Existe algo como um ‘cérebro com enxaqueca’?


0

Alguns pequenos estudos sugeriram que pessoas com enxaqueca podem ter algumas diferenças cerebrais detectáveis ​​em comparação com pessoas que não têm esta condição neurológica.

Uma mulher com enxaqueca debaixo d'água.
Ibai Acevedo/Stocksy United

A enxaqueca é frequentemente usada como uma forma abreviada de dor de cabeça intensa, mas o termo “enxaqueca” na verdade se refere a uma condição neurológica que afeta cerca de 39 milhões de pessoas nos Estados Unidos.

Pesquisas e estudos de imagem sugeriram que certas estruturas e funções do “cérebro da enxaqueca” podem diferir ligeiramente daquelas do cérebro “típico”. Pesquisas mais definitivas podem eventualmente fornecer informações sobre a natureza das enxaquecas, bem como sobre outros sintomas comuns da enxaqueca, como aura da enxaqueca e sensibilidade à luz.

Embora seja muito cedo para tirar conclusões das pesquisas existentes, é possível que a enxaqueca possa estar associada a lesões leves no tecido cerebral. Esta possibilidade apenas sublinha a importância do desenvolvimento de novas opções de tratamento e prevenção da enxaqueca.

Diferenças cerebrais em pessoas com enxaqueca

Estudos que utilizam técnicas avançadas de neuroimagem, como a ressonância magnética funcional (fMRI), estão ajudando os pesquisadores a entender mais sobre como a enxaqueca se desenvolve e como a condição afeta a estrutura e função do cérebro ao longo do tempo.

Alguns pequenos estudos notaram diferenças variadas nos cérebros de pessoas com enxaquecas episódicas e crônicas.

A enxaqueca crônica é definida como dor de cabeça pelo menos 15 dias por mês, enquanto a enxaqueca episódica envolve enxaqueca 14 ou menos dias por mês.

Mas pesquisar sugere que esta linha divisória pode não abordar adequadamente a natureza complexa da enxaqueca, que pode existir num espectro entre episódios episódicos e crónicos.

Vários estudos de pesquisa que utilizaram técnicas avançadas de neuroimagem detectaram diferenças entre os cérebros de pessoas com enxaqueca em comparação com pessoas sem enxaqueca. Mas os estudos eram todos muito pequenos e os resultados variavam.

Ponte

A ponte faz parte do tronco cerebral, a região que conecta a base do cérebro à medula espinhal. A ponte é responsável por várias funções cerebrais inconscientes, incluindo sono e respiração.

Num estudo de 2019 envolvendo 64 pessoas, os investigadores descobriram que os participantes com enxaqueca tendiam a ter uma conectividade funcional mais fraca entre a ponte posterior e o lobo parietal superior esquerdo, o giro temporal esquerdo e o giro frontal médio esquerdo. A razão para esta diferença não era clara, mas os investigadores sugeriram que um défice no processamento da dor poderia desempenhar um papel na enxaqueca.

Espaços perivasculares

Os espaços perivasculares são passagens cheias de líquido no cérebro que desempenham um papel na regulação e drenagem de fluidos. Há muitas questões sem resposta sobre a relevância desses espaços em condições neurológicas, inflamatórias e vasculares. Mas os pesquisadores acreditam que a função normal dos espaços perivasculares é importante para a saúde do cérebro.

Um pequeno estudo de 2022 sobre enxaqueca observou alguns casos em que as imagens de ressonância magnética revelaram um ligeiro aumento dos espaços perivasculares em uma região do cérebro chamada centro semioval. Muitas outras condições e fatores, como a idade, desempenham um papel na forma, tamanho e número de espaços perivasculares, portanto não há evidências suficientes para sugerir uma conexão com a enxaqueca. Mas as conexões poderão ser exploradas em estudos de maior escala em algum momento no futuro.

Hipotálamo

O hipotálamo é uma parte do cérebro que gerencia os hormônios e outros sistemas do corpo, incluindo sono, fome, desejo sexual, pressão arterial e temperatura.

Um estudo de 2020 sugeriu que a rede hipotálamo-tronco cerebral também pode desempenhar um papel importante no cérebro da enxaqueca. O estudo encontrou maior ativação do hipotálamo durante a fase de dor de cabeça da enxaqueca episódica, sugerindo que as dores de cabeça da enxaqueca podem ter origem no hipotálamo.

Outras partes do hipotálamo parecem desempenhar um papel na cronificação da enxaqueca, que é a transição da enxaqueca episódica para a enxaqueca crónica.

Rede de dor

A rede de dor do cérebro, também conhecida como matriz da dor, inclui várias regiões cerebrais, incluindo o tálamo, o córtex cingulado anterior, os gânglios da base e o córtex pré-frontal.

A Estudo de 2021 sugeriram que pessoas com enxaqueca podem ter menos conectividade e maior segregação entre as regiões da rede de dor em comparação com pessoas que não têm enxaqueca.

Espessura cortical

O córtex cerebral é a camada externa do cérebro, a maior região do cérebro. A região do córtex somatossensorial do cérebro, localizada no lobo parietal, é responsável pelo processamento da dor e de muitas outras sensações.

Alguns pequenos estudos encontraram aumento de espessura em pessoas que têm enxaqueca em comparação com aquelas que não têm. Este desenvolvimento também pode explicar por que as pessoas com enxaqueca também apresentam outros sintomas, como dor na mandíbula ou no pescoço.

Imagens de ressonância magnética do cérebro com enxaqueca vs. cérebro médio

Alterações cerebrais estruturais vs. funcionais com enxaqueca

Algumas evidências emergentes sugerem que a enxaqueca pode estar associada a alterações estruturais ou funcionais do cérebro.

As mudanças estruturais podem incluir aquelas relacionadas à anatomia do cérebro e à conectividade entre as células cerebrais em muitas regiões do cérebro. As alterações funcionais são aquelas associadas às habilidades de pensamento, processamento de informações, memória e controle motor.

A Estudo de 2021 sugeriram que duas principais alterações estruturais associadas à enxaqueca são anormalidades na substância branca (como redução do fluxo sanguíneo para as fibras nervosas que constituem a substância branca) e alterações no volume da substância branca e cinzenta.

Embora o uso de fMRI para revelar alterações cerebrais estruturais e funcionais durante episódios de enxaqueca tenha ajudado pesquisadores aprender muito mais sobre o processo da doença, existem alguns desafios no uso desta ferramenta avançada de neuroimagem.

Por exemplo, certas alterações nas áreas de dor e processamento visual podem ocorrer durante uma enxaqueca, mas não quando alguém com enxaqueca é assintomático.

Existem também algumas limitações na capacidade da ressonância magnética funcional de detectar alterações detalhadas nos neurônios envolvidos em certas funções mentais.

Os episódios de enxaqueca causam danos cerebrais?

Uma pesquisa recente, incluindo um estudo de 2021 no American Journal of Pathology, sugeriu que as enxaquecas são fatores de risco significativos para lesões cerebrais na substância branca. A substância branca refere-se à vasta rede de fibras nervosas que conectam os neurônios em várias regiões do cérebro. Essas lesões, ou lesões teciduais, podem levar a problemas físicos ou cognitivos.

As redes funcionais do cérebro – aquelas partes do cérebro que trabalham em conjunto na regulação ou execução de funções que vão desde o processamento sensorial até à formação da memória – podem fornecer pistas sobre a probabilidade de a enxaqueca episódica progredir para enxaqueca crónica ou vice-versa.

A Estudo de 2020 sugeriram que o uso de neuroimagem para criar modelos de conectividade funcional de todo o cérebro pode ser útil na previsão da frequência das enxaquecas.

O que acontece no cérebro durante a aura da enxaqueca?

Uma enxaqueca com aura significa que, além da dor intensa, a pessoa pode ver flashes de luz, sentir uma sensação de formigamento nos membros ou apresentar outros sintomas.

Não é totalmente compreendido como ou por que a aura às vezes acompanha uma enxaqueca, mas um teoria sugere que a disfunção entre os neurônios do córtex cerebral pode causar uma série de respostas sensoriais anormais.

Remover

O cérebro de alguém que tem enxaqueca pode diferir em alguns aspectos importantes do cérebro de um indivíduo sem a condição neurológica, mas são necessárias mais pesquisas.

Estas diferenças podem incluir reduções na substância branca ou em regiões mais espessas do córtex, bem como diferenças funcionais que fazem com que as pessoas com enxaqueca tenham problemas de memória e concentração que podem não afetar as pessoas sem enxaqueca.

Ainda há muito que os investigadores estão a aprender sobre a enxaqueca, mas a esperança é que quanto mais se aprender sobre como a doença se desenvolve e progride, maior será a probabilidade de surgirem melhores tratamentos.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *