PTI do ex-primeiro-ministro Khan é abalado por mais renúncias


0

Chaudhry, vice-presidente sênior do PTI, deixa o partido, o secretário-geral Umar renuncia ao cargo.

Na foto desta terça-feira, 25 de setembro de 2018, o ministro da Informação do Paquistão, Fawad Chaudhry, fala à Associated Press, em Islamabad, Paquistão.  A minoria Ahmadiyya teme o aumento da perseguição depois que o novo governo cedeu às exigências dos radicais islâmicos para rescindir a nomeação de um professor Ahmadi baseado nos EUA para um conselho consultivo econômico.  Chaudhry procurou conter a controvérsia apontando que a posição não tinha nada a ver com religião ou legislação e que o governo recém-eleito queria ser inclusivo.  (Foto AP/BK Bangash)
Fawad Chaudhry disse que não estava apenas deixando seu cargo, mas também o partido e Imran Khan. [BK Bangash/AP Photo]

Islamabad, Paquistão – Um vice-presidente sênior do Tehreek-e-Insaf do Paquistão (Movimento Paquistanês pela Justiça, PTI) deixou o partido enquanto seu secretário-geral renunciou ao cargo, marcando outro golpe para o ex-primeiro-ministro Imran Khan.

Fawad Chaudhry, vice-presidente sênior e ex-ministro federal, twittou que estava “se separando” de Khan e do partido.

“Decidi fazer uma pausa na política, portanto, renunciei ao cargo no partido e me separei de Imran Khan”, escreveu Chaudhry.

Horas depois, durante uma coletiva de imprensa na capital Islamabad, Asad Umar anunciou que também estava deixando o cargo de liderança, mas acrescentou que permaneceria como membro do PTI.

“Em vista dos acontecimentos de 9 de maio, é insustentável para mim continuar na posição de liderança do partido, por isso renuncio ao cargo de secretário-geral e à minha participação no comitê principal”, disse Umar, que havia sido dispensado de dois mandatos semana de prisão na prisão no início da noite.

Com suas renúncias, Chaudhry e Umar se juntam a mais de duas dúzias de outros líderes do PTI do ex-primeiro-ministro Khan que deixaram seus cargos ou deixaram o partido desde sua prisão no início deste mês.

Na terça-feira, a ex-ministra de Direitos Humanos Shireen Mazari deixou o PTI depois de ser detida várias vezes desde 12 de maio, quando foi presa pela primeira vez por causa dos protestos mortais que se seguiram à prisão de Khan.

Chaudhry e Umar também foram presos em Islamabad em 10 de maio por acusações relacionadas à ordem pública. Chaudhry disse a repórteres depois de ser libertado uma semana depois que condenou a violência provocada pela prisão de Khan.

“O Paquistão existe porque o Exército do Paquistão existe e devemos elaborar nossas políticas mantendo esse ponto de vista na frente”, disse Chaudhry a repórteres após sua libertação.

FOTO DE ARQUIVO: Ministro das Finanças do Paquistão, Asad Umar, gesticula durante entrevista coletiva em Islamabad, Paquistão, 30 de novembro de 2018. REUTERS/Faisal Mahmood/Foto de arquivo
O ministro das Finanças do Paquistão, Asad Umar, gesticula durante uma coletiva de imprensa em Islamabad, Paquistão, 30 de novembro de 2018 [File: Faisal Mahmood/Reuters]

Durante sua entrevista coletiva na quarta-feira, Umar também condenou a violência.

“Quase todos condenaram o que aconteceu em 9 de maio, mas quero falar sobre por que esses incidentes foram perigosos para o país. Vidas foram perdidas, pessoas ficaram feridas e propriedades estatais e privadas foram danificadas”, disse ele.

“Mas o mais perigoso foi que instalações associadas ao exército foram atacadas.”

À medida que mais políticos abandonavam o navio, o chefe do PTI, Khan, twittou: “Todos nós já ouvimos falar de casamentos forçados no Paquistão, mas para o PTI surgiu um novo fenômeno, os divórcios forçados”.

As deserções agravam os problemas de Khan, já que o político de 70 anos enfrenta mais de 100 casos legais e tenta evitar ser preso novamente.

Falando a repórteres em um tribunal em Islamabad na terça-feira, Khan alegou que os líderes de seu partido estavam sendo coagidos a sair, sem dizer quem estava fazendo isso.

“As pessoas não estão desistindo, elas estão sendo forçadas a deixar o partido sob a mira de uma arma”, disse ele. “Os partidos políticos não podem ser desmantelados por meio de tais táticas.”


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *