Irã identifica suspeito de fabricar bombas por trás de duas explosões e prende 35 pessoas


0

O Ministério da Inteligência afirma que um suposto homem-bomba foi identificado como cidadão do Tajiquistão, que entrou ilegalmente no Irã no mês passado.

Uma mulher lamenta o caixão coberto com uma bandeira de seu filho, que foi morto em duas explosões de bomba em Kerman, no Irã, em 3 de janeiro. [Vahid Salemi/AP Photo]

As autoridades iranianas afirmam ter identificado o suposto líder que fabricou as bombas usadas nos dois atentados de 3 de janeiro na cidade de Kerman, no sudeste, que mataram mais de 90 pessoas, informou a mídia estatal.

Na quinta-feira, o Ministério da Inteligência disse que o principal suspeito que planejou os atentados era um cidadão tadjique conhecido pelo pseudônimo Abdollah Tajiki, informou a agência de notícias IRNA.

Ele entrou no Irã em meados de dezembro, cruzando a fronteira sudeste, e saiu dois dias antes do ataque, após fabricar as bombas, segundo comunicado do ministério.

O grupo armado ISIL (ISIS) assumiu a responsabilidade em 4 de janeiro pelo ataque em Kerman, cerca de 820 km (510 milhas) a sudeste da capital, Teerão, num memorial ao comandante Qassem Soleimani.

Soleimani, chefe da Força Quds de elite do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC), foi morto num ataque de drone no Iraque em 2020, ordenado pelo então presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Na quinta-feira, as autoridades disseram que o número de mortos no ataque subiu para 94, entre eles 14 cidadãos afegãos. Mais de 280 pessoas ficaram feridas.

Até agora, 35 pessoas foram presas em várias províncias com supostas ligações aos atentados, disse a IRNA.

De acordo com o ministério, um homem-bomba detonou primeiro seus explosivos na cerimônia em Kerman, depois outro atacou 20 minutos depois, enquanto equipes de emergência e outras pessoas tentavam ajudar os feridos desde a primeira explosão.

Explosão no Irã
Pessoas se reúnem no local das explosões em Kerman [File: West Asia News Agency/Reuters]

Na semana passada, durante os funerais em Kerman, o presidente iraniano, Ebrahim Raisi, prometeu retaliar o ataque, dizendo aos inimigos de Teerão que “as nossas forças decidirão o local e a hora de agir”.

As Nações Unidas, a União Europeia e vários países, incluindo China, Arábia Saudita, Jordânia e Iraque, denunciaram os atentados.

Teerão alega frequentemente que tanto Israel como os EUA apoiam grupos armados anti-Irão envolvidos em ataques anteriores.

Em 2022, o ISIL assumiu a responsabilidade por um ataque a um santuário xiita iraniano que matou 15 pessoas.

Os ataques anteriores atribuídos ao EIIL incluem os dois atentados bombistas de 2017 contra o parlamento do Irão e o mausoléu do aiatolá Ruhollah Khomeini, o fundador da república.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *