A estimulação magnética do cérebro pode melhorar a memória


0

Ted Cassidy, diretor médico da TMS Clinics Australia, ajusta as configurações de um dispositivo de estimulação magnética transcraniana (TMS) na TMS Clinic em Melbourne, Austrália, na terça-feira, 26 de março de 2019
Ted Cassidy, diretor médico da TMS Clinics Australia, ajusta as configurações de um dispositivo de estimulação magnética transcraniana na TMS Clinic em Melbourne, Austrália, na terça-feira, 26 de março de 2019. Carla Gottgens / Bloomberg via Getty Images
  • O envelhecimento, a demência e a lesão cerebral podem reduzir a capacidade das pessoas de formar novas memórias de eventos em suas vidas, o que os especialistas chamam de memória episódica.
  • Um estudo sugere que a estimulação magnética de baixa frequência de uma parte específica do cérebro aumenta a formação desse tipo de memória.
  • Muito mais pesquisas são necessárias, mas a descoberta pode fornecer uma maneira de melhorar a memória em pessoas com doenças como a demência.

Memórias de nossas experiências, ou memórias episódicas, nos ajudam a definir quem somos como indivíduos.

A memória episódica também nos permite funcionar com eficácia no dia-a-dia, desde lembrar onde colocamos nosso telefone até quais mantimentos precisamos comprar em uma viagem de compras.

A capacidade de formar novas memórias diminui lentamente com a idade, mas lesões cerebrais e condições como a doença de Alzheimer podem resultar em uma perda grave e debilitante da memória episódica.

Alguns medicamentos controlados podem ajudar a melhorar a memória em pessoas com doença de Alzheimer, mas seus efeitos são limitados e de curta duração.

Os fabricantes comercializam suplementos não prescritos conhecidos como nootrópicos para melhorar a memória, embora haja poucas evidências científicas de sua eficácia.

Um grupo de pesquisadores liderado pela Universidade de Glasgow, no Reino Unido, pode ter encontrado uma maneira completamente nova de aumentar a memória episódica, usando pulsos magnéticos.

Eles estavam conduzindo uma pesquisa sobre um fenômeno conhecido como esquecimento voluntário quando perceberam que os pulsos magnéticos lentos pareciam melhorar a memória.

Eles usaram uma tecnologia estabelecida chamada estimulação magnética transcraniana repetitiva (rTMS) para distribuir os pulsos para o lado esquerdo da testa dos voluntários, sobre uma região chamada córtex pré-frontal dorsolateral (DLPFC).

Um segundo estudo feito pelos mesmos pesquisadores parece confirmar o efeito de aumento da memória.

Eles relataram seus resultados no jornal PLOS Biology.

“Ficamos muito surpresos quando vimos esses efeitos no primeiro estudo, que foi projetado para investigar uma questão diferente”, diz o Prof. Simon Hanslmayr, Ph.D., um dos pesquisadores e autor sênior do artigo.

“Portanto, precisávamos replicar os efeitos em um segundo experimento para ver se isso é real e, de fato, parece ser”, acrescenta.

Memorizando palavras

Os pesquisadores analisaram dados de 40 voluntários saudáveis ​​a quem pediram para memorizar listas de palavras enquanto seus cérebros eram estimulados com rTMS a 1 hertz (Hz) (1 pulso por segundo).

Metade dos voluntários recebeu pulsos em seu DLPFC esquerdo, enquanto a outra metade recebeu pulsos em uma área do cérebro de controle conhecida como vértice, que não está envolvida na memória.

Aqueles que tiveram seu DLPFC esquerdo estimulado magneticamente foram significativamente melhores em relembrar as palavras em um teste subsequente.

Para excluir a possibilidade de que um grupo simplesmente tivesse melhores habilidades de memória do que o outro, os cientistas repetiram o experimento. Desta vez, 24 voluntários receberam cada estimulação magnética do DLPFC, seguida pela estimulação do vértice, ou vice-versa, em testes separados.

Ao mesmo tempo, os cientistas usaram EEG para monitorar a atividade elétrica no cérebro dos participantes.

Mais uma vez, os voluntários lembravam significativamente mais palavras se seu DLPFC fosse estimulado durante a memorização.

Na leitura do EEG, os lentos pulsos magnéticos pareceram reduzir a potência das ondas cerebrais na faixa de frequência beta em uma parte do cérebro chamada córtex parietal.

Pesquisas anteriores encontraram uma ligação entre uma redução no poder da parte beta do espectro EEG, de 13 para 30 Hz, e a formação da memória.

Estimulação e inibição

Prof. Hanslmayr disse Notícias Médicas Hoje que não está claro o que essa mudança na atividade beta significa, mas outros estudos sugerem que ela pode refletir uma mudança no equilíbrio entre a estimulação nervosa, ou “excitação”, e a inibição.

“Nosso estímulo [of the DLPFC] parece ter inclinado esse equilíbrio para mais inibição, o que parece benéfico para a codificação da memória ”, disse ele.

“É necessário mais trabalho para entender melhor por que e como isso beneficia a memória”, acrescentou.

Até que essa ciência básica tenha sido feita, disse ele, era muito cedo para falar sobre aplicações clínicas.

“No entanto, nossas descobertas podem ser relevantes para pacientes com doença de Alzheimer que perdem gradualmente a capacidade de formar memórias episódicas”, explicou ele. “Curiosamente, o equilíbrio entre a excitação e a inibição é gravemente afetado nesses pacientes”.

O Prof. Hanslmayr acredita que estudos futuros devem investigar se a EMTr pode ajudar a restaurar esse equilíbrio e melhorar a memória na doença de Alzheimer.

Ele disse que ele e seus colegas esperam investigar mais o efeito e explorar possíveis aplicações para tratar doenças que envolvem problemas de memória, como a doença de Alzheimer.

Possíveis limitações

Em seu artigo, os cientistas observam que seu estudo teve algumas limitações potenciais.

Em particular, em comum com outros estudos que envolvem rTMS, eles registraram mudanças no EEG logo após a estimulação magnética, em vez de simultaneamente.

Isso ocorre porque os próprios pulsos magnéticos interrompem as medições de EEG – uma falha conhecida como artefato experimental.

Eles escrevem que as mudanças subsequentes na atividade elétrica do córtex parietal podem ser um “efeito rebote” após essa interrupção.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *