Como o direito internacional é usado para encobrir o colonialismo dos colonos israelitas


0

O “direito à autodefesa” de Israel é evocado erradamente no contexto da sua ocupação dos territórios palestinianos.

Captura de tela de um vídeo que mostra soldados israelenses hasteando a bandeira israelense em uma praia em Gaza em novembro de 2023 [Al Jazeera/Screenshot]
Captura de tela de um vídeo que mostra soldados israelenses hasteando a bandeira israelense em uma praia em Gaza em novembro de 2023 [Al Jazeera/Screenshot]

No dia 7 de outubro, Israel anunciou que estava “em guerra”. Após um ataque às cidades e colonatos do sul de Israel, o governo israelita declarou que estava a lançar uma “operação em grande escala para defender os civis israelitas”. Dois dias depois, o ministro da Defesa, Yoav Gallant, anunciou um bloqueio total a Gaza, cortando o fornecimento de electricidade, combustível, água e alimentos; “Estamos lutando contra animais humanos”, disse ele.

Desde então, mais de 17.700 palestinianos foram mortos pelos bombardeamentos israelitas na Faixa de Gaza, mais de um terço dos quais eram crianças. Mais de 1,7 milhões de pessoas foram deslocadas dentro do enclave, e os civis não têm zona segura para onde fugir.

No meio desta morte e destruição, a narrativa dominante nos meios de comunicação social e nos círculos políticos ocidentais tem sido a de que isto é “uma guerra”, que Israel tem o “direito de se defender” contra o “terrorismo” e que a situação palestiniana é uma questão “humanitária”. Este enquadramento do que está a acontecer – apoiado numa linguagem emprestada do direito internacional – distorce completamente a realidade no terreno.

Tudo o que está a acontecer agora em Israel-Palestina ocorre no contexto da colonização, da ocupação e do apartheid, que, de acordo com o direito internacional, são ilegais. Israel é uma potência colonizadora e os palestinos são a população indígena colonizada. Qualquer referência ao direito internacional que não recorde estas circunstâncias é uma distorção da história.

Israel: um colonizador

O estatuto de Israel como estado colonizador era claro nos primeiros dias das Nações Unidas. É notável que grande parte da peculiaridade do caso da Palestina e, por sua vez, da sua susceptibilidade à deturpação e à manipulação, reside no facto de ter sido colonizada no momento em que a colonização em massa do Sul Global estava teoricamente a terminar.

Por exemplo, o representante da Agência Judaica, Ayel Weizman, um dos principais intervenientes na viabilização do projecto sionista, descreveu o que estava a acontecer naquela altura como “colonização judaica da Palestina” durante as audiências do Comité Especial da ONU sobre a Palestina em 1947. , enquanto o reconhecimento do Estado de Israel estava sendo deliberado.

As resoluções emitidas pela Assembleia Geral da ONU durante as décadas de 1950-1970 tenderam a acoplar a Palestina a outras nações colonizadas. Por exemplo, a Resolução 3070 de 1973 declarou que a AGNU “Condena todos os governos que não reconhecem o direito à autodeterminação e à independência dos povos, nomeadamente os povos de África ainda sob dominação colonial e o povo palestiniano”.

Da mesma forma, o caso da Palestina também foi retratado como um parente próximo do caso do apartheid na África do Sul. Por exemplo, a Resolução 2787 de 1971 disse que a Assembleia Geral “confirma a legalidade da luta do povo pela autodeterminação e libertação da dominação colonial e estrangeira e da subjugação estrangeira, nomeadamente na África Austral e em particular a dos povos do Zimbabué, Namíbia , Angola, Moçambique e Guiné [Bissau]bem como do povo palestino, por todos os meios disponíveis, consistentes com a Carta das Nações Unidas”.

Após a guerra de 1967, a ocupação por Israel da Cisjordânia, de Jerusalém Oriental, de Gaza, da Península do Sinai e das Colinas de Golã, levou à Resolução 242 do Conselho de Segurança da ONU, que no seu preâmbulo enfatizou “a inadmissibilidade da aquisição de território pela guerra” e apelou à “retirada das forças armadas de Israel dos territórios ocupados no conflito recente”.

Contudo, a ambiguidade deliberada das resoluções ao referirem-se a “territórios ocupados” na versão inglesa do texto, tem sido usada por Israel para justificar a sua ocupação e anexação há mais de meio século. Também abriu caminho para Israel começar a construir colonatos – algo que Francesca Albanese, Relatora Especial da ONU sobre a situação dos direitos humanos nos territórios palestinianos, definiu no seu relatório A/77/356 como “colonizar” a Cisjordânia.

O contexto de colonização e ocupação foi posto de lado com a assinatura dos Acordos de Oslo em 1993, que foi apresentado ao acordo internacional como um “acordo de paz” que pôs fim ao “conflito palestino-israelense”. É claro que isso não aconteceu.

A opressão e a expropriação do povo palestiniano pelas mãos dos seus colonizadores israelitas continuaram.

O direito de defender e o direito de resistir

A remoção do contexto de colonização e ocupação facilitou a representação dos palestinianos como sendo exclusivamente uma de duas categorias: “vítimas” de uma crise humanitária ou “terroristas”.

Por um lado, enquadrar a situação dos palestinianos como uma preocupação humanitária encobre as suas causas profundas. Tal como vários relatórios da ONU e de organizações de direitos humanos salientaram, a ocupação israelita e o apartheid devastaram a economia palestiniana e empurraram os palestinianos para a pobreza. O foco no elemento humanitário perpetua a dependência da ajuda e marginaliza as exigências de responsabilização e reparações

Por outro lado, a narrativa que apresenta os palestinianos como “terroristas” ofusca a realidade de que o objectivo do exército israelita sempre foi a erradicação do “problema palestiniano” por todos os meios possíveis, incluindo a limpeza étnica, a subjugação e a deslocação. Também nega ao povo palestiniano o direito de resistência, que está consagrado no direito internacional.

A Declaração Universal dos Direitos Humanos sublinha no seu preâmbulo que “é essencial, para que o homem não seja obrigado a recorrer, como último recurso, à rebelião contra a tirania e a opressão, que os direitos humanos sejam protegidos pelo Estado de direito. ”. Com efeito, isto significa que a rebelião contra a tirania e a opressão quando os direitos humanos não são protegidos é aceitável.

Da mesma forma, muitas resoluções da Assembleia Geral das Nações Unidas das décadas de 1950-1970, o Primeiro Protocolo das Convenções de Genebra e a jurisprudência do Tribunal Internacional de Justiça fornecem provas da legitimidade da luta dos povos por todos os meios à sua disposição no exercício de autodeterminação.

É claro que, ao resistirem sob qualquer forma, os palestinianos estão sujeitos às regras de condução das hostilidades constantes do direito humanitário internacional.

A negação do direito de resistência dos palestinianos anda de mãos dadas com Israel e os seus aliados evocando constantemente o “direito de se defender” israelita. Mas o Artigo 51º da Carta das Nações Unidas, que legitima a agressão armada em nome da autodefesa, não pode ser invocado quando a ameaça emana de dentro de um território ocupado.

O Tribunal Internacional de Justiça reafirmou este princípio no seu parecer consultivo sobre as Consequências Jurídicas da Construção de um Muro no Território Palestiniano Ocupado (2004).

É importante salientar que, embora Israel tenha retirado unilateralmente os seus soldados e colonatos de Gaza em 2005, ainda exerce um controlo efectivo sobre o território. Esta realidade tem sido flagrantemente aparente ao longo dos últimos dois meses, quando Israel recorreu ao corte de alimentos, água, fornecimentos médicos, electricidade e combustível – todos essenciais para a existência da população de Gaza.

De acordo com o direito humanitário internacional, Gaza está ocupada por Israel e este último não pode reivindicar a legítima defesa como uma razão legítima para a sua agressão contra uma ameaça que emana de dentro de um território sobre o qual tem controlo efectivo.

Neste sentido, Israel está a perpetrar crimes de guerra, crimes contra a humanidade e o crime de genocídio em Gaza, não no contexto de “autodefesa”, mas de ocupação. O exército israelita empreendeu a utilização indiscriminada e desproporcionada de armas explosivas, a deslocação forçada de mais de 1,7 milhões de pessoas em Gaza, o corte de combustível, electricidade, alimentos, água e fornecimentos médicos, o que constitui uma punição colectiva.

Infelizmente, estes crimes não são uma anomalia, mas sim uma parte da contínua violência sistémica infligida por Israel ao povo palestiniano ao longo dos últimos 75 anos.

Leis de guerra desatualizadas

Ao tentar justificar o chocante número de mortes de civis em Gaza, Israel e os seus apoiantes evocaram frequentemente as leis da guerra, utilizando termos como “escudos humanos voluntários” e “proporcionalidade”.

Para além dos argumentos falhos e da falta de provas que caracterizam estas afirmações, elas também se baseiam num conjunto de normas que foram codificadas pelas potências coloniais e que estão escandalosamente desactualizadas.

As leis da guerra foram elaboradas durante a época colonial para regular o uso da força entre estados soberanos. As colónias obviamente não eram consideradas soberanas iguais e as leis foram concebidas para manter o domínio sobre os povos, territórios e recursos indígenas.

Estas leis não têm em conta a assimetria de poder entre as partes num conflito. Eles não respondem às mudanças tecnológicas na guerra. Não foram concebidos para dar conta dos interesses económicos e políticos que moldam a guerra. Ao longo dos últimos 75 anos, foram feitos esforços significativos para desafiar estas deficiências, mas os estados do Norte Global minaram-nas sistematicamente.

Isto não é surpreendente, dado que a maioria das guerras contemporâneas acontecem fora do Norte Global e os lucros provenientes do negócio da guerra alimentam predominantemente as economias do Norte Global.

Não é do interesse dos Estados poderosos actualizar estas leis de uma forma que corresponda à realidade no terreno. Em vez de actualizar as leis da guerra para as descolonizar, ao longo dos últimos 20 anos, o Norte Global impôs um novo quadro que acomoda a sua “guerra ao terror”.

Não é, portanto, surpreendente que, enquanto Israel extermina os palestinianos em Gaza e na Cisjordânia, a principal reacção jurídica internacional tenha reflectido uma atitude colonial contínua que ignora distorções e deturpações e se recusa a chamar as coisas pelos seus nomes – colonialismo dos colonos, resistência, e o direito do povo à autodeterminação.

A única forma de sair dos ciclos de violência brutal é que o contexto colonial na Palestina seja plenamente e inequivocamente reconhecido. Israel deve pôr fim à sua colonização, ocupação e apartheid na Palestina e empenhar-se na reconciliação e nas reparações.

As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não refletem necessariamente a posição editorial da Al Jazeera.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *