EUA anunciam força de 10 nações para combater ataques Houthi no Mar Vermelho


0

O secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, diz que a coalizão incluirá Bahrein, Canadá, França, Itália, Reino Unido e outros países.

Austin
O secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, pediu ação coletiva para combater ataques a navios no Mar Vermelho [Maya Alleruzzo/AP Photo]

Os Estados Unidos anunciaram o lançamento de uma força multinacional para proteger o comércio no Mar Vermelho depois que os ataques dos rebeldes Houthi do Iêmen forçaram pelo menos uma dúzia de companhias marítimas a suspender as operações.

O secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, disse na segunda-feira que Bahrein, Canadá, França, Itália, Seychelles e Reino Unido estariam entre os países que adeririam à “iniciativa de segurança multinacional” de 10 nações.

“Os países que procuram defender o princípio fundamental da liberdade de navegação devem unir-se para enfrentar o desafio colocado por este actor não estatal”, disse Austin num comunicado, descrevendo os ataques como uma questão que “exige acção colectiva”.

O anúncio foi feito depois que as marinhas dos EUA e do Reino Unido afirmaram no fim de semana que seus destróieres derrubaram um total de 15 drones na hidrovia.

INTERACTIVE_Israel-Palestina_Força de Patrulha do Mar Vermelho _19DEZ2023

Os Houthis, alinhados com o Irão, intensificaram os ataques com drones e mísseis contra navios nas principais rotas marítimas desde o início da guerra em Gaza, visando navios que alegadamente têm ligações a Israel ou a israelitas.

O grupo rebelde disse na segunda-feira que atacou o Swan Atlantic, de propriedade norueguesa, e o MSC Clara, usando drones navais para mostrar solidariedade aos palestinos em Gaza.

A proprietária do Swan Atlantic, a norueguesa Inventor Chemical Tankers, disse em comunicado que o navio não tinha ligação com Israel e era administrado por uma empresa de Cingapura.

Não houve feridos relatados em nenhum dos navios.

Mohammed al-Bukhaiti, um alto funcionário e porta-voz Houthi, disse à Al Jazeera na segunda-feira que o grupo enfrentaria qualquer coalizão liderada pelos EUA no Mar Vermelho.

Mais países a serem incluídos

A coligação também poderá incluir o Egipto e a Jordânia como nações árabes adicionais ao Bahrein, uma vez que têm interesse em garantir a passagem segura dos navios, disse Sara Khairat da Al Jazeera, reportando a partir de Jerusalém Oriental ocupada.

“Ainda não está claro se eles se juntarão ao grupo mais tarde. Egipto e Jordânia, bem como alguns países do CCG [Gulf Cooperation Council] países, incluindo a Arábia Saudita, fazem parte das Forças Marítimas Combinadas, das quais a coligação estará sob a égide”, informou Khairat.

“Lendo nas entrelinhas, é uma situação muito difícil para alguns destes países do Médio Oriente. Temos a Arábia Saudita, que parece estar muito perto de assinar um acordo com os rebeldes Houthi no Iémen”, acrescentou.

“Temos o Egipto, que não quer ser visto como alguém que vai contra a mensagem dos Houthis sobre Gaza – que é que Israel pare a guerra no enclave.”

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, manteve uma ligação com o ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, príncipe Faisal bin Farhan Al Saud, na segunda-feira, sobre o assunto, discutindo as maneiras de evitar mais conflitos.

Blinken “condenou os contínuos ataques dos Houthis a navios comerciais que operam em águas internacionais no sul do Mar Vermelho e apelou à cooperação entre todos os parceiros para defender a segurança marítima”, disse o Departamento de Estado dos EUA num comunicado após a chamada.

Austin, que estava visitando Israel, deverá manter conversações no Bahrein e no Catar na terça-feira.

Empresas evitam Mar Vermelho

Pelo menos 12 companhias marítimas, incluindo a gigante ítalo-suíça Mediterranean Shipping Company, a francesa CMA CGM e a dinamarquesa AP Moller-Maersk, suspenderam o trânsito através do Mar Vermelho devido a questões de segurança.

A gigante petrolífera britânica BP tornou-se na segunda-feira a última empresa a anunciar que evitaria as águas.

“À luz da deterioração da situação de segurança do transporte marítimo no Mar Vermelho, a BP decidiu interromper temporariamente todos os trânsitos através do Mar Vermelho”, afirmou a empresa num comunicado.

“Manteremos esta pausa de precaução sob revisão contínua, sujeita às circunstâncias à medida que evoluem na região.”

Os ataques Houthi redireccionaram efectivamente uma parte significativa do comércio global, forçando as empresas de transporte de mercadorias a navegar por África, impondo custos mais elevados e atrasos nas entregas de energia, alimentos e bens de consumo.

Cerca de 12% do comércio global passa pelo Mar Vermelho, que se liga ao Mar Mediterrâneo através do Canal de Suez, incluindo 30% do tráfego de contentores.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *