Ucrânia diz que pelo menos 30 morreram em ataque aéreo russo massivo


0

Cidades de todo o país foram atingidas por drones e mísseis russos numa das maiores barragens aéreas da guerra.

Equipes de emergência removem os escombros depois que um foguete russo atingiu um prédio de vários andares, deixando muitas pessoas sob os escombros na cidade de Dnipro, no sudeste da Ucrânia, em 14 de janeiro.
Equipes de emergência removem escombros depois que um foguete russo atingiu um prédio de vários andares, deixando muitas pessoas sob os escombros na cidade de Dnipro, no sudeste da Ucrânia [File: Evgeniy Maloletka/AP Photo]

Autoridades ucranianas disseram que pelo menos 30 pessoas foram mortas e mais de 140 feridas depois que a Rússia atacou cidades em todo o país devastado pela guerra com uma enorme salva de mísseis e drones em um dos maiores ataques aéreos da guerra.

Os militares ucranianos disseram na sexta-feira que a Rússia lançou cerca de 158 mísseis e drones na onda de ataques, visando cidades como Kiev, Odesa, Kharkiv, Dnipro e Lviv. Autoridades ucranianas dizem que a maioria dos ataques foi interceptada.

“Hoje, a Rússia atingiu-nos com quase tudo o que tem no seu arsenal”, disse o presidente Volodymyr Zelenskyy sobre os ataques.

O ataque ilustrou a necessidade desesperada de Kiev de capacidades de defesa adicionais, à medida que os residentes procuravam abrigo da barragem de projécteis, que o comandante da Força Aérea Mykola Oleshchuk chamou de “o ataque aéreo mais massivo” desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em Fevereiro de 2022.

“Houve uma explosão e depois chamas”, disse Kateryna Ivanivna, uma moradora de 72 anos da capital Kiev, à Associated Press. “Cobri a cabeça e desci para a rua. Então, corri para a estação de metrô.”

Fumaça sobe perto de um prédio danificado após um ataque russo em Kiev
A fumaça sobe atrás de um prédio danificado no ataque com mísseis da Rússia em Kiev, Ucrânia, na sexta-feira, 29 de dezembro [Efrem Lukatsky/AP Photo]

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse na sexta-feira que o ataque demonstra que os objetivos do presidente russo, Vladimir Putin, na Ucrânia “permanecem inalterados” quase dois anos depois de a Rússia ter lançado pela primeira vez a sua invasão.

“Ele procura destruir a Ucrânia e subjugar o seu povo. Ele deve ser detido”, disse Biden em comunicado.

Embora o apoio à Ucrânia continue robusto entre os países ocidentais, a assistência militar adicional tem enfrentado uma resistência crescente por parte das forças políticas conservadoras nos EUA e na Europa.

Biden apelou ao Congresso dos EUA para aprovar um pacote de assistência adicional à Ucrânia, mas esse esforço foi adiado até ao novo ano, à medida que surgem cismas dentro do Partido Republicano sobre o apoio contínuo.

“A menos que o Congresso tome medidas urgentes no novo ano, não seremos capazes de continuar a enviar as armas e os sistemas vitais de defesa aérea de que a Ucrânia necessita para proteger o seu povo. O Congresso deve intensificar e agir sem mais demora”, diz a declaração de Biden.

Com a linha da frente em grande parte atolada na guerra de trincheiras, a Rússia regressou nas últimas semanas à táctica do Inverno passado, durante a qual visou infra-estruturas, especialmente energia e aquecimento, deixando milhões de ucranianos com dificuldades para se manterem aquecidos.

O primeiro-ministro Denys Shmyhal observou que a barragem de sexta-feira teve como alvo infraestruturas críticas. O Ministério da Energia informou que quatro regiões ucranianas no norte e no sul enfrentavam cortes de energia.

Mísseis e drones também teriam atingido vários locais civis, incluindo edifícios residenciais. A queda de destroços causou incêndios em um prédio residencial e em um armazém em Kiev, e explosões foram ouvidas em Lviv, disseram autoridades.

O prédio de uma estação de metrô em Kiev, usado como abrigo, foi danificado, disse o prefeito Vitaliy Klitschko no aplicativo de mensagens Telegram. Vinte e dois ataques russos foram registrados em Kharkiv, danificando um hospital, edifícios residenciais e uma instalação industrial, disse o prefeito Ihor Terekhov.

“Sabemos que quatro áreas foram atingidas aqui na capital, Kiev”, informou Assed Baig, da Al Jazeera. Mortes e feridos foram relatados no Dnipro, disse Baig, acrescentando que dois locais foram atingidos na cidade de Lviv, no oeste do país. As equipes de resgate estavam trabalhando nos danos, disse ele.

As tensões também permanecem elevadas nos países que fazem fronteira com a Ucrânia, com as autoridades polacas a informarem na sexta-feira que um míssil russo entrou no espaço aéreo do país durante vários minutos antes de partir.

O aumento dos ataques russos tem sido associado a um ataque ucraniano bem-sucedido a um navio de guerra russo na Crimeia esta semana.

Os militares russos confirmaram na sexta-feira que desde então lançaram dezenas de ataques à Ucrânia.

“No período de 23 a 29 de dezembro, as forças armadas da Federação Russa realizaram 50 ataques em grupo e um ataque massivo… Todos os alvos foram atingidos”, afirmou numa atualização diária.

Difícil de interceptar

Os militares russos afirmaram nesse relatório que os seus ataques visavam instalações militares.

No entanto, Kiev destacou as mortes de civis e os danos causados ​​pela barragem e disse que ilustra a sua extrema necessidade de maior apoio dos seus aliados ocidentais, que ficaram atolados pelas manobras políticas em Washington e Bruxelas.

Mísseis hipersônicos, de cruzeiro e balísticos, incluindo o X-22, que é difícil de interceptar, foram usados ​​nos ataques, disse o porta-voz da Força Aérea da Ucrânia, Yuriy Ihnat. “Faz muito tempo que não temos tantos alvos inimigos vermelhos em nossos monitores.”

“Estamos fazendo tudo para fortalecer nosso escudo aéreo, mas o mundo precisa ver que precisamos de mais apoio e força para deter esse terror”, escreveu o assessor presidencial Andriy Yermak no Telegram.

Zelenskyy agradeceu aos Estados Unidos por libertarem o último pacote restante de armas disponíveis para a Ucrânia sob a autorização existente.

Mas a incerteza envolve mais ajuda. Os EUA, o maior doador individual da Ucrânia, enviaram mais de 40 mil milhões de dólares desde a invasão da Rússia em Fevereiro de 2022, mas os republicanos de direita opõem-se à tentativa do presidente Joe Biden de obter aprovação para despesas adicionais.

O impasse reflecte-se na União Europeia, onde a Hungria está a bloquear um pacote de ajuda de 50 mil milhões de euros (55 mil milhões de dólares). O bloco deverá rever a questão em janeiro, mas entende-se que não conseguirá cumprir as promessas de envio de um milhão de munições.

Zelenskyy, entretanto, continua a defender que o Ocidente aumente o seu apoio. “Para defender a liberdade e a segurança não só na Ucrânia e na Europa, mas também nos Estados Unidos, devemos continuar a responder à contínua agressão russa”, disse ele.

Os aliados ocidentais responderam ao enorme ataque na sexta-feira reiterando o seu apoio.

O embaixador dos EUA em Kiev escreveu no X que os ataques mostraram que “a Ucrânia precisa de financiamento agora para continuar a lutar pela libertação de tal horror em 2024”.

Pessoas limpam escombros do local de ataque russo
Pessoas limpam os destroços no local do ataque aéreo russo em Zaporizhzhia, Ucrânia, na sexta-feira, 29 de dezembro [Andriy Andriyenko/AP Photo]

O chefe da política externa da União Europeia, Josep Borrell, condenou o “ataque covarde e indiscriminado” da Rússia a civis.

O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, disse que o ataque ilustrou que “Putin não irá parar até alcançar o seu objectivo de erradicar a liberdade e a democracia”, disse o Ministério da Defesa do Reino Unido na sexta-feira que estava a enviar 200 mísseis de defesa aérea para ajudar a Ucrânia.

“Não vamos deixá-lo vencer”, acrescentou Sunak. “Devemos continuar a apoiar a Ucrânia – enquanto for necessário.”

O Ministério francês da Europa e dos Negócios Estrangeiros afirmou num comunicado: “A Rússia continua a sua estratégia de terror que visa destruir a infra-estrutura civil ucraniana, a fim de minar a resiliência da população ucraniana”.

“A França continuará a apoiar a Ucrânia e a fornecer-lhe a assistência necessária para lhe permitir exercer a sua autodefesa, em estreita coordenação com os seus parceiros.”


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *