Análise: Como as forças armadas da Rússia e da Ucrânia se comparam após dois anos de guerra


0

A Ucrânia está em desvantagem em relação à Rússia, mas planeia aumentar a produção de drones à medida que a guerra se arrasta pelo terceiro ano.

Militares ucranianos carregam um lançador de granadas automático americano Mk19 durante um exercício militar, em meio ao ataque da Rússia à Ucrânia, na região de Kiev, Ucrânia, 27 de setembro de 2023. REUTERS/Gleb Garanich
Militares ucranianos carregam um lançador de granadas automático Mk19 dos EUA durante um exercício militar [File: Gleb Garanich/Reuters]

A Ucrânia tem lutado contra a Rússia durante dois anos para libertar as suas terras e fazer recuar a Rússia – mas o abastecimento, as tácticas e o terreno plano fizeram com que a tão apregoada contra-ofensiva ucraniana do ano passado tenha produzido poucos resultados tangíveis.

Nas vastas terras agrícolas do sul da Ucrânia, não há muita cobertura para uma força de ataque.

A Rússia teve meses para preparar as suas defesas e construí-las em profundidade.

Fileiras após fileiras de trincheiras, obstáculos antitanque, valas e bunkers reforçados formaram uma barreira, muitas vezes com quilómetros de profundidade, contendo efectivamente as forças ucranianas que tentavam repetidamente invadir o campo aberto, com pouco sucesso.

A contra-ofensiva atolou-se numa guerra lenta e desgastante, à medida que a estratégia da Rússia de fazer a Ucrânia pagar por cada metro que tenta percorrer dá sinais de sucesso.

A qualidade dos soldados russos pode ser questionável, mas eles ainda são capazes de abrandar os avanços ucranianos, protegidos em abrigos fortificados, juntamente com a ajuda de drones de vigilância que impedem os militares ucranianos de lançarem ataques surpresa contra eles.

Mesmo assim, uma mistura de armamento novo e antigo mudou a dinâmica do campo de batalha moderno e da guerra travada na Ucrânia.

Algumas novas tácticas estão a ser desenvolvidas e sistemas de armas bem sucedidos foram postos em acção, à medida que os antigos, como o tanque, foram mantidos.

No entanto, apesar de todas as inovações do século XXI, os campos de batalha do sul da Ucrânia estão a começar a assumir uma dinâmica sinistra da Primeira Guerra Mundial. Um general de um século atrás não teria problemas em compreender o trabalho brutal deste conflito.

Drones, drones e mais drones

Os drones têm sido essenciais para ambos os lados desta guerra.

A Rússia demorou muito para adoptar a sua utilização e pagou o preço, pois as tentativas dos seus militares para surpreender a Ucrânia foram frustradas, com artilharia em massa utilizada para destruir unidades blindadas e de infantaria russas.

Pequenos drones ucranianos foram usados ​​para lançar granadas sobre posições russas, desmoralizando as tropas presas em trincheiras e trincheiras.

A artilharia ucraniana utilizou-os para localizar baterias que pudessem ajustar rapidamente o fogo em tempo real, apanhando tropas e tanques russos em campo aberto enquanto tentavam avançar através de campos planos e inexpressivos.

As forças de Moscovo aplicaram, ao longo do tempo, as mesmas lições e inverteram a situação. Agora são as unidades ucranianas que são apanhadas a avançar, apenas para serem destruídas pelos ataques da artilharia russa.

Os rivais perceberam o valor não apenas dos drones de vigilância, mas também dos drones de longo alcance que podem ser usados ​​para atacar alvos valiosos bem atrás das linhas inimigas.

A Rússia usou centenas de drones Shahed-136 importados pelo Irã como mísseis de cruzeiro baratos.

Embora voem lentamente, servem para esgotar as defesas aéreas ucranianas, esgotando os inventários de mísseis ucranianos, à medida que uma combinação de ataques de drones, mísseis de cruzeiro e balísticos corroem constantemente a capacidade da Ucrânia de se defender.

A Ucrânia aprendeu a lição de que muitos drones armados, baratos e eficazes são úteis numa guerra a nível industrial e uma boa forma de compensar uma força aérea mais fraca.

A Ucrânia planeia a produção em massa de drones que podem destruir alvos até 1.000 km (620 milhas) de distância, teoricamente colocando Moscovo e São Petersburgo ao alcance. Mais importante ainda, os pátios de triagem, as instalações portuárias, os depósitos de comboios e os quartéis estariam agora potencialmente sob ataque, complicando ainda mais os desafios logísticos russos no fornecimento das suas forças nas linhas da frente.

Para se ter uma ideia da dependência dos drones, Mykhailo Fedorov, vice-primeiro-ministro da Ucrânia, disse que só em 2023, a produção doméstica de drones aumentou para 300.000 drones, e isto não inclui doações estrangeiras.

A meta este ano é fabricar mais de um milhão de drones, com pelo menos metade dos componentes fabricados localmente, num esforço para compensar o declínio do apoio dos Estados Unidos à Ucrânia.

A indústria é fundamental

Independentemente de quem ganhe as eleições nos EUA, o apoio à Ucrânia diminuiu à medida que as preocupações internas e outras guerras, como a campanha de Israel em Gaza, absorvem o apoio e os recursos dos EUA.

A Ucrânia não está a receber a ajuda militar de que necessita desesperadamente, uma vez que a Rússia coloca a sua economia numa posição de guerra ligeira, afectando agora 6,5% do seu orçamento total para substituir as suas perdas significativas no campo de batalha.

Uma estimativa, publicada este mês pelo grupo de reflexão Royal United Services Institute (RUSI), diz que a Rússia pode agora produzir 125 tanques por mês, mais do que suficiente para substituir os destruídos nos combates recentes.

Cada vez mais se confia nos membros europeus da NATO para compensar qualquer potencial défice dos EUA em ajuda militar.

Aumentar a produção de defesa ucraniana de drones e munições de artilharia é agora considerada uma prioridade nacional.

A aritmética brutal mostra que a Ucrânia precisa de 240 mil bombas extras por mês para acompanhar o ritmo da Rússia.

Como a maior parte dos combates é conduzida a longa distância, a artilharia é fundamental para ambos os lados.

A indústria russa aumentou significativamente a produção de projéteis de artilharia e sistemas de lançamento múltiplo de foguetes (MLRS), juntamente com grandes importações de munições de artilharia e mísseis balísticos norte-coreanos.

A Rússia agora é capaz de disparar cinco projéteis para cada ucraniano. Os desesperados defensores ucranianos em algumas áreas estão agora reduzidos a disparar alguns tiros por dia, apenas para evitar a derrota.

Lições difíceis aprendidas

Os militares de todo o mundo têm observado o desenrolar do conflito e tiveram de aprender várias lições difíceis.

As estimativas anteriores à guerra para a produção de artilharia eram lamentavelmente pequenas e o conflito ucraniano mostra quanta energia industrial é necessária quando se combate um exército equivalente ou maior.

Os estoques de mísseis anteriores à guerra também são extremamente baixos.

A maioria dos mísseis de ataque terrestre eram sobras da Guerra Fria e teriam sido em sua maioria com ponta nuclear, bastando algumas centenas. Agora está claro que seriam necessários milhares, o que significa que mísseis de baixo custo e de fabricação rápida são peças-chave de qualquer arsenal.

O mesmo ocorre com um sistema de defesa aérea em camadas, mais uma vez dependente de grandes quantidades de mísseis baratos, cuja produção pode ser rapidamente ampliada. O mesmo vale para mísseis de cruzeiro.

Mísseis como o Storm Shadow – com um alcance de mais de 250 km (155 milhas) – são extremamente eficazes, mas são caros e demoram muito tempo a construir. São necessárias alternativas baratas.

A ideia do tanque voltou.

Antes da invasão, muitos militares estavam se livrando constantemente de seus estoques de tanques. Mas a experiência mostra agora que o tanque, devidamente protegido e parte de um ataque com armas combinadas, ainda tem grandes utilidades no campo de batalha e continua a ser uma arma formidável.

De volta aos drones, que se infiltraram em todos os níveis do campo de batalha. Sérios multiplicadores de força, eles podem ajudar qualquer militar a alavancar os equipamentos e armas que possui. Um soldado ucraniano observou recentemente, numa entrevista ao Politico, que a precisão das unidades de artilharia aumentou 250% quando combinadas com drones.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *