UE rearma Ucrânia à medida que aumentam os apelos por maiores gastos com defesa


0

Os membros da UE não permitiam que as objecções da Hungria impedissem a ajuda militar bilateral à Ucrânia.

FOTO DE ARQUIVO: Funcionários municipais removem destroços no local de um ataque com mísseis russos, em meio ao ataque da Rússia à Ucrânia, no centro de Kharkiv, Ucrânia, 17 de janeiro de 2024. REUTERS/Vyacheslav Madiyevskyy/Foto de arquivo
Funcionários municipais removem destroços no local de um suposto ataque com mísseis russos no centro de Kharkiv [File: Vyacheslav Madiyevskyy/Reuters]

Enquanto cerca de 137 mil milhões de dólares em ajuda militar e financeira à Ucrânia permaneciam estagnados em Washington e Bruxelas, os aliados europeus individuais começaram a fazer compromissos bilaterais no valor de milhares de milhões para garantir que a Ucrânia continuará a ser capaz de resistir à Rússia este ano.

Essa resistência permaneceu em vigor durante a semana passada, com as tropas terrestres mantendo uma linha de 1.000 km (621 milhas) contra os ataques russos, no que o seu comandante chamou de “defesa ativa”, e a Força Aérea da Ucrânia aproveitando a oportunidade para destruir um dos únicos um punhado de aviões de reconhecimento russos.

A Ucrânia destruiu o Beriev A-50 na segunda-feira em algum lugar sobre o Mar de Azov, matando toda a sua tripulação, disse seu comandante-chefe. Uma aeronave de comando Ilyushin-22 também foi efetivamente destruída, embora tenha conseguido pousar. O comando do sul da Ucrânia disse que o A-50 era uma das três únicas aeronaves operacionais e ajudou a direcionar ataques com mísseis.

A Rússia havia disparado 40 drones e mísseis contra a Ucrânia dois dias antes. Os defensores ucranianos derrubaram oito mísseis e disseram que desativaram outros 20 com interferência eletrônica. Como que para provar a capacidade dos mísseis após a derrubada do A-50, a Rússia atacou novamente na quarta-feira, ferindo 17 pessoas no centro de Kharkiv.

INTERATIVO-QUEM CONTROLA O QUE NA UCRÂNIA-1705492015
[Al Jazeera]

Os acontecimentos no ar foram talvez os mais cinéticos numa semana de linhas de frente estáticas. O comandante ucraniano das forças terrestres, Oleksandr Syrskiy, disse que as suas tropas estavam em “defesa activa” enquanto a Rússia pressionava pelo controlo total das regiões orientais de Donetsk e Luhansk e pela reconquista de Kharkiv e Kherson.

“Nossos objetivos permanecem inalterados: manter nossas posições… exaurir o inimigo infligindo o máximo de perdas”, disse Syrskiy.

As observações de Syrskiy pareciam confirmar que a Rússia tinha tomado a iniciativa no ataque. “A iniciativa está totalmente nas mãos das forças armadas russas”, disse o presidente russo, Vladimir Putin, numa reunião com líderes do governo local na terça-feira. “Se [this] continuar, o Estado ucraniano pode sofrer um golpe irreparável e muito sério”, disse Putin.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, reagiu a essas observações no dia seguinte, ao discursar no Fórum Económico Mundial na Suíça, dizendo que Putin nunca desistiria dos seus objectivos maximalistas na Ucrânia.

“Se tivermos que lutar contra Putin juntos, com anos de antecedência, não é melhor acabar com ele agora, enquanto os nossos bravos homens e mulheres já o estão a fazer? Eles são a oportunidade do mundo”, disse Zelenskyy.

Rearmamento

Enquanto as posições desafiadoras dos dois líderes sugeriam mais um ano de guerra amarga na Ucrânia e o conflito persistia em Gaza e no Mar Vermelho, o rearmamento estava a tornar-se um tema para a Europa, bem como para a Ucrânia.

“Precisamos de uma transformação da NATO para o combate”, disse o chefe do Comité Militar, o almirante holandês Rob Bauer, ao abrir uma reunião de dois dias de ministros da Defesa em Bruxelas, na quarta-feira.

Os membros da NATO viviam “numa era em que tudo pode acontecer a qualquer momento, uma era em que precisamos de esperar o inesperado, uma era em que precisamos de nos concentrar na eficácia para sermos totalmente eficazes”, disse ele.

Esse pensamento também se reflectiu na Comissão Europeia.

INTERATIVO - QUEM CONTROLA O QUE NO LESTE DA UCRÂNIA copy-1705492004
[Al Jazeera]

O Comissário do Mercado Interno, Thierry Breton, disse na semana passada que iria propor um Programa Europeu de Investimento em Defesa de 100 mil milhões de euros (109 mil milhões de dólares) no próximo mês, para expandir a capacidade nas indústrias de defesa europeias.

Em Março passado, a UE prometeu um milhão de projécteis de artilharia à Ucrânia no prazo de um ano. Em Novembro, tinham entregue menos de um terço disso, mas Breton confirmou que iriam cumprir o seu compromisso no início deste ano, e a Comissão Europeia confirmou que a capacidade de produção da UE atingiria um milhão de conchas por ano no início deste ano, igualando a produção dos EUA. capacidade.

A capacidade de produção russa de projéteis corresponde à dos EUA e da UE combinadas, disse o vice-chefe da inteligência militar da Ucrânia, Vadym Skibitskyi. A mobilização secreta da Rússia também alistou meio milhão de homens no ano passado, o que significa que conseguiu superar o desgaste para colocar 462 mil soldados na Ucrânia.

Dadas estas capacidades russas, o rearmamento da Ucrânia era uma questão urgente, disse Zelenskyy.

Cerca de 61 mil milhões de dólares em ajuda para 2024 permaneceram presos nas deliberações do Congresso em Washington devido à oposição republicana, e dois pacotes de 50 mil milhões de euros e 20 mil milhões de euros (54 mil milhões a 22 mil milhões de dólares) foram paralisados ​​em Bruxelas devido à oposição húngara.

O porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, John Kirby, disse que os EUA suspenderam a assistência de segurança à Ucrânia como resultado do impasse.

Na Europa, cada país optou por avançar bilateralmente.

INTERATIVO-QUEM CONTROLA O QUE NO SUL DA UCRÂNIA-1705492010
[Al Jazeera]

O presidente da Estónia, Alar Karis, disse na semana passada que a Estónia forneceria 1,2 mil milhões de euros (1,3 mil milhões de dólares) em ajuda, incluindo obuseiros e munições, ao longo dos próximos quatro anos. A Estónia destinava 0,25% do seu produto interno bruto (PIB) à defesa da Ucrânia durante os próximos quatro anos, dissera a primeira-ministra Kaja Kallas dias antes.

Aliada convicta da Ucrânia, que também partilha fronteira com a Rússia, a Estónia afirmou em Novembro passado que estava a aumentar as despesas com a defesa para 3% do PIB e instou outras nações europeias a duplicarem as suas despesas.

A Letónia prometeu no mesmo dia obuses, granadas, drones e helicópteros, entre outras coisas.

Na sexta-feira, o primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, assinou um acordo com Kiev para ajudar a desenvolver a capacidade de produção de drones da Ucrânia e disse que gastaria 3,2 mil milhões de dólares na defesa da Ucrânia este ano.

O presidente francês, Emmanuel Macron, deveria estar em Kiev para fazer as suas próprias promessas no próximo mês. Ele disse em entrevista coletiva que mísseis SCALP de longo alcance seriam incluídos nas entregas de defesa já em andamento. “Vamos entregar muito mais equipamentos e ajudar a Ucrânia com o que precisa para defender os seus céus”, disse ele.

A Alemanha disse no mês passado que iria duplicar a sua ajuda militar à Ucrânia em 2024 para oito mil milhões de euros (9 mil milhões de dólares).

“A guerra da Rússia na Ucrânia, enquanto questão política, está a escapar à corrente principal e é agora em grande parte uma preocupação para aqueles que estão situados perto da fronteira oriental da Europa”, afirmou o Conselho Europeu de Relações Externas.

Embora ainda tivesse bons recursos, a Rússia não estava isenta de problemas.

Skibitskyi disse que estava tendo problemas para construir certos tipos de mísseis devido às sanções. E o alistamento secreto russo de cidadãos naturalizados – suspeito de ter começado em 2023 – pode ter contribuído para um grande incêndio que destruiu um armazém de sete hectares do retalhista online Wildberries, em São Petersburgo, na semana passada.

Fontes russas disseram que o incêndio foi precedido por uma briga entre os trabalhadores migrantes e por uma operação por parte das autoridades que pressionaram os trabalhadores a servirem nas forças armadas.

INTERATIVO Refugiados da Ucrânia-1705491998
[Al Jazeera]

Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *