As (não tão) surpreendentes revelações da lista de Epstein


0

A lista é apenas mais um lembrete de que muitos comportamentos horríveis estão a ser conduzidos pelos poderes constituídos num sistema onde a dominação da elite permanece acima da lei.

Jeffrey Epstein
Cerca de 950 páginas de documentos judiciais que identificam associados do financista e criminoso sexual Jeffrey Epstein foram tornados públicos na quarta-feira [File: Bloomberg]

O que os ex-presidentes dos Estados Unidos Bill Clinton e Donald Trump têm em comum com o presidente executivo do Hyatt Hotels, Thomas Pritzker, e o famoso advogado Alan Dershowitz?

Além de serem homens americanos brancos que usurparam uma parte desproporcional da riqueza do planeta, eles estavam entre os primeiros nomes recentemente expostos em documentos judiciais anteriormente selados que identificavam associados do pedófilo financeiro e traficante sexual Jeffrey Epstein, que morreu por suicídio numa prisão dos EUA. em 2019.

Vários outros membros da elite internacional também foram nomeados, incluindo o príncipe britânico Andrew e o falecido Michael Jackson. Espera-se que mais de 150 identidades no total sejam divulgadas. É claro que a nomeação de nomes em si não constitui uma acusação criminal e, embora os meios de comunicação social tenham corrido com fervor orgásmico para explorar o potencial tablóide da notícia, não estamos aqui a falar de quaisquer revelações chocantes.

Afinal de contas, num mundo definido pelo capitalismo patriarcal liderado pelos EUA – em que as mulheres sofrem um tipo particular de objectificação e mercantilização – não é surpresa que aqueles que estão no topo da hierarquia endossem totalmente todo este acordo brutal.

Tomemos como exemplo Donald Trump, que enfrentou todos os tipos de acusações de violação e assédio sexual, ao mesmo tempo que emitia intermitentemente comentários obscenos sobre a sua própria filha, entre eles: “Se Ivanka não fosse minha filha, talvez eu estivesse namorando com ela”. É tão surpreendente, no final das contas, que ele convivesse com gente como Epstein?

Entretanto, o nome de Bill Clinton aparece nada menos que 73 vezes nos documentos divulgados até agora, incluindo no testemunho da vítima de Epstein, Johanna Sjoberg, segundo o qual Epstein uma vez a informou que Clinton “’gosta deles jovens’, referindo-se às raparigas”.

Conte-nos algo que não sabíamos.

De qualquer forma, a ética nunca foi o ponto forte de nenhum chefe de estado de uma superpotência global que há muito se dedica a, bem, massacrar e tornar a vida de pessoas em todo o mundo um inferno.

Por sua vez, o bilionário Thomas Pritzker, do império Hyatt Hotels, aparece nos documentos judiciais não lacrados como um dos homens a quem Virginia Roberts Giuffre, vítima de Epstein, foi supostamente forçada a servir. Ele também é um “estudioso amador da história chinesa”, conforme a sua biografia no site do Aspen Institute, com sede em Washington, DC – apenas mais um supercapitalista encantadoramente culto cuja existência se baseia na desigualdade paralisante e outras coisas boas.

E depois, é claro, há o advogado criminal e ex-professor de Direito de Harvard Alan Dershowitz, que aparece nos documentos como alguém com quem Epstein “exigiu” que uma mulher menor de idade fizesse sexo várias vezes, de acordo com as alegações da mulher. Como informou a Al Jazeera em 4 de janeiro, Dershowitz além disso “desempenhou um papel significativo na negociação de um acordo que proporcionou imunidade de processo federal no Distrito Sul da Flórida, não apenas para Epstein, mas também para ‘quaisquer potenciais co-conspiradores de Epstein’, os documentos dizer”.

De todos os candidatos até à data na chamada “lista de Epstein”, o caso Dershowitz é talvez o que mais merece consideração no presente momento, dado que ele foi potencialmente escolhido pelo primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, para defender Israel no âmbito internacional. Tribunal de Justiça (CIJ) em Haia. Israel comparecerá perante o referido tribunal para contestar a acusação, feita pela África do Sul, de estar a cometer genocídio na Faixa de Gaza, onde os militares israelitas mataram mais de 22.000 palestinianos em menos de três meses.

Em outras palavras, o caso do “genocídio” é óbvio em teoria. Mas Dershowitz especializa-se naquele tipo de “direito criminal” que defende os criminosos contra os factos e a lógica.

Ele já brandiu as suas credenciais sionistas para além do fanatismo em numerosas ocasiões – como durante a guerra israelita no Verão de 2006 no Líbano, que matou 1.200 pessoas em 34 dias, a grande maioria delas civis. Uma semana após o ataque, Dershowitz foi às páginas do Wall Street Journal num apelo intitulado “Aritmética da Dor”, onde propôs um “continuum de civilidade” para basicamente argumentar que, contrariamente à opinião internacional, simplesmente não havia tantos “civis” de boa-fé em lugares como o Líbano.

No “continuum” dershowitziano, nem mesmo as mulheres e as crianças poderiam “ser sempre contadas como civis, como fazem algumas organizações”. Tais noções serão sem dúvida úteis no caso de Dershowitz se tornar de facto o rosto de Israel no TIJ.

Em 2012, durante a breve ofensiva de Israel no “Pilar da Defesa” na Faixa de Gaza, Dershowitz censurou os meios de comunicação social por não especificarem que Israel apenas comete “acções lícitas”, enquanto o Hamas apenas comete crimes de guerra. Nesta ofensiva específica, Israel matou 87 civis palestinianos em oito dias, entre eles 35 crianças e 14 mulheres – pelo menos na opinião daqueles de nós que continuamos a subscrever o conceito de “civis”.

Avançando rapidamente para o actual genocídio, Dershowitz previsivelmente criticou as “feministas radicais” por ficarem obcecadas com o material de Epstein em vez de “condenarem o Hamas”.

Na verdade, a lista de Epstein não é tanto um choque, mas um lembrete de que muitos comportamentos horríveis estão a ser conduzidos pelos poderes que estão num sistema desagradável onde a dominação da elite permanece acima da lei. Mas à medida que a cobertura tabloidesca avança, lembre-se de que isso não é realmente novidade.

As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não refletem necessariamente a posição editorial da Al Jazeera.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *