Ex-presidente da África do Sul, Jacob Zuma, impedido de participar das eleições de maio


0

Espera-se que as eleições sejam a votação mais competitiva desde 1994, quando a nação se tornou uma democracia.

O ex-presidente sul-africano Jacob Zuma na Cidade do Cabo, África do Sul, 10 de março de 2024 [Esa Alexander/Reuters]

O ex-presidente da África do Sul, Jacob Zuma, foi impedido de concorrer às eleições de maio, informou a comissão eleitoral.

A África do Sul deverá realizar eleições gerais em 29 de maio, naquela que deverá ser a votação mais competitiva desde o fim do apartheid em 1994.

Zuma tem feito campanha para o partido uMkhonto WeSizwe (MK) (Lança da Nação), recentemente formado, numa tentativa de relançar a sua carreira, depois de ter sido anteriormente preso por desrespeito ao tribunal em 2021.

“No caso do ex-presidente Zuma, sim, recebemos uma objecção, que foi mantida”, disse o presidente da comissão eleitoral, Mosotho Moepya, aos jornalistas na quinta-feira, sem dar detalhes.

“O partido que o nomeou foi informado”, assim como aqueles que se opuseram à medida, disse ele.

Zuma
Jacob Zuma em Durban, África do Sul, 27 de março de 2024 [Rogan Ward/Reuters]

Corrida acirrada

O Congresso Nacional Africano (ANC), no poder, está à beira de cair para menos de 50 por cento dos votos pela primeira vez desde que chegou ao poder em 1994.

O partido está a perder apoio no meio de uma economia fraca e de alegações de corrupção e má gestão.

Se o ANC cair abaixo do limiar dos 50 por cento, forçará o partido, outrora liderado por Nelson Mandela, a formar uma coligação para permanecer no cargo.

Pesquisas recentes colocam o ANC com pouco mais de 40 por cento dos votos, com a principal oposição, a Aliança Democrática, com cerca de 27 por cento e o partido MK com 13 por cento.

O mandato de Zuma terminou em 2018 sob uma nuvem de acusações de corrupção, quando o titular Cyril Ramaphosa o substituiu.

Mais tarde, foi condenado a 15 meses de prisão em junho de 2021, depois de se recusar a testemunhar num painel que investigava a corrupção financeira e o clientelismo durante a sua presidência. Sua prisão gerou protestos, tumultos e saques que deixaram mais de 350 mortos.

Ele foi libertado em liberdade condicional médica apenas dois meses após seu mandato.

Mais tarde, um tribunal de recurso decidiu que a libertação de Zuma foi concedida ilegalmente e ordenou-lhe que voltasse à prisão.

Mas ao regressar a um centro correcional, beneficiou imediatamente de uma remissão de infratores não violentos aprovada por Ramaphosa.

A comissão eleitoral afirmou num comunicado que, segundo a Constituição, “qualquer pessoa que tenha sido condenada por um delito e sentenciada a mais de 12 meses de prisão sem opção de multa” não pode concorrer às eleições.

Zuma também enfrenta acusações separadas de corrupção num escândalo de aquisição de armas na década de 1990, quando era vice-presidente.

Apesar dos seus problemas legais, Zuma ainda exerce influência política e tem feito campanha para o partido MK numa tentativa de relançar a sua carreira e enfraquecer o seu antigo partido, o ANC, que o suspendeu em Janeiro.

A decisão de barrar Zuma pode ser apelada antes de 2 de abril.

O porta-voz do MK, Nhlamulo Ndlhela, disse à agência de notícias AFP que o partido estava “a analisar o mérito dessa objecção, mas iremos, claro, apelar”.

Escândalos INTERATIVOS de Jacob Zumas-1706684856
[Al Jazeera]

Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *