O que é a Resolução 377A da ONU? Ela pode ajudar nos esforços para acabar com a guerra Israel-Gaza?


0

A resolução autoriza os Estados-Membros a fazer recomendações colectivas, mas não é juridicamente vinculativa.

Os resultados da votação são exibidos enquanto a Assembleia Geral das Nações Unidas votava uma resolução não vinculativa que apelava a uma “trégua humanitária” em Gaza
A Assembleia Geral da ONU votou uma resolução não vinculativa apelando a uma “trégua humanitária” em Gaza e à cessação das hostilidades entre Israel e o grupo armado palestino Hamas em 27 de outubro. [Bebeto Matthews/AP Photo]

O veto dos EUA na sexta-feira contra uma proposta de resolução do Conselho de Segurança da ONU (CSNU) que apela a um cessar-fogo imediato em Gaza desencadeou um debate e um apelo à ação para usar uma resolução rara das Nações Unidas nos esforços para parar a guerra brutal de Israel em Gaza.

O Egipto e a Mauritânia invocaram na segunda-feira a Resolução 377A (V) para convocar uma reunião de emergência da Assembleia Geral da ONU (AGNU) na terça-feira. A resolução diz que se o CSNU não for capaz de cumprir a sua responsabilidade principal de manter a paz global devido à falta de unanimidade, a AGNU pode intervir.

Mas isso vem com acréscimos, e as recomendações da AGNU não são juridicamente vinculativas, o que significa que as suas propostas podem ser ignoradas sem quaisquer consequências. Israel ignorou várias resoluções vinculativas da ONU no passado, graças principalmente ao apoio diplomático de Washington.

Então, qual é a resolução, qual é a sua história, e poderá ela ser usada para contornar o veto dos EUA para parar a guerra devastadora que matou mais de 18 mil palestinianos desde 7 de Outubro?

Qual é a resolução?

A Secção A da Resolução 377A (V), também conhecida como “Unir para a Paz”, visa resolver uma situação em que a ONU “não exerce a sua responsabilidade primária pela manutenção da paz e segurança internacionais” porque os membros do Conselho de Segurança podem não concordo.

Dá poderes à Assembleia Geral, em primeiro lugar, para convocar uma reunião através do secretário-geral. A assembleia pretende fazer recomendações aos membros sobre medidas colectivas, incluindo “o uso da força armada quando necessário”.

Pelo menos um membro do Conselho de Segurança da ONU ou um grupo de membros da Assembleia Geral terá de ser a favor da convocação da resolução para que esta entre em vigor.

O que trouxe essa ideia?

A ideia de prever poderes adicionais para o secretário-geral para potencialmente quebrar um impasse foi adoptada como resultado da Guerra da Coreia em 1950, que viu a Coreia do Norte invadir o seu vizinho do sul após anos de hostilidades entre os dois países.

Na altura, a antiga União Soviética bloqueava qualquer determinação do Conselho de Segurança para parar a guerra, o que levou a que a resolução 377 (V) fosse aprovada em 3 de Novembro de 1950.

Isto ocorreu depois de os EUA terem conseguido garantir o apoio à ideia de que a Assembleia Geral precisava de ser capacitada para melhorar as suas capacidades na protecção da segurança global.

Onde foi usado antes?

A resolução não é amplamente utilizada, mas sabe-se que foi utilizada várias vezes ao longo de décadas para ajudar a resolver uma variedade de conflitos, incluindo a crise do Congo em 1960, o conflito entre a Índia e o Paquistão em 1971 e a ocupação soviética do Afeganistão em 1980. .

Um elemento crucial da resolução é que ela afirma que a Assembleia Geral pode, se considerar apropriado, recomendar o uso da força.

Nesse sentido, a resolução foi implementada apenas uma vez – na crise coreana.

A Resolução 377A foi usada para convocar uma sessão de emergência da Assembleia Geral em 1951 devido à falta de consenso entre os membros do Conselho de Segurança. Isso levou à aprovação da Resolução 498 (V) da ONU, que dizia que a China havia se envolvido militarmente na Guerra da Coréia.

Foi a primeira vez que a ONU tratou uma nação como agressora em meio a uma guerra. A resolução não se referia explicitamente à resolução Unindo pela Paz, mas copiou exactamente o seu texto ao dizer que o CSNU não tinha conseguido cumprir eficazmente a sua responsabilidade global devido à discórdia entre os membros.

“Apela a todos os Estados e autoridades para que continuem a prestar toda a assistência à acção das Nações Unidas na Coreia”, o que significa assistência militar. No entanto, não levou ao uso da força pela ONU, que apelou à cessação das hostilidades.

Esta função Unindo pela Paz é diferente da função de manutenção da paz da organização, ou da Força de Emergência das Nações Unidas (UNEF), a primeira das quais foi criada em 1956 para monitorizar a linha da frente entre Israel e o Egipto. A UNEF não tinha função de combate e destinava-se a neutralizar os conflitos apenas através da presença da sua força.

As forças de manutenção da paz da ONU estão agora activas numa dúzia de países, incluindo o Líbano, onde monitorizam a cessação das hostilidades com Israel e garantem assistência humanitária aos civis após vários conflitos.

Poderá ser usado para parar a guerra em Gaza?

O Secretário-Geral da ONU, António Guterres, poderia potencialmente ser autorizado a convocar uma sessão de emergência da Assembleia Geral dentro de 24 horas se houver uma chamada de pelo menos um membro do Conselho de Segurança ou de um grupo de membros da Assembleia Geral.

Os Estados-Membros poderiam então fazer recomendações para uma acção colectiva, o que poderia significar o recurso a opções mais extremas, se acordadas, incluindo a acção militar.

Mas todas as resoluções e decisões da Assembleia Geral são apenas isso – recomendações. Isto significa que, ao contrário de algumas decisões do Conselho de Segurança, estas resoluções não são juridicamente vinculativas.

Independentemente disso, tem havido uma discussão crescente e apelos online para que a ONU utilize este poder.

Só ganharam ritmo depois de Guterres ter decidido, na quarta-feira, invocar o Artigo 99 da Carta da ONU para alertar formalmente o Conselho de Segurança de que a guerra de Israel em Gaza é agora uma ameaça global.

Falando no Fórum de Doha no domingo, o chefe da ONU disse que não desistirá de apelar a um cessar-fogo humanitário em Gaza, apesar do veto de sexta-feira.

“Instei o Conselho de Segurança a pressionar para evitar uma catástrofe humanitária e reiterei o meu apelo para que fosse declarado um cessar-fogo humanitário. Lamentavelmente, o Conselho de Segurança não conseguiu fazê-lo, mas isso não o torna menos necessário”, disse ele.

Por que os EUA continuam vetando cessar-fogo?

Washington vetou sistematicamente quaisquer resoluções do Conselho de Segurança que exigissem um cessar-fogo imediato e o fornecimento de quantidades mais significativas de ajuda humanitária aos palestinianos sitiados.

A última ocorreu na sexta-feira, quando os 13 restantes dos 15 atuais membros do Conselho de Segurança votaram a favor de uma resolução co-patrocinada por outros 100 países. O Reino Unido absteve-se.

Isso levou a mais um impasse nos esforços para impedir os ataques terrestres e aéreos de Israel, que mataram quase 18 mil palestinos desde o ataque do Hamas em 7 de outubro, que matou mais de 1.100 pessoas em Israel. O Hamas também fez mais de 200 prisioneiros, dezenas dos quais foram libertados como parte do acordo de trégua que também libertou centenas de palestinos das prisões israelenses.

No meio das críticas crescentes e das manifestações persistentes em todo o mundo, Washington tem afirmado que é contra um cessar-fogo imediato porque permitiria ao Hamas recuperar e continuar a representar uma ameaça à segurança de Israel.

O Hamas e outros grupos de resistência palestinianos travaram uma rebelião armada contra décadas de ocupação e bloqueio israelita. Israel também foi acusado de implementar medidas como a construção de colonatos em terras palestinianas que dificultam a realização de um futuro Estado palestiniano.

Os EUA acreditam que as suas próprias intervenções políticas seriam mais eficazes na tentativa de garantir que Israel evita mortes de civis, ao mesmo tempo que faz o seu melhor para garantir a libertação dos prisioneiros detidos em Gaza e avança no sentido de um objectivo apoiado pelo Ocidente de “destruir” o Hamas.

Mas Israel não parece ter prestado atenção aos conselhos dos EUA sobre a protecção dos civis palestinianos, com mais de 80 por cento das vítimas sendo civis.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *