Irã lança ataques com mísseis no Iraque e na Síria citando ameaças à segurança


0

O IRGC afirma ter disparado mísseis balísticos contra “centros de espionagem” israelenses em Erbil, no norte do Iraque, atingindo alvos do ISIL na Síria.

Irã ataca Erbil
Equipes de emergência realizam operações de busca e resgate após mísseis atingirem Erbil, Iraque, 16 de janeiro de 2024 [Karzan Mohammad Othman/Anadolu Agency]

O Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irão (IRGC) lançou mísseis balísticos contra o que alegou ser “quartel-general de espionagem” israelita na região curda do Iraque e atingiu alvos alegadamente ligados ao ISIL (ISIS) no norte da Síria, dizendo que estava a defender a sua segurança e a combater o terrorismo.

Pelo menos oito explosões foram ouvidas em Erbil, capital da região curda semiautônoma do Iraque, na manhã de terça-feira. Quatro pessoas morreram e seis ficaram feridas, disse o conselho de segurança regional.

“Mísseis balísticos foram usados ​​para destruir centros de espionagem e reuniões de grupos terroristas anti-iranianos na região”, disse o IRGC, acrescentando que disparou 11 mísseis, informou a mídia estatal.

O governo iraquiano condenou o que chamou de “agressão” do Irão a Erbil, que levou a vítimas civis em áreas residenciais, chamando-a de uma violação da soberania do país e da segurança do seu povo, de acordo com um comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

O governo disse que consideraria várias ações, incluindo a apresentação de uma queixa ao Conselho de Segurança das Nações Unidas.

O IRGC alegou ter atingido a sede da agência de espionagem israelense Mossad em Erbil, informou a agência de notícias iraniana IRNA.

“Garantimos à nossa nação que as operações ofensivas da Guarda continuarão até vingar as últimas gotas de sangue dos mártires”, afirmou.

Masrour Barzani, primeiro-ministro da região curda, condenou o ataque a Erbil como um “crime contra o povo curdo”.

O governo regional curdo disse ter abatido três drones carregados de bombas às 5h05 (02h05 GMT) que tinham como alvo uma base da coalizão liderada pelos Estados Unidos em Erbil, perto do aeroporto internacional da cidade, de onde o tráfego aéreo foi brevemente desviado.

O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Irão, Nasser Kanaani, disse que Teerão respeita a soberania e a integridade territorial de outros países, mas está a usar o seu “direito legítimo e legal para dissuadir ameaças à segurança nacional”.

O Iraque chamou de volta o seu embaixador em Teerã para consultas e convocou o encarregado de negócios do Irã em Bagdá por causa dos ataques, que foram condenados pelos EUA.

O empresário curdo multimilionário Peshraw Dizayee e vários membros de sua família estavam entre as vítimas civis, mortas quando pelo menos um foguete atingiu sua casa.

Dizayee, que era próximo do clã governante Barzani, era dono de empresas responsáveis ​​por grandes projetos imobiliários e de segurança na região curda.

Movimento ‘imprudente’

O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Matthew Miller, descreveu os ataques com mísseis como “imprudentes”, acrescentando que “minam a estabilidade do Iraque”.

“Apoiamos o Governo do Iraque e os esforços do Governo Regional do Curdistão para satisfazer as aspirações do povo iraquiano”, publicou ele no X, anteriormente conhecido como Twitter.

Duas autoridades norte-americanas disseram à agência de notícias Reuters que os ataques não afetaram nenhuma das suas instalações e que não houve vítimas norte-americanas. Um oficial de defesa dos EUA disse à agência de notícias Associated Press que os EUA rastrearam os mísseis, tanto no norte do Iraque como no norte da Síria, e os chamaram de “imprecisos”.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, David Cameron, condenou os ataques como “acções não provocadas e injustificadas” e “são uma violação inaceitável da soberania e integridade territorial do Iraque”.

Na semana passada, os EUA e a Grã-Bretanha lançaram ataques militares no Iémen em resposta aos ataques dos rebeldes Houthi, alinhados com o Irão, à navegação no Mar Vermelho, que Teerão classificou como uma “violação da soberania e integridade territorial do Iémen e uma violação das leis internacionais”. .

Os ataques ocorrem no meio de receios crescentes de que a contínua ofensiva militar de Israel na Faixa de Gaza possa levar a uma escalada regional mais ampla.

Desde o início da guerra em Gaza, em Outubro, os EUA e as forças aliadas enfrentaram dezenas de ataques no Iraque e na Síria, que a administração do presidente dos EUA, Joe Biden, atribuiu a grupos armados afiliados ao Irão.

Sina Azodi, professora adjunta da Universidade George Washington, disse que embora os ataques sejam significativos, não sinalizam uma nova escalada regional.

“Enquanto o conflito em Gaza continuar, veremos ações”, disse Azodi à Al Jazeera.

“A minha principal preocupação é que num destes ataques possa haver vítimas, baixas dos EUA, o que forçaria os Estados Unidos a responder e então poderia aumentar sem que ninguém realmente quisesse a guerra”, acrescentou.

O IRGC também disse que lançou ataques com mísseis contra os “autores de operações terroristas na República Islâmica, particularmente o ISIL”, na Síria, informou a mídia estatal. Alegou ter lançado quatro mísseis Kheibar contra posições do ISIL em Idlib.

“A Guarda identificou e destruiu locais de reunião dos seus comandantes e elementos-chave com uma série de mísseis balísticos em resposta às recentes atrocidades terroristas no Irão”, afirmou o comunicado.

Mounir al-Mustafa, vice-diretor da Defesa Civil da Síria, também conhecidos como Capacetes Brancos, no noroeste da Síria, disse à AP que um dos ataques em Idlib atingiu uma clínica médica que já não funcionava.

Anteriormente, o EIIL assumiu a responsabilidade pelos dois atentados de 3 de janeiro na cidade de Kerman, no sudeste do Irã, que mataram quase 100 pessoas.

Ataque de Erbil
Uma casa danificada em Erbil após um ataque de mísseis do Irã, 16 de janeiro de 2024 [Safin Hamid/AFP]

‘Primeira vez’

Ali Hashem, da Al Jazeera, relatou que “o Irão tem tentado, tanto quanto possível, distanciar-se de qualquer tipo de tensão” na região no meio da guerra de Israel em Gaza, que já matou mais de 24 mil palestinianos. Cerca de 1.140 pessoas também foram mortas em Israel nos ataques anteriores do Hamas.

“Esta é a primeira vez que vemos os iranianos darem um passo adiante”, disse Hashem, descrevendo os ataques como uma “nova escalada”.

Mohammad Marandi, analista político e professor universitário baseado em Teerão, disse que todos parecem estar preocupados com “uma escalada” no Médio Oriente, excepto Israel e o seu aliado, os EUA, que se recusaram a apoiar um cessar-fogo em Gaza.

“Penso que os ataques que os iranianos levaram a cabo visam tanto os escritórios da Mossad como as organizações terroristas, mas também para enviar uma mensagem aos israelitas e aos americanos de que esta escalada irá prejudicá-los mais do que a qualquer outra pessoa”, disse ele à Al Jazeera.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *