CEDEAO realiza sessão de emergência sobre crise no Senegal e saídas de membros


0

O drama político em quatro Estados-membros levou a questões sobre o papel mais amplo do bloco com quase 50 anos de existência.

Líderes da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental
Líderes da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental reúnem-se para discutir a situação política no Níger, em Abuja, Nigéria, 10 de agosto de 2023 [STR via EPA-EFE]

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da África Ocidental realizam conversações de emergência na quinta-feira na capital da Nigéria, Abuja, para discutir a crise política no Senegal e disputas com governantes militares em três outros estados membros.

A sessão extraordinária da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) segue-se à decisão repentina do Presidente Macky Sall de adiar as eleições no Senegal, apenas uma semana depois de Burkina Faso, Mali e Níger terem declarado que estavam a abandonar o bloco.

O Conselho de Mediação e Segurança da CEDEAO disse que os ministros se reuniriam para “discutir questões atuais de segurança e políticas na região”.

Ainda não está claro se representantes dos quatro países em discussão estarão presentes.

A CEDEAO instou o Senegal – um dos seus Estados-membros mais estáveis ​​– a regressar ao seu calendário eleitoral, mas os críticos já questionaram a influência do grupo sobre os Estados-membros cada vez mais desafiantes.

A turbulência também colocou em dúvida o papel mais amplo do bloco de quase 50 anos, especialmente depois de o seu aviso de intervenção militar no Níger no ano passado ter fracassado, sem nenhum sinal de que o presidente deposto do país esteja mais perto de ser restaurado.

A CEDEAO foi formada em maio de 1975 em Lagos. O único outro membro que se retirou até agora foi a Mauritânia, em 2000.

Os problemas do Senegal são uma “nova crise de que a CEDEAO não precisa”, disse o consultor político beninense Djidenou Steve Kpoton à agência de notícias AFP. “Sua impotência diante da situação é evidente.”

Outros analistas afirmaram ter confiança na capacidade a longo prazo do bloco para lidar com problemas regionais através da mediação. Mas com a sua reputação em jogo, a forma como a CEDEAO lida com a mais recente convulsão política está a ser observada de perto.

Os protestos eclodiram no Senegal este fim de semana, quando o Presidente Sall anunciou que iria adiar a votação de 25 de Fevereiro poucas horas antes do início da campanha.

Os legisladores votaram quase unanimemente a favor do adiamento na noite de segunda-feira, depois que as forças de segurança invadiram a Câmara e removeram alguns membros da oposição, que não conseguiram votar. Em todo o país, os cidadãos disseram à Al Jazeera que estão em estado de choque e pensativos sobre o que poderá acontecer a seguir.

O Ministério dos Correios e Telecomunicações também desligou a Internet móvel no dia da votação parlamentar, alegando preocupações de segurança. “Caros clientes”, dizia um texto da operadora de telefonia Orange, “Por decisão do Estado, a internet móvel está suspensa para todas as operadoras”.

Os observadores manifestaram preocupação pelo facto de um dos membros mais influentes e estáveis ​​da região estar a destruir o conjunto de regras, desencadeando protestos violentos e levantando preocupações sobre as repercussões na região.

Sanções e estabilidade

Numa declaração na noite de terça-feira, a CEDEAO advertiu o Senegal contra pôr em risco a “paz e a estabilidade” durante tempos difíceis para a África Ocidental. Mas não estava claro o que o bloco faria se o Presidente Sall desafiasse o seu aviso.

Um poder que a CEDEAO tem à sua disposição é a imposição de sanções comerciais, como fez contra o Mali e o Níger após os recentes golpes de estado.

Mas as sanções atingiram duramente os cidadãos e os regimes militares permanecem em vigor.

No mês passado, Burkina Faso, Mali e Níger, já suspensos da CEDEAO, anunciaram a sua retirada conjunta, agravando a dor de cabeça diplomática para o bloco.

“Penso que ainda há tempo para recuar… podemos sentar-nos à mesa e negociar”, disse o antigo primeiro-ministro do Mali, Moussa Mara, à Al Jazeera no início desta semana. “É isso que desejo e apelo às nossas autoridades para que façam, especialmente porque a CEDEAO disse que está disposta a encontrar um caminho negociado para o futuro e a UA [African Union] prometeu mediar essas negociações.”

Os especialistas também dizem que o Senegal ainda está muito longe da fase em que a CEDEAO provavelmente imporá sanções financeiras.

“As sanções não podem entrar em vigor neste momento”, disse à AFP Idayat Hassan, do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, um think tank com sede em Washington, DC.

“O que pode acontecer é mais mediação”, disse ela, expressando confiança no poder da diplomacia de backchannel do bloco.

“A CEDEAO está em dificuldades, mas não é novidade”, disse ela, argumentando que era importante ter uma visão de longo prazo da organização fundada em 1975. “A África Ocidental costumava ser uma das regiões mais propensas a golpes de Estado no mundo antes a consolidação democrática começou a se estabelecer.”

Embora Hassan tenha dito que houve uma reversão relativamente recente, ela argumentou que a CEDEAO provou ser “adaptável, resiliente e capaz de lidar com a maioria destes desafios”.

“Não pode continuar como sempre”, disse Rama Salla Dieng, professor senegalês de Estudos Africanos na Universidade de Edimburgo, na Escócia, que apelou a uma consulta pública sobre o papel do bloco.

“Temos que ser muito pragmáticos”, disse ela. “Se as pessoas pensam que a CEDEAO já não precisa de existir… então ainda precisamos da CEDEAO?”


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *