descrevendo-os como centros de formação profissional necessários para combater o alegado extremismo.

Xinjiang (Imagine obtido pela HRW)
A Human Rights Watch descobriu evidências de pessoas detidas em campos de educação política em Xinjiang através de publicações nas redes sociais em 2017 pelo Departamento de Justiça de Xinjiang [Human Rights Watch]

Para ver a verdade por si mesmo, Jazexhi contatou a embaixada chinesa em Tirana sobre uma visita a Xinjiang. Ele logo foi convidado a participar de uma turnê de mídia para jornalistas estrangeiros, principalmente de países muçulmanos, e no início de agosto de 2019, ele estava em um avião com destino à China.

“Fui defender o governo chinês”, lembrou.

Mas rapidamente descobriu que defender a narrativa chinesa era uma tarefa muito mais difícil do que previra.

Nos primeiros dias em Xinjiang, ele e outros jornalistas estrangeiros tiveram de assistir a uma série de palestras proferidas por autoridades chinesas sobre a história da região e do seu povo.

“Eles retratavam os povos indígenas de Xinjiang como imigrantes e o Islão como uma religião estranha à região”, disse Jazexhi. “Estava incorreto.”

A sua desilusão só continuou quando ele e outros jornalistas foram levados pelos seus anfitriões chineses para um dos chamados centros de formação profissional fora da capital regional de Urumqi.

“Eles disseram que era como uma escola, mas era claramente um local de alta segurança no meio do deserto”, disse Jazexhi.

“Eles também nos disseram que as pessoas que estavam lá não tinham permissão para sair, então obviamente não era uma escola, mas uma prisão e as pessoas que estavam lá não eram estudantes, mas prisioneiros”.

Assim que entraram no site, Jazexhi teve a oportunidade de interagir com vários uigures e rapidamente ficou claro que não eram os “terroristas” ou “extremistas” que Pequim alegava.

Um manifestante segurando uma placa que diz: "Acabar com o genocídio uigur na China".
Uigures étnicos fora da China fizeram campanha por ação internacional sobre os alegados abusos da China em Xinjiang [Leah Millis/Reuters]

“Eu estava conversando com pessoas que foram levadas para lá simplesmente por praticarem o Islã, por exemplo, entrando em um casamento religioso, rezando em público ou usando um lenço na cabeça”, disse ele.

“Uma delas me disse que não era mais muçulmana e que agora acreditava na ciência e no presidente chinês, Xi Jinping.”

Jazexhi confrontou as autoridades chinesas que o acompanhavam.

“Eu disse a eles que o que eles estavam fazendo era muito errado”, disse Jazexhi.

As interações levaram a uma briga entre Jazexhi e alguns dos anfitriões chineses.

Quando ele finalmente deixou Xinjiang, ficou profundamente chocado.

Ele pensou que iria expor as mentiras ocidentais, mas em vez disso testemunhou a opressão em grande escala.

“O que vi foi uma tentativa de erradicar o Islão de Xinjiang”, disse ele.

‘Agenda do Ocidente’

Desde a visita de Jazexhi, o Conselho de Direitos Humanos da ONU concluiu que as restrições e privações chinesas em Xinjiang podem constituir crimes contra a humanidade.

O governo dos EUA, bem como os legisladores da Austrália, Canadá, França e Reino Unido, classificaram como genocídio o tratamento dispensado pelos chineses aos uigures e a outros muçulmanos de língua turca na região. Entretanto, vários países impuseram restrições económicas aos produtos provenientes de Xinjiang em resposta a evidências de trabalho forçado na região.

No meio das críticas, Pequim continuou a organizar visitas – principalmente de diplomatas e jornalistas de países muçulmanos – a Xinjiang.

A mídia chinesa informou que pelo menos cinco dessas viagens de mídia ocorreram em 2023, com visitas a Xinjiang também organizadas para diplomatas estrangeiros e estudiosos islâmicos.

Moiz Farooq, editor executivo do Daily Ittehad Media Group e da Pakistan Economic Net, visitou Xinjiang em meados de dezembro como parte de uma delegação de representantes da mídia do Paquistão.

Tal como Jazexhi em 2019, Farooq foi a Xinjiang com a intenção de observar por si mesmo que as histórias que ouviu não eram verdadeiras.

“Há muita propaganda sobre Xinjiang por aí e eu queria testemunhar isso com meus próprios olhos”, disse Farooq à Al Jazeera.

Ao contrário de Jazexhi, Farooq deixou Xinjiang impressionado com o nível de desenvolvimento da região e garantiu que os muçulmanos locais viviam em grande parte uma vida livre e contente.

“Pude conversar com quantas pessoas quisesse em bazares e restaurantes sobre seu padrão de vida e eu, junto com o resto da delegação, estávamos totalmente irrestritos”, disse ele.

“Vi lá muçulmanos que eram livres para desfrutar e praticar a sua religião.”

Farooq não acredita que os relatos e relatórios de organizações de direitos humanos e órgãos da ONU que detalham os abusos dos direitos humanos em Xinjiang sejam corretos.

“A agenda do Ocidente é mostrar o pior de Xinjiang e agora sei que as histórias não são verdadeiras porque vi quão felizes eles são. [Muslims in Xinjiang] estão vivendo”, disse ele.

Naz Parveen é diretora do China Window Institute em Peshawar, Paquistão, e esteve na mesma viagem que Farooq. Ela também ficou impressionada com a prosperidade que observou em Xinjiang.

Ecoando a caracterização da situação feita por Pequim, Parveen acredita que o que foi chamado de violações dos direitos humanos em Xinjiang pode ser descrito com mais precisão como operações de aplicação da lei que visam o extremismo religioso.

Para Parveen, a viagem reforçou essas opiniões.

“Visitamos bazares e mesquitas e vimos pessoas rezando e sendo ensinadas por imãs”, disse ela à Al Jazeera.

“Onde quer que fôssemos, víamos que as pessoas viviam uma vida normal, uma vida pacífica e contente, por isso as coisas terríveis que li sobre Xinjiang não se alinhavam com o que vi.”

Uigures e outros membros fiéis rezam durante os serviços religiosos na Mesquita Id Kah em Kashgar, na região de Xinjiang, no extremo oeste da China, como visto durante uma visita organizada pelo governo para jornalistas estrangeiros em 19 de abril de 2021.
Uigures e outros muçulmanos rezando na mesquita Id Kah de Kashgar durante uma visita organizada pelo governo para jornalistas estrangeiros em abril de 2021 [Mark Schiefelbein/AP]

Noutra visita a Xinjiang em Setembro, a emissora estatal chinesa CGTN citou o colunista e político filipino Mussolini Sinsuat Lidasan elogiando as medidas “anti-terrorismo” chinesas em Xinjiang.

Na mesma viagem, Donovan Ralph Martin, editor do Daily Scrum News no Canadá, também foi citado pela CGTN como tendo dito que “absolutamente, há liberdade religiosa em Xinjiang, e qualquer pessoa que não diga isso é ignorante”. .

Lidasan e Martin não responderam aos pedidos de entrevista da Al Jazeera.

Desafiando a narrativa

Desde 2020, o presidente chinês Xi Jinping apelou a “contar a história de Xinjiang” e a “propagar com confiança a excelente estabilidade social de Xinjiang”.

O ativista canadense-uigure Rukiye Turdush vê as visitas à mídia como parte integrante dessa missão.

“Ele quer mudar a narrativa sobre Xinjiang”, disse ela à Al Jazeera.

Henryk Szadziewski é pesquisador sênior da ONG Uyghur Human Rights Project. Ele diz que as visitas à imprensa, como as de Xinjiang, são uma tática comum empregada por países que têm algo a esconder.

“O objetivo é contradizer as críticas ao histórico dos direitos humanos, fazendo com que outros amplifiquem a sua narrativa, o que ganha mais credibilidade”, disse ele à Al Jazeera.

“Na prática, se eles, por exemplo, querem mostrar que os uigures desfrutam de liberdade de crença e expressão religiosa, geralmente levam você à mesquita Id Kah em Kashgar e as pessoas com quem você fala muitas vezes foram fortemente selecionadas e são incapazes de desafiar a versão estatal dos uigures.”

A delegação paquistanesa à qual Farooq e Parveen se juntaram visitou a Mesquita Id Kah.

Em termos de encontros mais espontâneos com uigures nessas viagens, Turdush não atribui muita credibilidade às conclusões tiradas por jornalistas estrangeiros com base em conversações com uigures que vivem num ambiente de medo há anos e foram sujeitos a vigilância pesada, bem como a medidas estatais. propaganda.

“Poucos uigures e outros turcos em Xinjiang têm outra escolha além de permanecer em silêncio ou fazer eco à propaganda chinesa”, disse ela.

Jornalistas australianos, numa visita à imprensa em Setembro, relataram que falaram com um vendedor de souvenirs que não tinha sido fornecido pelos seus guias turísticos. O vendedor disse que tinha passado algum tempo num campo de internamento, mas quando os jornalistas começaram a fazer mais perguntas, uma pessoa apareceu de repente e começou a filmar as respostas do vendedor.

Até a ex-chefe de direitos humanos da ONU, Michelle Bachelet, considerou a sua tão adiada visita cuidadosamente coreografada. Mas o seu relatório final, divulgado momentos antes de ela deixar o cargo, concluiu que a China provavelmente cometeu “crimes contra a humanidade” em Xinjiang.

No entanto, nos últimos anos, tem havido sinais de que algumas das medidas de segurança em Xinjiang foram relaxadas, de acordo com Maya Wang, diretora associada para a Ásia da Human Rights Watch.

Os campos de detenção foram encerrados e os postos de controlo policial foram removidos.

Em vez disso, foi alegadamente estabelecida uma vasta rede de câmaras de segurança com reconhecimento facial sofisticadas em toda a região, enquanto pessoas que anteriormente estavam detidas em campos foram transferidas para o opaco sistema prisional da China.

Um policial orientando o trânsito em Xinjiang.  Um outdoor vermelho atrás dele proclama a necessidade de manter o Estado de direito na região.  As palavras são escritas em amarelo na escrita uigur e em caracteres chineses.
Um policial dirige o trânsito em Kashgar em frente a um outdoor de propaganda pedindo “a manutenção do Estado de direito em Xinjiang” tanto na língua chinesa quanto na língua uigure [Pedro Pardo/AFP]

Ao mesmo tempo, a informação que entra e sai de Xinjiang permanece rigidamente controlada, enquanto os residentes de Xinjiang são punidos por terem contacto não autorizado com pessoas fora da China.

“O genocídio ainda está acontecendo, mas agora é muito mais encoberto”, disse Turdush.

Apesar da controvérsia em torno das viagens organizadas, tanto Turdush como Jazexhi acreditam que jornalistas e funcionários estrangeiros devem continuar a visitar Xinjiang, desde que desafiem as narrativas que lhes são apresentadas.

“Eles deveriam ir”, disse Jazexhi.

“E eles deveriam falar a verdade sobre o que veem e o que não veem em Xinjiang.”


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *