Risco de ‘erro de cálculo trágico’ no sigilo militar da China: Reino Unido


0

O ministro das Relações Exteriores, James Cleverly, também adverte sobre Taiwan, Xinjiang, mas diz que os países devem trabalhar com a China para resolver os problemas mais urgentes do mundo.

Novos recrutas do Exército de Libertação do Povo alinhados em uma estação.  Eles estão em posição de sentido e têm faixas vermelhas em seus corpos.
Inteligentemente expressou preocupação com o sigilo em torno da escalada militar da China [File: China Daily via Reuters]

O secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, James Cleverly, instou a China a ser mais transparente sobre o que descreveu como “a maior escalada militar da história em tempos de paz”, alertando que o sigilo sobre suas atividades militares trazia o risco de um “erro de cálculo trágico”.

Inteligentemente dedicou todo o seu discurso de abertura em um banquete da Mansion House em Londres à China, esboçando suas opiniões sobre um relacionamento que há muito deixou para trás a chamada “era de ouro” do ex-primeiro-ministro David Cameron.

Inteligentemente observou que entre 2014 e 2018, a China lançou novos navios de guerra excedendo a tonelagem combinada de toda a frota ativa da Marinha Real Britânica e que estava estabelecendo bases militares no Mar da China Meridional e além.

Ele exortou a China a ser mais aberta sobre a “doutrina e intenção por trás de sua expansão militar”.

“A transparência certamente é do interesse de todos e o sigilo só pode aumentar o risco de um trágico erro de cálculo”, disse ele.

Ele também alertou sobre os potenciais efeitos “catastróficos” de qualquer conflito sobre Taiwan, a ilha autogovernada que Pequim reivindica como sua.

“Nenhum país poderia se proteger das repercussões. A distância não ofereceria proteção contra esse golpe catastrófico na economia global – e menos ainda na China. Estremeço ao contemplar a ruína humana e financeira que se seguiria”, disse ele.

“É essencial que nenhuma das partes tome medidas unilaterais para mudar o status quo.”

A China não descartou o uso da força para garantir a unificação e neste mês realizou uma série de jogos de guerra depois que a presidente taiwanesa, Tsai Ing-wen, se reuniu com o presidente da Câmara dos Deputados, Kevin McCarthy, em uma escala nos Estados Unidos.

Pequim vê Tsai, que foi eleito pela primeira vez em 2016, como um “separatista” que quer “independência”. Ela diz que deveria ser o povo de Taiwan a decidir seu futuro.

Inteligentemente também expressou “repulsa” pelo tratamento dado pela China aos uigures na província de Xinjiang, onde as Nações Unidas disseram no ano passado que Pequim pode ter cometido crimes contra a humanidade.

“Não vamos deixar o que [ha]s que aconteceram em Xinjiang cairão ou serão deixados de lado”, disse ele, sem dar mais detalhes.

O discurso também abordou a resposta da China à invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia, com Cleverly lembrando Pequim – um dos cinco membros com poder de veto no Conselho de Segurança – das leis e obrigações que assumiu quando ingressou nas Nações Unidas.

“A coexistência pacífica deve começar com o respeito às leis e instituições fundamentais, incluindo a Carta da ONU, que protege todos os países contra invasões”, disse ele.

O discurso também incluiu o reconhecimento da “profundidade e complexidade” da história e civilização da China, bem como o sucesso do país em tirar 800 milhões de pessoas da pobreza nos últimos 45 anos.

Habilmente enfatizou que não poderia haver uma nova Guerra Fria e que os países tinham que trabalhar com a China para progredir em alguns dos maiores desafios que o mundo enfrenta.

O Reino Unido estaria dobrando o financiamento para “capacidades da China” no governo e planejava construir uma nova Embaixada do Reino Unido em Pequim, com a aprovação da China, acrescentou.

“Não vivemos em um mundo miserável de soma zero: o ganho deles é o nosso ganho”, disse ele. “Devemos enfrentar a realidade inescapável de que nenhum problema global significativo – da mudança climática à prevenção de pandemias, da instabilidade econômica à proliferação nuclear – pode ser resolvido sem a China.”


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *