Supremo Tribunal da ONU proíbe Venezuela de agir na disputa fronteiriça com a Guiana


0

O Tribunal Internacional de Justiça emitiu a decisão dois dias antes de um referendo sobre um território disputado e rico em petróleo.

Um homem caminha em frente a um mural do mapa venezuelano com o território de Essequibo incluído, em Caracas, Venezuela [File: Matias Delacroix/AP Photo]

O tribunal superior das Nações Unidas alertou a Venezuela para parar qualquer acção que possa alterar o controlo da Guiana sobre um território disputado, dias antes de um referendo planeado sobre o território.

A Corte Internacional de Justiça (CIJ) disse na sexta-feira ao país latino-americano que “abstenha-se de tomar qualquer ação que modifique a situação que prevalece atualmente” na região de Essequibo, que representa cerca de dois terços da Guiana.

O tribunal não proibiu especificamente a Venezuela de realizar o referendo sobre o território rico em petróleo, como a Guiana tinha solicitado.

No entanto, os juízes deixaram claro que qualquer ação concreta para alterar o status quo deve ser interrompida, e a decisão juridicamente vinculativa permanece em vigor até que um caso movido pela Guiana contra a Venezuela sobre o futuro da região seja considerado pelo tribunal.

Manifestante venezuelano
Um manifestante segura um cartaz de ‘Super Bigode’, que retrata o presidente venezuelano Nicolás Maduro como um super-herói, durante uma marcha pró-governo em Caracas [File: Ariana Cubillos/AP Photo]

Um referendo potencialmente explosivo

No domingo, a Venezuela realizará um referendo sobre o território rico em petróleo de Essequibo, controlado pela Guiana.

Apesar do litígio pendente no TIJ sobre onde deveria ficar a fronteira dos dois países, a Venezuela decidiu perguntar a opinião dos seus cidadãos sobre se deveria ou não criar um novo “Estado” em Essequibo – uma medida que a Guiana afirma que abriria o caminho para a sua vizinho a tomar “unilateral e ilegalmente” a região.

Com 160 mil quilómetros quadrados (62 mil milhas quadradas), Essequibo representa mais de dois terços da Guiana, que administra a área há mais de 100 anos.

O governo da Guiana insiste em manter a fronteira determinada em 1899 por um painel de arbitragem, ao mesmo tempo que alega que a Venezuela concordou com a decisão até mudar de ideias em 1962.

referendo simulado
Pessoas fazem fila do lado de fora de uma escola para participar de um ensaio de votação para o próximo referendo de 3 de dezembro sobre a disputa territorial entre a Guiana e a Venezuela, em Caracas [File: Ariana Cubillos/AP Photo]

Caracas, por sua vez, afirma que o rio Essequibo, a leste da região, forma uma fronteira natural e foi reconhecido como tal desde 1777, quando foi estabelecida a chamada Capitania Geral da Venezuela, um distrito administrativo da Espanha colonial.

Refere-se também ao Acordo de Genebra assinado em 1966, antes da independência da Guiana da Grã-Bretanha, que previa um acordo negociado sobre as fronteiras definitivas da região, o que nunca se concretizou.

Uma região rica em petróleo

O plebiscito – descrito como consultivo e não vinculativo – colocará cinco questões aos eleitores venezuelanos.

Elas incluem a rejeição ou não da decisão de 1899, que Caracas diz ter sido “imposta fraudulentamente”.

Também está em votação se Caracas deve rejeitar a jurisdição do TIJ sobre a disputa e se deve ou não conceder a cidadania venezuelana ao povo – atualmente guianense – de um novo “Estado Guiana Esequiba”.

Não é um voto sobre a autodeterminação.

Marcha pró-governo
Pessoas participam de uma marcha pró-governo chamada ‘Recupere o Esequibo’, o nome de um território em disputa entre a Venezuela e a Guiana [File: Ariana Cubillos/AP Photo]

Georgetown, no entanto, teme que a Venezuela utilize um voto maioritário “sim” como defesa para abandonar o processo do TIJ e recorrer a medidas unilaterais, incluindo a anexação de toda a região pela força.

A Guiana afirma que a votação é uma violação do direito internacional e recebeu apoio da Comunidade do Caribe (CARICOM) e da Organização dos Estados Americanos (OEA).

A disputa se intensificou desde a descoberta de petróleo bruto em Essequibo pela ExxonMobil em 2015.

A Guiana tem as maiores reservas mundiais de petróleo bruto per capita, enquanto a Venezuela, economicamente em dificuldades, e que enfrenta sanções internacionais paralisantes, possui as maiores reservas comprovadas em geral.

Ainda no mês passado, a Guiana anunciou uma nova descoberta “significativa” de petróleo em Essequibo, aumentando as reservas estimadas em pelo menos 10 mil milhões de barris – mais do que o Kuwait ou os Emirados Árabes Unidos.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *