Vídeos de militares russos em movimento se espalham no TikTok


0

À medida que as tensões aumentam na fronteira com a Ucrânia, as imagens postadas online se tornaram uma nova ferramenta valiosa para pesquisadores que analisam os movimentos militares russos.

Um comboio de veículos blindados russos se move ao longo de uma estrada na Crimeia, em 18 de janeiro de 2022. Em meio a um acúmulo de tropas russas perto da Ucrânia, Moscou negou planejar um ataque à Ucrânia, mas instou os EUA e seus aliados a fornecer uma promessa vinculativa de que a Otan não expandirá para a Ucrânia e não implantará meios militares lá _ uma demanda rejeitada pelo Ocidente.
A Rússia reuniu mais de 100.000 soldados perto da fronteira com a Ucrânia [File:/AP Photo]

Moscou, Rússia – Em 1º de fevereiro, Igor, um motorista de caminhão de meia-idade de Krasnodar, postou um vídeo no TikTok de um comboio militar russo cruzando uma estrada de duas pistas em uma área rural.

O pequeno clipe reuniu pouco mais de 350 visualizações – mas foi rapidamente captado por analistas atentos que monitoram as forças armadas da Rússia usando informações de código aberto e geralmente postam suas descobertas no Twitter.

Ruslan Leviev, membro fundador da Conflict Intelligence Team (CIT), uma organização independente de investigação russa, está entre eles. Ele diz que os vídeos do TikTok mostrando os militares russos em movimento estão ocupando cada vez mais tempo dos pesquisadores – especialmente agora, à medida que as tensões aumentam na fronteira da Rússia com a Ucrânia – ajudando-os a relatar e analisar movimentos em todo o país.

Leviev diz que as pessoas por trás da postagem de tal conteúdo são geralmente caminhoneiros, ferroviários e moradores. Na verdade, o TikTok do Igor era apenas um vídeo em um fluxo de conteúdo retratando movimentos militares russos, inclusive pela guarda nacional, uma força militar interna que, como sugere Leviev, pode ser implantada para desempenhar funções de polícia militar em territórios controlados pela Rússia.

“A guarda nacional desempenhou funções semelhantes na Síria. Também pode ser usado para evitar vazamentos de informações, pois pode ser afixado nas entradas dos campos de campo e bloquear jornalistas, testemunhas oculares e espectadores com câmeras”, disse Leviev à Al Jazeera.

Diplomacia do TikTok

Nos últimos meses, observadores usando técnicas de inteligência de código aberto para pesquisar a presença militar da Rússia observaram enquanto a Rússia deslocava forças de todo o país para a Crimeia anexada, perto da fronteira ucraniana e do país vizinho da Bielorrússia.

“Preste atenção em como o equipamento militar se moveu”, disse Valery Shiryaev, colunista militar da Novaya Gazeta, à Al Jazeera. “Eles estavam se movendo em velocidade mínima do Extremo Oriente. Eles fizeram tudo para que todos pudessem vê-los”, acrescentou, observando que as transferências militares da Rússia aumentaram a aposta durante as negociações sobre a crise Rússia-Ucrânia.

Shiryaev também argumenta que as mobilizações do Extremo Oriente no final de janeiro não incluíam soldados de infantaria, dizendo que isso era perceptível a partir de imagens de satélite e vídeos postados nas redes sociais.

Na semana passada, autoridades ocidentais disseram que o número de militares russos nas áreas de fronteira ultrapassou 130.000, acima da estimativa de 100.000 das semanas anteriores. Há duas semanas, a Ucrânia também disse que a Rússia reuniu cerca de 130.000 soldados perto da fronteira.

Uma presença militar tão grande não é sem precedentes, diz Shiryaev, apontando para jornais ucranianos que relataram a presença de até 100.000 soldados russos em regiões fronteiriças há vários anos. Ele diz que esse número é constante por causa de um ciclo contínuo de exercícios militares que ocorrem nessas regiões que têm visto militares irem e virem a cada novo exercício.

“Agora esses exercícios estão sendo usados ​​como parte de um sistema de pressão político-militar. Ninguém sabe se os resultados serão alcançados, mas [Russian President Vladimir] Putin já forçou os países ocidentais a se sentarem à mesa de negociações”, diz Shiryaev. “Isso já é uma vitória.”

Abrir segredo

Ainda assim, observadores dizem que o Estado russo geralmente evita divulgar informações sobre movimentos militares, com os serviços secretos do país protegendo ativamente esses detalhes.

Leviev, do CIT, e seus colegas usam dados públicos sobre movimentos de trens em suas investigações, mas em dezembro os dados ferroviários relativos ao transporte militar foram removidos dos registros públicos. No entanto, os serviços especiais russos não conseguiram ocultar completamente essa informação dos pesquisadores, de acordo com Leviev, que ainda usa os dados abertos de trens da Rússia para seu trabalho.

Enquanto isso, os soldados russos são proibidos por lei de usar telefones celulares e outros dispositivos conectados à Internet durante o serviço ou na base, bem como postar informações relacionadas ao seu trabalho.

Mas vaza, mesmo assim.

Em janeiro, o CIT encontrou comentários nas mídias sociais sobre longas missões dadas a soldados russos, com a maioria sendo postada por seus parentes.

“A prática do direito penal na Rússia é completamente imprevisível”, disse Stanislav Seleznev, advogado do projeto Network Freedoms, à Al Jazeera quando perguntado se os vídeos do TikTok mostrando veículos militares terão implicações legais para quem os publica.

Seleznev se referiu a processos criminais lançados contra cinco mulheres por acusações de traição e espionagem por enviar mensagens SMS sobre os movimentos de equipamentos militares para seus amigos da Geórgia durante a guerra russo-georgiana de 2008. As mulheres foram originalmente condenadas a entre seis e 12 anos de prisão, mas todas foram libertadas no final de 2017 após protestos públicos.

De acordo com Seleznev, quando o principal serviço de segurança da Rússia, o FSB, decidir iniciar um processo criminal, considerará com que frequência essas informações aparecem nas mídias sociais de um suspeito e se eles estão informando o público sobre o tipo de equipamento retratado, bem como onde e por que está indo. A acusação pode ser iniciada apesar do fato de que é impossível para os cidadãos prever quais eventos farão parte de uma operação secreta, acrescenta Seleznev.

“No ano passado, os riscos aumentaram muito, pois o FSB aprovou uma lista de informações que não são segredo de Estado, mas podem ser usadas por organizações estrangeiras contra a segurança e os interesses nacionais do nosso país. Estamos completamente cobertos por esta lista”, disse Leviev.

Por causa dessa lista, as publicações do CIT agora podem levar a penalidades criminais. O grupo tem cinco membros, três dos quais moram na Rússia – desses três, apenas Leviev é público sobre sua participação no CIT. Apesar disso, Leviev diz que, por enquanto, não pretende deixar o país.

Em 15 de fevereiro, o Ministério da Defesa da Rússia disse que começou a reunir algumas de suas tropas de exercícios nas regiões fronteiriças e postou um vídeo para apoiar sua afirmação. De acordo com o CIT, os militares russos ainda podem ser vistos se movendo em direção às regiões fronteiriças, incluindo colunas que já estavam a caminho na terça-feira e recém-enviadas. E na sexta-feira, uma autoridade dos EUA disse que o acúmulo russo chegou a 190.000 pessoas, chamando-a de “a mobilização militar mais significativa na Europa” desde a Segunda Guerra Mundial.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *