Análise: Por que Israel continuará a sua investida mortal nos centros das cidades de Gaza


0

Uma guerra urbana longa e opressiva parece provável agora, se Israel quiser anular os efeitos dos túneis do Hamas. Mas manter intacto o apoio público não será fácil.

Palestinos se reúnem enquanto a fumaça sobe no local dos ataques israelenses contra casas em Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza, 14 de dezembro de 2023. REUTERS/Ibraheem Abu Mustafa
Palestinos se reúnem enquanto a fumaça sobe no local dos ataques aéreos israelenses contra casas em Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza, 14 de dezembro de 2023 [Ibraheem Abu Mustafa/ Reuters]

Notícias dramáticas, reivindicações e vídeos surgiram de ambos os lados envolvidos nos combates em Gaza durante a semana passada.

A semana começou com o exército israelense divulgando vários vídeos de palestinos nus, apenas de cueca, marchando pelas ruínas urbanas. A máquina de relações públicas de Israel ignorou o clamor palestino que se seguiu. Israel afirmou firmemente que os homens eram combatentes do Hamas e que as suas alegadas rendições em massa significavam que o fim do grupo palestiniano estava próximo, embora muitos palestinianos e observadores independentes insistissem que os homens eram civis que tinham sido tratados contra as leis da guerra ao serem humilhado publicamente.

Por seu lado, o Hamas manteve a sua prática habitual de promover a sua causa através de divulgações de vídeos – habilmente editados para melhorar os efeitos desejados – pretendendo confirmar os seus constantes e numerosos sucessos contra os invasores israelitas, mostrando principalmente acertos contra veículos blindados.

Depois veio a notícia que surpreendeu Israel e colocou um grande ponto de interrogação na sua linha oficial de que o Hamas estava à beira do colapso. Primeiro, nove soldados foram mortos numa única operação no bairro de Shujaiya, na Cidade de Gaza, na terça-feira. Esse choque foi seguido por outro na sexta-feira, com o exército israelita a admitir que matou três prisioneiros israelitas, tendo-os confundido com inimigos – apesar de portarem bandeiras brancas.

Então, o que está realmente a acontecer no terreno em Gaza?

Nada que não previmos há semanas: a guerra entrou numa fase difícil, imprevisível e sangrenta de guerra urbana em grande escala, onde os ganhos são pequenos e lentos e as perdas podem ser enormes.

O combate nas ruas estreitas e apertadas das cidades antigas é conhecido por ser uma das formas mais difíceis de travar uma guerra. A teoria militar clássica exige que as cidades defendidas sejam cercadas e bloqueadas por unidades suficientemente fortes para impedir a fuga dos defensores, enquanto a força principal continua a avançar e a tomar território.

Mas a luta em Gaza não consiste na conquista de campos e praias – o objectivo proclamado por Israel é destruir o Hamas. Para isso, o primeiro passo é controlar o terreno onde o inimigo atua: as cidades.

Muitos aspectos do warcraft são tão antigos quanto o desejo humano de travar guerras: atacar e conquistar versus defender e permanecer livre. Mas as formas de atingir esses objetivos mudaram com a tecnologia e, em determinados momentos, os meios à disposição dos soldados favorecem um aspecto em detrimento de outro.

Antigamente, as cidades precisavam de muros fortes para se defenderem, mas nos últimos 100 anos, as armas avançaram a um ritmo rápido, provocando uma mudança de táctica. A resistência bem-sucedida contra ataques inimigos não depende mais de bastiões estáticos enormes e caros. Hoje em dia, pequenas mas potentes armas portáteis, cujo poder destrutivo é enormemente desproporcional ao seu tamanho, como lança-foguetes antitanque, lança-granadas, pequenos morteiros, espingardas de assalto e muitas outras, permitem aos defensores transformar cada casa e cada rua em uma formidável posição defensiva.

Desde a década de 1940 até hoje, quase todas as tentativas de conquistar cidades controladas por defensores determinados terminaram em fracasso. As poucas vitórias alcançadas pelos atacantes foram tão custosas que muitas vezes acabaram com as capacidades ofensivas dos exércitos que avançavam para as cidades.

À sua maneira, Estalinegrado, Varsóvia, Berlim, Dien Bien Phu, Vukovar, Sarajevo, Grozny e Fallujah – algumas defendidas com sucesso, outras eventualmente sucumbindo aos ataques – todas confirmaram a sabedoria militar de que a guerra urbana deveria ser evitada sempre que possível.

Israel não conseguiu evitar a guerra urbana em Gaza. Para ter uma hipótese de destruir o Hamas, tem de lhe negar o seu terreno de operação, as três maiores aglomerações urbanas da faixa: Cidade de Gaza, Khan Younis e Rafah.

Na primeira fase da sua operação terrestre, o exército israelita avançou em terreno aberto, através de terras agrícolas e aldeias que não se prestam à montagem de uma grande defesa, apenas perseguindo ataques para abrandar e prejudicar os invasores. O Hamas agiu no clássico estilo de guerrilha, lançando alguns ataques de ataque e fuga sem desperdiçar qualquer esforço para deter os israelitas naquele momento.

A segunda fase começou com as forças israelitas a chegarem aos subúrbios, primeiro da Cidade de Gaza e depois, após o cessar-fogo temporário expirar, de Khan Younis. Caminhando lenta e cuidadosamente na expectativa de uma resposta concentrada do Hamas, os militares israelitas completaram o cerco àquelas duas áreas urbanas.

Seria ingénuo presumir que os generais de Israel esperavam que, ao isolarem as duas maiores áreas construídas na Faixa de Gaza, prejudicariam seriamente a capacidade das Brigadas Qassam, o braço armado do Hamas, de reagir.

Na realidade, o cerco aos dois centros das cidades não é clássico, onde as tropas dentro do bloqueio não podem ser reforçadas nem receber quaisquer abastecimentos. O Hamas ainda tem uma parte desconhecida, mas provavelmente a maior parte da sua rede de túneis intacta, e pode entrar e sair. Eles têm algumas dificuldades em fazê-lo, mas os combatentes do Hamas não estão presos.

Consciente da ameaça que os túneis representam, mas também do grave perigo de levar a luta para dentro deles, Israel tentou várias abordagens. Destruiu tantas entradas de túneis quanto encontrou, principalmente nas áreas sob seu controle, mas muitas outras que permanecem mantêm o perigo agudo.

Depois de várias tentativas de enviar tropas para a clandestinidade, que terminaram em desastre, com as tropas sendo vítimas de armadilhas explosivas do Hamas, o alto comando abandonou essa abordagem. Em seguida, teria ponderado a ideia de encher túneis com água do mar, alegando que o teste de inundação foi bem-sucedido, mas ainda não decidiu montar uma operação de dilúvio em grande escala.

As acções israelitas desta semana no terreno sugerem fortemente que a liderança do exército israelita percebe que a única maneira de alcançar o seu objectivo proclamado de aniquilar o Hamas é tomar, manter e controlar o terreno em todos os centros actualmente cercados da Cidade de Gaza e Khan Younis.

Isso por si só não garantiria a vitória, mas poderia criar condições para espremer os combatentes do Hamas nos túneis, após o que as forças israelitas poderiam bloquear e destruir todas as entradas.

Expulsar o Hamas provavelmente levaria semanas de intensa guerra urbana, com muitos mais casos de perdas massivas – de ambos os lados.

Quanto mais soldados israelitas forem mortos no centro das cidades de Gaza, sem ainda serem capazes de reivindicar a destruição do Hamas, mais diminuirá o apoio à continuação da operação militar. A dada altura, os apelos de Israel para parar a guerra poderão tornar-se mais altos do que aqueles que a encorajam a continuar.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *