O líder carismático se foi, mas Wagner sobreviverá na África, dizem analistas


0

Yevgeny Prigozhin foi o rosto das operações militares do grupo enquanto cruzava entre a Ucrânia e África, mas a sua morte irá abrandar a máquina Wagner em África.

Yevgeny Prigozhin, chefe do grupo mercenário russo Wagner, acabou de deixar o Mali, onde filmou um vídeo prometendo tornar “África ainda mais livre” antes de morrer num acidente de avião no seu país natal.

A sua morte suscitou preocupações em alguns governos clientes em África que dependem dos seus serviços únicos.

O patrocínio da força militar privada de Prigozhin tem aumentado nos últimos anos desde que alguns governos africanos começaram a recorrer à Rússia como um parceiro internacional alternativo na sua luta contra a crescente insegurança de vários grupos armados.

O Presidente Faustin-Archange Touadéra da República Centro-Africana (RCA) foi o primeiro a recorrer à temida milícia em 2018, mas as areias movediças dos governos democráticos que viram um aumento nas aquisições militares na região do Sahel abriram amplamente a porta para Wagner .

Em todo o Sahel e na África Central, os grupos armados continuaram a expandir-se rapidamente, coincidindo a sua ascensão com protestos contra a antiga potência colonial França, que ainda exerce enorme influência em toda a região.

Prigozhin era o rosto das operações do grupo enquanto cruzava entre a Ucrânia e a África, empurrando o seu stock-in-trade. A sua morte, dizem os analistas, irá obstruir a máquina Wagner em África.

“O próprio Progozhin era uma figura incrivelmente carismática e grandiosa, que tinha as habilidades gerenciais e de negócios para, de alguma forma, reunir todas essas entidades e pessoas díspares”, disse John Lechner, analista de segurança e autor de um livro a ser publicado sobre o Wagner. Grupo.

wagner

A expansão continuará?

Quando Prigozhin encenou um motim abortado na Rússia em Junho, exactamente dois meses antes da sua morte, nuvens começaram a pairar sobre o império militar-comercial que Prigozhin construiu no continente.

Sergey Lavrov, ministro das Relações Exteriores da Rússia, disse na época que as operações do grupo continuariam. Mas o acidente fatal que ceifou a sua vida e a do seu tenente de confiança, Dmitry Utkins, levantou questões sobre o que acontecerá a seguir.

“Isso não muda muito em lugares como Mali e RCA porque já existiam relações e contratos. E os russos disseram que honrariam esses contratos. A verdadeira questão é o que acontece nos países que Wagner estava a tentar expandir a sua presença, lugares como Burkina Faso e Níger. Essa expansão continuará sob o governo russo?” Cameron Hudson, associado sênior do programa África do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, disse.

O breve motim na Rússia em Junho foi o clímax de um cisma crescente entre Prigozhin e o Ministério da Defesa sobre a condução da guerra na Ucrânia. Mas os governos africanos também foram apanhados num delicado acto de equilíbrio entre o obscuro grupo mercenário e o governo russo.

Os golpistas malianos continuam a referir-se ao grupo armado como “instrutores russos”, embora as autoridades da RCA sejam mais acessíveis.

“As autoridades da RCA sempre se sentiram desconfortáveis”, disse à Al Jazeera Charles Bouessel, analista sénior da RCA do International Crisis Group.

“Eles não sabiam quem elogiar pela assistência de Wagner. Às vezes, eles agradecem às autoridades russas e, às vezes, agradecem a Prigozhin. Mas o que eles querem é que a assistência russa continue, e seriam cautelosos ao expressar a sua opinião [on Prigozhin’s death] intimamente.”

‘Grau de negação’

As autoridades expressaram que o seu compromisso era com a Rússia e não com o próprio grupo mercenário. Fidele Gouandjika, conselheiro do presidente da RCA, disse aos meios de comunicação que a morte de Prigozhin não mudaria a relação com Moscovo.

Especialistas afirmam que, embora a ofensiva de charme de Prigozhin esteja notavelmente ausente, o Kremlin garantirá a manutenção da sua influência no continente.

“Há muitas instituições russas que beneficiam da presença da Rússia em África e vão querer ver essas relações continuarem”, disse Lechner.

No entanto, a disputa entre Wagner e a GRU, a agência de inteligência militar da Rússia, poderá recalibrar a relação diplomática entre os governos africanos e a Rússia.

“Penso que vão repensar a sua abordagem… Os países que estavam a considerar uma relação com Wagner vão todos pensar se querem o mesmo tipo de relação com Moscovo. Porque com o Grupo Wagner havia algum grau de negação”, disse Hudson.

‘Ambiente claustrofóbico’

O Níger é o último país a olhar para Wagner. Desde que a guarda presidencial tomou o poder, desentendeu-se publicamente com o Ocidente. O bloco regional CEDEAO ameaçou invadir o país para restaurar o presidente Mohamed Bazoum, que foi destituído num golpe de Estado em 26 de julho.

Com a morte de Prigozhin, o apelo de Wagner a novos países que procuram a assistência militar de Wagner poderá diminuir, mas analistas afirmam que a milícia ainda pode fazer incursões em novos territórios.

“Acho que não deveríamos ficar surpresos se Wagner ainda aparecer no Níger, mesmo depois da morte de Prigozhin”, disse Lechner à Al Jazeera. “Ainda estamos num ambiente claustrofóbico, onde os governos africanos que procuram estabelecer parcerias com países estrangeiros em matéria de segurança têm relativamente poucas escolhas.”

Desde 2020, ocorreram nove golpes de Estado em África, de acordo com uma contagem da SBM, uma empresa de consultoria geopolítica na Nigéria. Neste período, cinco dos 15 países membros da CEDEAO estão agora sob regime militar.

Esta onda de golpes de estado, dizem os especialistas, é uma receita para grupos mercenários, uma vez que os governos militares estão a pressionar para consolidar o seu controlo no poder no meio da pressão do Ocidente, e o declínio dos governos democráticos continuará a convidar a tais intervenções militares privadas.

“Os governos ilegítimos em África precisam de assistência em matéria de segurança para manterem o poder e o regime. Esse é o ponto de tudo isto: não é a oferta de mercenários armados, é a procura de mercenários armados”, disse Hudson.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *