Palestinos em Israel também enfrentam uma Nakba


0

E a cidadania de segunda classe que possuem não os protegerá.

Árabes israelenses levantam bandeiras e cartazes palestinos durante um protesto em frente à prisão de Megiddo, no norte de Israel, em 22 de agosto de 2021, para exigir a libertação de prisioneiros de sua comunidade encarcerados após confrontos com judeus israelenses em maio, em Lod e outras cidades.  (Foto de Ahmad GHARABLI/AFP)
Palestinos em Israel protestam em frente à prisão de Megiddo, no norte de Israel, em 22 de agosto de 2021, para exigir a libertação de prisioneiros de sua comunidade presos após confrontos com judeus israelenses em maio [File: AFP/Ahmad Gharabli]

No rescaldo do ataque do Hamas em 7 de Outubro, Israel embarcou numa campanha violenta e sangrenta contra o povo palestiniano. Os residentes de Gaza suportaram o peso, com mais de 14.000 pessoas mortas pelos bombardeamentos indiscriminados israelitas, incluindo mais de 5.500 crianças.

O ataque estendeu-se também à Cisjordânia, onde o exército e os colonos israelitas realizam ataques e matam civis diariamente; mais de 200 foram assassinados, milhares de detidos e dezenas de torturados. Os cidadãos palestinianos de Israel também foram sujeitos a detenções, assédio e represálias económicas, através de despedimentos de empregos.

Mas a violência contínua não pretende saciar a sede de “vingança”, como alguns sugeriram. Está a avançar sistematicamente em direcção a um objectivo de longo prazo: o completo apagamento da existência palestiniana na Palestina histórica. Este plano já estava em andamento antes mesmo de 7 de outubro; agora foi simplesmente acelerado.

Em Gaza, as autoridades israelitas foram mais do que claras. Haverá uma expulsão total da população. Como afirmou o Ministro da Agricultura, Avi Dichter, em 11 de Novembro: “Estamos praticamente repetindo a Nakba, por assim dizer, esta é a Nakba de Gaza.”

Um documento interno vazado do Ministério da Inteligência confirmou que o governo israelense pretende cumprir essas ameaças.

Os planos israelitas para uma Nakba na Cisjordânia também estão a ganhar destaque. O Ministro das Finanças, Bezalel Smotrich, disse que é necessário haver “cinturões” em torno dos colonatos ilegais israelitas onde os “árabes” serão proibidos de entrar.

No início deste ano, ele também delineou planos para garantir a continuidade territorial dos colonatos israelitas, o que equivaleria efectivamente a mais expulsões de palestinianos das suas terras e à sua anexação.

Para os palestinianos com cidadania israelita, que representam 21 por cento da população israelita, o plano pode não ser tão divulgado, mas existe. Eles também enfrentam uma Nakba e ela também vem sendo preparada há muito tempo.

Expulsão forçada adiada

Após o estabelecimento do Estado colonial israelita em 1948, que resultou na expulsão de 750.000 palestinianos das suas cidades e aldeias, o governo israelita esforçou-se para impedir o regresso dos refugiados, que as Nações Unidas tinham garantido na Resolução 194 de 1948.

É por isso que decidiu estabelecer um regime militar nos territórios palestinianos que ocupou, onde quase 150 mil palestinianos conseguiram permanecer. Este regime especial visava não só impedir que quaisquer palestinianos tentassem regressar às suas casas, mas também vigiar e perseguir a restante população, com o objectivo final de eventualmente expulsá-los.

Documentos de arquivo, descritos no livro do historiador israelense Adam Raz, The Kafr Qasim Massacre: A Political Biography, mostraram que um plano foi preparado no início dos anos 1950 para deportar os palestinos para a Jordânia, Líbano e Sinai em caso de guerra.

Em 1956, quando Israel, juntamente com a Grã-Bretanha e a França, invadiu o Egipto tentando obter o controlo do Canal de Suez, viu uma oportunidade de virar contra a restante população palestiniana. Os guardas de fronteira israelitas atacaram a aldeia de Kafr Qasim, na fronteira entre Israel e a Cisjordânia, então administrada pela Jordânia, matando 49 pessoas, incluindo 23 crianças. O ataque teve como objectivo incutir medo na população palestiniana e obrigá-la a fugir – uma táctica já utilizada em 1948.

Mas o tiro saiu pela culatra. As notícias do massacre espalharam-se, o que resultou numa pressão internacional sobre as autoridades israelitas para que recuassem na prossecução da sua estratégia de transferências forçadas. Além disso, a sua própria avaliação de inteligência mostrou que muitos dos restantes palestinianos não representavam uma grande ameaça à “segurança”.

Durante a década seguinte, o regime militar sobre os restantes palestinos persistiu; foi-lhes negado o direito à circulação, às liberdades civis e aos serviços básicos. Estes direitos só foram concedidos a eles depois de 1966. Eles também receberam a cidadania israelense, mas isso não os tornou iguais aos cidadãos judeus do estado.

Às pessoas deslocadas continuou a ser negado o direito de regressar às suas casas; suas terras permaneceram confiscadas. As comunidades palestinas nunca receberam o mesmo nível de serviços que os assentamentos e cidades judaicas; nunca receberam o mesmo cuidado do Estado em termos de educação, saúde, etc.

A sua prosperidade económica foi restringida, condenando muitos deles às dificuldades e à pobreza. Tudo isto foi acompanhado por uma estratégia de assimilação que visava apagar a identidade palestiniana e o sentido de nacionalidade e tornar os palestinianos uma minoria silenciosa e sem rosto, com uma cidadania de segunda classe.

A ‘estratégia de transferência’ revisitada

Após a década de 1950, a estratégia de transferência populacional foi colocada em segundo plano, mas nunca foi completamente abandonada. Na década de 2000, voltou, ainda que de forma atualizada.

Em Setembro de 2000, eclodiu a segunda Intifada, quando o chamado “processo de paz” não conseguiu concretizar a criação de um Estado palestiniano e Israel continuou a expandir os seus colonatos ilegais nos territórios palestinianos que ocupou em 1967. O gatilho foi um ataque provocativo de antigos israelitas. O Ministro da Defesa, Ariel Sharon, no complexo da Mesquita Al-Aqsa, o terceiro local mais sagrado do Islã.

À medida que as manifestações palestinianas eclodiam em Jerusalém Oriental ocupada e se espalhavam pela Cisjordânia e Gaza, os palestinianos em Israel saíram às ruas, abraçando plenamente a causa nacional palestiniana. Organizaram acções de protesto, que foram brutalmente reprimidas pelas forças de segurança israelitas.

Estes acontecimentos abalaram o establishment e a inteligência israelitas e forçaram-nos a reconsiderar a sua estratégia de assimilação dos palestinianos dentro de Israel. Foi assim que a estratégia de transferência foi colocada de volta na mesa e remodelada para se adequar à nova realidade.

Em vez de recorrer a massacres para assustar os palestinianos e fazê-los partir, as autoridades israelitas decidiram perturbar e destruir as comunidades palestinianas a partir do interior e, assim, desencadear um êxodo.

As oportunidades económicas para os palestinianos diminuíram drasticamente depois de 2000, levando a uma elevada taxa de desemprego. A negligência de que as comunidades palestinianas já sofriam piorou ainda mais, enquanto as autoridades israelitas permitiam e facilitavam a proliferação do crime organizado.

Paralelamente, as autoridades israelitas pressionaram para que o apartheid fosse ainda mais consolidado em Israel através de medidas legais. Talvez a mais significativa entre elas tenha sido a Lei do Estado-Nação Judaica, aprovada em 2018.

A lei declara que Israel é o Estado-nação do povo judeu, confirmando-o efectivamente como uma etnocracia e negando os direitos colectivos dos cidadãos palestinianos e a sua identidade palestiniana.

Com base nisso, as autoridades israelitas empreenderam a supressão total das aspirações nacionais não-judaicas, incluindo qualquer conversa sobre restituição de terras ou regresso a aldeias deslocadas ou qualquer expressão de identidade através de actividades culturais, políticas ou económicas. Até a bandeira palestina foi banida.

A “Revolta da Unidade” em 2021 – quando os palestinianos em Israel se juntaram aos seus irmãos e irmãs na Jerusalém Oriental ocupada, na Cisjordânia ocupada e em Gaza, no protesto e na resistência ao despejo de famílias palestinianas de Sheikh Jarrah e à invasão de Al-Aqsa – fez com que as autoridades israelitas ainda mais ansiosas.

As autoridades israelitas começaram a ser ainda mais veementes nas suas ameaças contra os palestinianos em Israel. Falaram de uma “guerra civil” e de uma “nova Nakba”, enquanto o Supremo Tribunal decidiu a favor da retirada da cidadania aos palestinianos por “quebra de lealdade”.

Uma Nakba para os Palestinos em Israel

Após a operação do Hamas em 7 de Outubro, as ameaças e a intimidação contra os palestinianos em Israel aumentaram. Ultimatos como “você deve escolher ser israelense ou terrorista com o Hamas” têm sido frequentemente repetidos na mídia israelense. Alguns comentadores sugeriram mesmo que os palestinianos “simpáticos” deveriam ser expulsos para Gaza.

A suspeita de traição e deslealdade contra a comunidade palestiniana tornou-se generalizada. Houve centenas de prisões e detenções para interrogatório no último mês e meio. A organização de direitos palestinos Adalah registrou pelo menos 70 acusações contra palestinos com cidadania israelense.

Num caso particularmente divulgado – o da atriz Maisa Abd Elhadi – a acusação foi de “incitamento ao terrorismo” para uma publicação no Instagram e o Ministério do Interior já solicitou a revogação da cidadania.

Entretanto, alguns políticos palestinianos, como Mansour Abbas, líder da Lista Árabe Unida, abraçaram esta nova realidade de suspeita e exigências de demonstrações de lealdade por parte da comunidade palestiniana.

Abbas, que já tinha rejeitado o rótulo de “apartheid” para Israel, criticou os protestos contra a guerra em Gaza e apelou à demissão do seu colega do Knesset, Iman Khatib-Yassin, devido ao seu cepticismo sobre a versão israelita dos acontecimentos de 7 de Outubro.

Todos estes acontecimentos apontam para como será a Nakba para os palestinos em Israel. As autoridades israelitas continuarão as suas políticas de deixar a comunidade palestiniana tornar-se inabitável, suprimindo qualquer actividade política ou expressão da identidade palestiniana.

Aqueles que resistirem ou expressarem dissidência serão sumariamente acusados ​​de “terrorismo” e despojados da sua nacionalidade. Aqueles que permanecerem em silêncio teriam a opção de sair “voluntariamente” ou aceitar obedientemente o estatuto de cidadãos oprimidos de segunda classe, abraçando e endossando plenamente o projecto sionista. Qualquer presença política não-sionista em Israel será totalmente apagada.

A Nakba que os palestinianos com cidadania israelita enfrentam pode não ser tão violenta e brutal como aquela que os seus irmãos e irmãs em Gaza e na Cisjordânia estão a suportar. Mas as suas consequências e o objectivo final são os mesmos: a eliminação completa da presença palestiniana na Palestina histórica.

As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não refletem necessariamente a posição editorial da Al Jazeera.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *