Por que a esquerda brasileira está apoiando a Rússia de Putin?


0

Aos olhos de muitos esquerdistas brasileiros, a Rússia está fazendo tudo o que faz – inclusive invadindo seus vizinhos – não para expandir seu próprio poder, mas para libertar o mundo das garras do malvado império americano.

O ex-presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva, que concorrerá nas eleições de outubro, gesticula ao participar de um evento organizado por sindicatos durante o Dia dos Trabalhadores em São Paulo, Brasil, 1º de maio de 2022. [Amanda Perobelli/Reuters]

A invasão da Ucrânia pela Rússia levou a uma convergência inesperada na arena política. De fato, em todo o mundo partidos de esquerda, ativistas e até mesmo proeminentes políticos de esquerda estão se juntando à extrema direita para expressar seu apoio – ou pelo menos desculpar – a brutal agressão imperialista do Kremlin contra uma nação soberana muito menor.

Esse estranho fenômeno talvez seja mais visível no Brasil, onde apoiadores do presidente de extrema direita Jair Bolsonaro e seu rival de esquerda, o ex-presidente Lula da Silva, estão trabalhando duro para demonstrar por que a Rússia não deve ser culpada pela devastação que estamos testemunhando. na Ucrânia hoje.

Tal como os seus homólogos de direita, os partidários de esquerda do Kremlin insistem que foi a OTAN que “provocou” a guerra e que a Rússia está simplesmente a “se defender” (eles, claro, recusam-se a explicar como este tal ato de “defesa” é diferente dos ataques “preventivos” do Ocidente contra países do Sul Global que eles condenaram veementemente). Eles também estão descartando relatos críveis de crimes de guerra, crimes contra a humanidade e até genocídio vindos da Ucrânia como “distorções” ocidentais e “propaganda da OTAN” financiada por George Soros (ironicamente também o bicho-papão da extrema direita antissemita), em defesa da “Nazistas” ucranianos tentando destruir a Rússia.

Por trás de tudo isso, é claro, há uma desconfiança justificada em relação aos EUA e à OTAN – os esquerdistas no Brasil têm muitos motivos para questionar qualquer narrativa sustentada pelo império que infligiu tanta dor à sua região. Afinal, não há uma única ditadura de direita no continente que tenha nascido sem um grau de apoio ou incentivo dos EUA.

Há, no entanto, também outras razões, muito menos justificáveis, por trás dessa surpreendente postura pró-Kremlin.

Na imaginação de muitos esquerdistas brasileiros, apesar de seu capitalismo agressivo e tendências imperiais impossíveis de ignorar, a Rússia de Putin ainda é a sucessora natural de uma utopia de esquerda outrora representada pela União Soviética. Nem mesmo a corrupção inegável do líder autocrático russo, sua opressão e abuso da classe trabalhadora russa, ou seu apoio financeiro e ideológico à extrema direita global parecem capazes de abalar sua crença de que ele pode e será o líder da revolução que derruba o ordem mundial liderada pelos EUA.

Isso não quer dizer que a maioria dos ativistas, pensadores e políticos de esquerda que simpatizam com o Kremlin sejam ingênuos demais para ver o presidente Vladimir Putin como o cleptocrata de direita que ele realmente é – eles provavelmente não são. Mas eles acreditam firmemente que, sob o comando de Putin, a Rússia pode acabar com o imperialismo dos EUA e abrir caminho para uma ordem mundial multipolar. E eles estão dispostos a fechar os olhos para os inúmeros abusos de direitos humanos cometidos por seu regime e apoiar sua guerra de agressão contra uma nação vizinha, para ver seu principal inimigo – o Ocidente – derrotado.

Na superfície, a maioria dos esquerdistas brasileiros parecem ser ávidos defensores dos direitos humanos, democracia e justiça. Eles dizem com orgulho que querem ver o fim dos países poderosos – todos países poderosos – invadindo outros sob o pretexto de “trazer a democracia”. Mas, infelizmente, seu desejo de ver o fim da ordem mundial liderada pelo Ocidente os leva a desculpar invasões, guerras de agressão e até genocídios quando são iniciados pelos inimigos do Ocidente. Aos seus olhos, o único imperialismo real é o imperialismo dos EUA.

Lula, que ele mesmo disse que o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy é tão responsável pelo destino atual de seu país quanto Putin em uma entrevista recente, e a maioria da esquerda brasileira parece convencida de que não há problema em negar a humanidade e a soberania de uma nação inteira se isso infligir danos nos EUA.

Há, é claro, esquerdistas no Brasil que criticam e se opõem a todo tipo de abuso – seja cometido pelos EUA e seus aliados ou pela Rússia. Mas, na maioria das vezes, eles acabam sendo acusados ​​de não serem verdadeiros esquerdistas ou comprarem propaganda americana por seus “camaradas” pró-Rússia que veem qualquer crítica à Rússia apenas como uma defesa dos EUA.

Em suma, parece que muitos esquerdistas brasileiros não aceitaram que o Muro de Berlim caiu e a Guerra Fria acabou. Eles estão vivendo em um mundo imaginário onde a Rússia está travando uma guerra revolucionária contra os EUA. Neste mundo, todos os crimes da Rússia precisam ser desculpados ou ignorados. Os crimes de outros “anti-imperialistas” – leia-se forças antiamericanas de qualquer credo – como a Nicarágua de Daniel Ortega ou a Venezuela de Nicolás Maduro também devem ser enterrados e não comentados. Eles estão cegos para a hipocrisia de apoiar aqueles que estão sendo oprimidos e vitimizados pelo imperialismo do Ocidente, enquanto infundadamente marcam as vítimas do imperialismo igualmente brutal e mortal da Rússia como “nazistas”.

Essas pessoas denunciaram com razão a mudança de regime instigada pelos EUA em seu continente, condenaram Israel por seus crimes contra o povo palestino e se posicionaram contra a invasão do Iraque e do Afeganistão pelos EUA. Mas agora eles parecem incapazes de ver que estão do lado do agressor porque esse agressor não é o Ocidente, mas a Rússia.

Esta não é, claro, a primeira vez que grandes setores da esquerda – no Brasil e além – se viram torcendo pelo sucesso de um brutal ditador de direita apenas para ofender o Ocidente. Muitos esquerdistas também ficaram do lado do ditador sírio Bashar al-Assad em nenhuma história distante, declarando-o um herói anti-imperialista, apenas porque os EUA apoiavam a revolta do povo sírio contra ele.

Deveria ter sido uma decisão fácil para a esquerda brasileira apoiar a Ucrânia. É, afinal, um país menor sendo invadido por uma potência imperial, lutando por sua independência. Mas muitos deles estão presos em um mundo de sonho em preto e branco, onde existe apenas um mal – os EUA. Eles adoram fingir que a Rússia está fazendo tudo o que faz – inclusive invadindo seus vizinhos – não para expandir seu próprio poder, mas para libertar o mundo das garras do malvado império americano.

Se a esquerda brasileira quiser ter sucesso mais uma vez e provar ao povo que está do lado certo da história, ela precisa se posicionar contra todos os opressores imperiais, incluindo os russos.

As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não refletem necessariamente a postura editorial da Al Jazeera.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *