Negociações de trégua em Gaza devem ser retomadas, enquanto milhares protestam contra Netanyahu em Israel


0

As negociações no Cairo no domingo acontecem depois que o Conselho de Segurança da ONU exigiu um cessar-fogo esta semana, quase seis meses após o início da guerra.

Palestinos inspecionam os danos a um edifício após o bombardeio israelense noturno em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, em 29 de março de 2024, em meio ao conflito em curso entre Israel e o grupo militante Hamas.  (Foto de SAID KHATIB/AFP)
Palestinos inspecionam os danos a um edifício após o bombardeio israelense noturno em Rafah, no sul da Faixa de Gaza [File: Said Khatib/AFP]

Espera-se que as negociações de trégua entre Israel e o Hamas sejam retomadas no Cairo no domingo, informou a mídia egípcia, dias depois de o Conselho de Segurança das Nações Unidas ter emitido a sua primeira exigência de um cessar-fogo na guerra em Gaza.

A retomada das negociações indiretas, relatada pela Al Qahera News TV do Egito no sábado, ocorre no momento em que mais protestos contra o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, eclodem na capital de Israel.

Muitos israelenses sentem que Netanyahu é o principal obstáculo para assinar um acordo com o Hamas e trazer de volta para casa os cativos detidos em Gaza, disse Hamdah Salhut da Al Jazeera.

“Essas pessoas pedem um acordo para trazer de volta os cativos há mais de 175 dias. Dizem que as políticas do governo de Israel simplesmente falharam”, disse Salhut, reportando um protesto em Tel Aviv onde milhares de pessoas, incluindo famílias dos cativos, se reuniram.

As manifestações também ocorreram perto da residência de Netanyahu e em outras cidades de Israel.

O Catar, o Egipto e os Estados Unidos estão a tentar chegar a um acordo de troca de cativos e a um cessar-fogo em Gaza, já que a primeira pausa durou apenas uma semana no final de Novembro do ano passado.

Uma autoridade israelense disse à agência de notícias Reuters que Israel enviaria uma delegação às negociações no Cairo no domingo. Um funcionário do Hamas, no entanto, disse à Reuters que o grupo esperaria primeiro ouvir os mediadores do Cairo sobre o resultado de suas negociações com Israel.

Salhut, da Al Jazeera, disse que um comunicado do gabinete de Netanyahu afirma que ele autorizou a equipe de negociação israelense a se reunir com mediadores no Cairo e em Doha, e lhes deu um mandato para negociar.

“Mediadores como os Estados Unidos dizem que continuam optimistas quanto à possibilidade de se chegar a um acordo. Mas ainda existem fortes pontos de discórdia de ambos os lados e enormes questões inegociáveis”, disse o nosso correspondente.

O Hamas tem procurado aproveitar qualquer acordo para pôr fim à guerra e à retirada total das forças israelitas de Gaza. Israel, no entanto, descartou esta possibilidade, dizendo que mesmo que haja uma longa pausa nos combates, a guerra não terminará até que o Hamas seja derrotado.

“Embora existam pontos de conflito, os mediadores dizem que é um sinal positivo de que estas conversações vão continuar”, disse Salhut.

‘cessar-fogo imediato e permanente’

Ainda no sábado, os ministros dos Negócios Estrangeiros francês, egípcio e jordaniano apelaram a um “cessar-fogo imediato e permanente” em Gaza e à libertação de todos os prisioneiros detidos por grupos armados palestinianos.

Falando numa conferência de imprensa conjunta no Cairo, o principal diplomata francês, Stephane Sejourne, disse que o seu governo apresentaria um projecto de resolução no Conselho de Segurança da ONU estabelecendo uma solução “política” para a guerra.

Ele disse que o texto incluiria “todos os critérios para uma solução de dois Estados” para o conflito israelo-palestiniano, o plano de paz há muito defendido pela comunidade internacional, mas contestado pelo governo de Netanyahu.

Os três ministros renovaram o apoio dos seus governos à agência da ONU para os refugiados palestinianos, UNRWA, que tem enfrentado uma crise de financiamento desde que Israel alegou que alguns dos seus 13.000 funcionários em Gaza estavam implicados no ataque de 7 de Outubro.

“Israel não está apenas matando os palestinos de fome, mas quer matar a única entidade capaz de impedir a fome”, disse o ministro das Relações Exteriores da Jordânia, Ayman Safadi.

O ministro dos Negócios Estrangeiros egípcio, Sameh Shoukry, disse que Gaza “não pode suportar mais destruição e sofrimento humanitário” e apelou a Israel para abrir as suas passagens terrestres com a Faixa para permitir a ajuda humanitária.

Mais de 32 mil palestinianos foram mortos na guerra de Israel em Gaza desde 7 de Outubro. Isto seguiu-se a um ataque do Hamas ao sul de Israel, no qual 1.139 pessoas foram mortas e mais de 200 feitas prisioneiras – algumas das quais permanecem em Gaza.

Esta semana, após quase seis meses de guerra, o Conselho de Segurança da ONU finalmente chegou a um consenso e aprovou uma resolução apelando a um cessar-fogo imediato.

No entanto, os combates continuam, com Israel ainda a lançar ataques aéreos e terrestres em toda a faixa e a prometer lançar uma invasão total da cidade de Rafah, no extremo sul, onde mais de um milhão de palestinianos deslocados estão abrigados.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *