‘Quero ir para casa’: nepaleses que lutam pela Rússia na Ucrânia descrevem horrores


0

Eles foram atraídos pela promessa de cheques de pagamento de US$ 3 mil e cidadania russa. Agora eles estão presos, feridos ou mortos.

Mercenários nepaleses lutando pelo exército russo em Ostrykivka, vila perto de Tokmak em Zaporizhzhia, Ucrânia ocupada pela Rússia [Photo courtesy Atit Chettri]
Mercenários nepaleses lutando pelo exército russo em Ostrykivka, vila perto de Tokmak em Zaporizhzhia, Ucrânia ocupada pela Rússia [Photo courtesy Atit Chettri]

Katmandu, Nepal – Numa manhã extremamente fria no início de Janeiro, algures perto da cidade de Tokmak, na região ucraniana de Zaporizhzhia, Bimal Bhandari* iniciou uma viagem arriscada para abandonar o exército russo onde servia. O nepalês de 32 anos estava com outro compatriota que também lutava pelo Kremlin, dentro e contra a Ucrânia.

Os dois homens sabiam que fugir dos russos seria uma tarefa perigosa, mas concluíram que o risco valia a pena, quando comparado com as suas hipóteses de sobrevivência como soldados na guerra selvagem de Moscovo.

Bhandari esteve em contacto com um agente nepalês na Rússia através de um familiar. O agente e outro contrabandista de pessoas prometeram que poderiam elaborar um plano de fuga: por US$ 3.000 cada, os dois soldados nepaleses estariam fora. Três dias depois de Bhandari e seu amigo compartilharem sua localização, um homem que falava hindi chegou com motorista e veículo ao amanhecer, pegou-os e deixou-os em um local desconhecido que os traficantes alegaram ser perto da fronteira entre a Rússia e a Ucrânia.

O homem que falava hindi disse-lhes que os tratadores estariam esperando para ajudá-los assim que atravessassem para o “outro lado”. Então Bhandari e seu amigo pisaram na neve até os joelhos, com temperatura de 19 graus Celsius negativos (2,2 graus Fahrenheit negativos), por 17 km (11 milhas) em cerca de sete horas. Famintos e com frio no final da viagem, eles ligaram novamente para os traficantes – apenas para serem instruídos a esperar 40 minutos até que alguém os buscasse.

Passaram-se três horas antes que um veículo chegasse. Não havia equipes de resgate lá dentro. Em vez disso, tinha uma equipa de patrulha fronteiriça russa que os algemou e levou no veículo. Eles ficaram presos por um dia e seus passaportes foram apreendidos antes de Bhandari ser levado a um centro de saúde, sofrendo de hipotermia.

“Foi a nossa única oportunidade de escapar desta guerra brutal e falhamos”, disse ele à Al Jazeera, na sua cama de hospital. “Não quero recuperar – assim que melhorar, serei empurrado para a linha da frente.”

É um medo que atinge dezenas, senão centenas, de famílias nepalesas. Embora o governo do Nepal não tenha números exactos de cidadãos do país que lutam como mercenários pela Rússia, alguns analistas acreditam que podem chegar a mil. Pelo menos 12 nepaleses foram mortos nos combates e outros cinco capturados pela Ucrânia.

O governo do Nepal está a negociar diplomaticamente com a Rússia o repatriamento dos seus cidadãos e dos corpos dos falecidos, as famílias dos civis que se tornaram mercenários estão a perder a paciência. Na terça-feira, as famílias manifestaram-se em frente à embaixada russa em Katmandu, exigindo que os seus familiares fossem mandados de volta, os cadáveres fossem repatriados, novos recrutamentos fossem suspensos e fosse oferecida uma compensação aos mortos em combate.

Está muito longe da esperança e da promessa de uma vida na Europa que inicialmente atraiu muitos dos recrutas para o lado de Moscovo.

Atit Chettri, 25 anos, mercenário nepalês contratado pela Rússia para combater a Ucrânia.  Ele está entre as centenas de nepaleses desesperados que tomaram esta decisão arriscada de servir uma força estrangeira em busca de um bom salário, privilégios e cidadania russa.(Cortesia: Atit Chettril)
Atit Chettri, 25 anos, mercenário nepalês contratado pela Rússia para combater a Ucrânia. Ele está entre centenas de nepaleses desesperados que servem uma força estrangeira em busca de um bom salário e de cidadania russa. [Photo courtesy Atit Chettri]

‘Um bom avanço’

Atit Chettri, um jovem de 25 anos de Surkhet, no oeste do Nepal, sonhava com uma vida na Europa. Tinha os olhos postos em Portugal. Mas ele não tinha caminho para o continente – até Outubro passado, quando viu um vídeo no TikTok sobre o recrutamento de nepaleses para o exército russo e publicou uma mensagem de inquérito.

Em poucos minutos, ele recebeu uma mensagem direta de um agente com detalhes de contato. O agente pediu US$ 9 mil e prometeu um salário de cerca de US$ 3 mil por mês, além de vantagens e bônus, e cidadania russa para ele e mais tarde para sua família.

Para Chettri, que estava desempregado, isto parecia um bilhete para uma vida melhor. Ele aceitou a oferta. Quatro dias depois, ele tinha um visto de turista russo e uma passagem para Moscou via Dubai reservada para 21 de outubro de 2023.

Foi o primeiro voo de Chettri para uma terra estrangeira. “O agente me pediu para ligar para ele se tivesse problemas na imigração. A autoridade de imigração me deteve por um tempo, mas me soltou imediatamente depois que liguei para meu agente”, disse Chettri à Al Jazeera de Ostrykivka, também um vilarejo perto de Tokmak.

Bhandari, a quem foi oferecido um acordo semelhante, voou para a Rússia em 19 de outubro. Ele morou no Kuwait durante seis anos, mas nunca conseguiu economizar o suficiente para tirar sua família da pobreza. O que ele ganhou foi usado para pagar os juros dos empréstimos que contraiu para chegar ao Kuwait.

Frustrado, regressou ao Nepal e trabalhava como motorista de camião basculante quando surgiu a oportunidade de lutar pela Rússia. “A situação económica da minha família é miserável, por isso pensei que isto seria um bom avanço”, disse Bhandari.

Ele também se conectou com os traficantes via TikTok. Eles administravam uma agência de viagens em frente à embaixada russa em Katmandu. A caminho de Moscovo via Dubai, Bhandari disse que encontrou perto de 30 nepaleses que esperavam para embarcar no avião para se juntarem ao exército russo – alguns viajavam de Katmandu, enquanto outros eram trabalhadores migrantes nepaleses já no Médio Oriente.

Ao desembarcar em Moscou, foi recebido por um agente local, também nepalês. “Fui orientado pelo agente de Katmandu a dar-lhe US$ 1.200 na chegada. Ele me levou ao banheiro no aeroporto e eu lhe dei o dinheiro”, disse Bhandari. Ele foi então deixado em um campo de recrutamento, onde assinou um contrato de um ano para lutar como soldado.

Assim como Bhandari, Bharat Shah, de 36 anos, não resistiu à oferta. No Nepal, ele trabalhou como policial de trânsito antes de partir para Dubai, onde ganhava 2.400 dirhams (US$ 650) por mês. Então, quando os agentes ofereceram 3 mil dólares por mês lutando pela Rússia, ele concordou.

“Eu disse muitas vezes para ele não ir para a Rússia. Ele disse que era uma grande oportunidade de ganhar mais dinheiro e depois se estabelecer lá com a família”, disse seu pai, Kul Bahadur Shah, à Al Jazeera por telefone de Kailali, no oeste do Nepal.

Inicialmente, essa “oportunidade” parecia estar valendo a pena. Shah enviou de volta 250 mil rúpias nepalesas (cerca de US$ 1.900), depois de ir para a Rússia.

Mas ele foi morto em batalha em 26 de novembro. Em casa, sua esposa agora deve cuidar sozinha do filho de quatro anos e de uma filha de dois meses que ele nunca viu.

Três homens nepaleses, prontos para ir ao campo de batalha na Ucrânia ocupada pela Rússia.  (Cortesia: Atit Chettri)
Mercenários nepaleses em acampamento na Ucrânia ocupada pela Rússia [Photo courtesy Atit Chettri]

‘Éramos como o escudo deles’

Os recrutas dizem que quase não receberam nenhum treinamento antes de serem enviados para lutar. Embora os traficantes tenham garantido a estes civis um programa de treino completo com a duração de três meses, eles receberam menos de um mês de exercícios de combate na região de Rostov, no sudoeste da Rússia, na fronteira com a Ucrânia. “Eu só tinha visto uma arma à distância, nunca a havia segurado antes”, disse Chettri à Al Jazeera.

Outro soldado, Ratna Karki*, de 34 anos, foi ferido em batalha e está atualmente no hospital. De acordo com Karki, os oficiais de sua unidade enviam principalmente combatentes nepaleses, tadjiques e afegãos para a linha de frente. “Os russos simplesmente nos comandaram por trás. Éramos como o escudo deles”, disse ele à Al Jazeera por telefone.

Antes de Bhandari ser destacado para seu batalhão, ele pensava que fazia parte de uma força de apoio para os russos, pois não tinha nenhuma habilidade de guerra. “Eles [Russian commanders] até nos obrigar a inspecionar os territórios inimigos, o que é muito assustador”, disse Bhandari. “Eu matei tantos, ou então eles me matariam”, disse ele.

“Temos que estar de prontidão, pode ser a qualquer hora da noite ou do dia. Quando eles comandarem, precisamos ir para o campo de batalha”, disse Chettri. “Alguns dias temos que passar a noite inteira em um bunker.”

Ao contrário de Bhandari, que foi detido durante sua tentativa de fuga, Ram Chandra Shrestha teve a sorte de escapar.

Shrestha, um ex-soldado do Exército do Nepal, e três dos seus amigos pagaram 2.000 dólares cada um a traficantes de seres humanos para saírem da Ucrânia e cruzarem a fronteira para a Rússia. Ele então chegou a Moscou e viajou para Katmandu via Nova Delhi em dezembro. “Muitos mais tentaram escapar, mas não conseguiram. Agora, os russos também reforçaram a vigilância, por isso é muito difícil fugir”, disse Shrestha à Al Jazeera.

O ministro das Relações Exteriores do Nepal, Narayan Prakash Saud, fala à Associated Press durante uma entrevista em seu escritório em Katmandu, Nepal, quinta-feira, 25 de janeiro de 2024. O Nepal pediu à Rússia que enviasse de volta centenas de cidadãos nepaleses que foram recrutados para lutar contra a Ucrânia e repatriar os corpos daqueles que foram mortos no conflito, disse o ministro das Relações Exteriores do Nepal na quinta-feira.  (Foto AP/Niranjan Shrestha)
O ministro das Relações Exteriores do Nepal, Narayan Prakash Saud, confirmando que o Nepal pediu à Rússia que enviasse de volta centenas de cidadãos nepaleses que foram recrutados para lutar contra a Ucrânia e repatriasse os corpos daqueles que foram mortos no conflito, em uma entrevista em Katmandu, Nepal, na quinta-feira , 25 de janeiro de 2024 [Niranjan Shrestha/AP Photo]

‘Um terror’

Após três meses de guerra, Bhandari não foi pago nem uma vez, enquanto Chettri recebeu menos de metade do que foi prometido.

Os combatentes nepaleses e as suas famílias estão a apelar ao governo para que intervenha, para que os recrutas possam regressar ao seu país.

“Estamos em comunicação regular com o governo russo e pedimos-lhes a lista de nomes dos recrutas nepaleses, para os repatriarmos e enviarmos os cadáveres em breve.” Amrit Bahadur Rai, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, disse à Al Jazeera. “Também os instamos a compensar as famílias dos falecidos”. No entanto, o governo russo não respondeu publicamente a nenhum dos pedidos. A embaixada russa em Katmandu não estava disponível para comentar.

Kul Bahadur Shah desistiu de receber o corpo do filho, mas ainda espera por uma indenização. “Seus amigos disseram que receberíamos uma compensação de pelo menos US$ 45 mil e também sua viúva e filhos receberiam autorização de residência, educação e privilégios estatais da Rússia”, disse ele à Al Jazeera.

De volta à Ucrânia, Bhandari nem se importa mais com o dinheiro, disse ele. “Quero voltar para casa”, disse ele. “Quando converso com minha família, digo que estou seguro, para eles não se preocuparem.

“Mas é um horror, eu posso morrer a qualquer momento.”

*Alguns nomes foram alterados para proteger a identidade de pessoas preocupadas com sua segurança.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *