Quem é Ofer Cassif e porque apoia a África do Sul no TIJ?


0

Um político israelita está a tomar uma posição ousada contra o genocídio que diz que o seu país está a perpetrar em Gaza.

O político israelense Ofer Cassif, ao centro, segura uma bandeira palestina
O político israelense Ofer Cassif, ao centro, segura uma bandeira palestina [Ahmad Gharabli/AFP]

Um parlamentar israelense incendiário provocou uma tempestade política e social no início desta semana, quando assinou uma petição apoiando o caso de genocídio da África do Sul contra Israel, que será julgado no Tribunal Internacional de Justiça (CIJ), em Haia.

Ofer Cassif, que declarou o seu apoio à África do Sul nas redes sociais, apoiará a proposta legal do país quando esta for apresentada ao TIJ na quinta e sexta-feira desta semana.

“O meu dever constitucional é para com a sociedade israelita e todos os seus residentes”, escreveu ele no X em 7 de Janeiro. “Não para com um governo cujos membros e a sua coligação apelam à limpeza étnica e até mesmo ao genocídio real. São eles que prejudicam o país e o povo, são eles que levaram ao apelo da África do Sul a Haia, não eu e os meus amigos.”

O número de mortos palestinos no bombardeio de quase 100 dias de Israel na Faixa de Gaza atingiu 23 mil pessoas, incluindo quase 10 mil crianças.

Quem é Ofer Cassif?

Cassif é um político do partido de esquerda Hadash-Ta’al, de maioria árabe, sendo Hadash a sigla hebraica para Frente Democrática pela Paz e Igualdade. Nascido em Rishon LeZion, perto de Tel Aviv, em 1964, é membro do parlamento israelense há quase cinco anos.

Cassif tem doutorado em filosofia política pela London School of Economics e foi acadêmico na Universidade Hebraica de Jerusalém antes de entrar no parlamento.

A sua tendência para ir contra a corrente da sociedade israelita não é nova. No final da década de 1980, o israelita pró-palestiniano, que também é um comunista orgulhoso, passou algum tempo na prisão por se recusar a servir como soldado nos territórios ocupados.

Em 2021, ele alegou que a polícia o espancou enquanto participava de um protesto contra um assentamento judeu ilegal em Jerusalém Oriental ocupada por Israel.

Oferecer Cassif
A polícia briga com Ofer Cassif, o único membro judeu da Lista Conjunta, uma aliança de partidos árabes no Knesset de Israel, durante um protesto contra despejos planejados em Jerusalém Oriental, 9 de abril de 2021 [Mahmoud Illean/AP]

Os seus ataques pré-parlamentares ao Estado israelita – por exemplo, chamando o antigo ministro da Justiça, Ayelet Shaked, de “escória neonazi” – levaram a Comissão Eleitoral Central a mantê-lo fora das urnas para as eleições de 2019.

Contudo, essa decisão foi anulada pelo Supremo Tribunal e ele foi eleito nesse ano, com Hadash-Ta’al a receber pouco menos de 4,5 por cento dos votos nacionais e seis assentos no Knesset. Isto se compara a mais de 26 por cento dos votos e 35 assentos para cada um do partido Likud de Benjamin Netanyahu e Kahol Lavan, a aliança política de oposição liderada pelo ex-ministro da Defesa Benny Gantz, que também é membro do gabinete de guerra de Netanyahu.

Yossi Mekelberg, membro associado do Programa para o Médio Oriente e Norte de África na Chatham House, chamou Cassif de “uma anomalia na política israelita”.

“A grande maioria dos membros israelitas do Knesset serve em partidos sionistas – e este não é o caso de Cassif”, disse Mekelberg sobre o político anti-sionista.

Ele irritou alguns ao recusar-se a assumir uma posição de apoio à Ucrânia na sua guerra com a Rússia. Quando o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, dirigiu-se ao Knesset via Zoom em março de 2022, um mês após a invasão russa, Cassif recusou-se a comparecer.

“Não tomo partido numa guerra desnecessária que prejudica civis inocentes, fortalece as pessoas no poder e enriquece os senhores da guerra”, disse Cassif num tweet. “Não apoio nacionalistas e perseguidores dos comunistas na Ucrânia, e não, nem apoio Putin e os nacionalistas russos que odeiam os comunistas. Não à guerra – sim à paz.”

Qual é a sua visão para a Palestina?

Cassif é um firme defensor de uma solução de dois Estados para Israel e a Palestina.

Em Dezembro de 2023, durante uma conversa que foi transcrita no site do Partido Comunista de Israel, ele disse: “Os palestinianos, como povo, têm direito a ter o seu próprio Estado independente.

“O compromisso consiste em dividir a terra ao lado do Estado de Israel, um Estado palestino independente e soberano, que existiria nos antigos territórios que Israel ocupou em Junho de 1967. Isso significa a Faixa de Gaza, Jerusalém Oriental e a Cisjordânia. Não há outro caminho.”

Opõe-se fortemente aos colonatos israelitas nos territórios palestinianos e tem protestado contra eles. Em Fevereiro de 2022, juntou-se aos manifestantes no bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental, onde famílias estavam a ser despejadas das suas casas para que os colonos pudessem ser transferidos.

Oferecer Cassif
Cassif fala aos repórteres durante uma manifestação em apoio aos palestinos no bairro Sheikh Jarrah, em Jerusalém, em 18 de fevereiro de 2022 [Enes Canli/Anadolu Agency via Getty Images]

Como foi a posição de Cassif junto ao povo israelense?

Nada bem. Cassif é um dos apenas 400 israelenses, numa população de quase 9,5 milhões, a assinar uma petição apoiando o processo da África do Sul contra Israel. Como membro do Knesset, o seu ato público de desafio caiu como um trapo vermelho sobre um touro.

Na sequência do ataque do Hamas ao sul de Israel em 7 de Outubro, que levou o país a desencadear a sua campanha de bombardeamentos aéreos contra Gaza, Cassif foi suspenso do Knesset durante 45 dias por criticar a guerra.

O colega parlamentar israelita Oded Forer qualificou de “traiçoeira” a decisão de Cassif de se opor ao seu país natal, acrescentando que as suas “palavras já não podem ser ouvidas enquanto o sangue dos nossos soldados e cidadãos grita do chão”.

Forer está actualmente a recolher assinaturas de legisladores numa tentativa de expulsar Cassif do Knesset. Segundo as regras do Knesset, Forer precisa de convencer 70 membros do parlamento a apoiar a sua candidatura e depois obter a aprovação do Comité da Câmara do Knesset, antes que o parlamento possa votar a expulsão de Cassif.

Mas Cassif parece gostar da agitação do cenário político volátil de Israel. “Ele é, em muitos aspectos, mais um activista do que um parlamentar”, disse Mekelberg sobre Cassif. “E o que você vê é o que você obtém.”

Cassif perdeu amigos no ataque do Hamas, que matou cerca de 1.139 pessoas. Na verdade, numa entrevista de 19 de Outubro de 2023 à Waging Nonviolence, com sede em Nova Iorque, ele chamou a incursão do Hamas de “moralmente desprezível”.

Mas na mesma entrevista, 12 dias depois de Israel ter começado o bombardeamento de Gaza, ele disse à organização de comunicação social sem fins lucrativos que a sua rejeição vociferante da resposta militar de Israel o levou a ser “violentamente atacado por direitistas israelitas, incluindo ameaças de morte, para minha visão”.

Ele acrescentou: “Eles simplesmente não podem tolerar e não gostariam de aceitar que eu, e todos os outros, possamos mostrar simpatia e empatia pelas pessoas inocentes em Gaza. Ao mesmo tempo que se demonstra simpatia e cuidado pelo povo de Israel. Não é uma contradição.”

O que os israelenses pró-palestinos pensam dele?

Nas redes sociais, os apoiantes globais dos direitos palestinianos elogiaram a decisão de Cassif de tornar pública a sua posição sobre o caso sul-africano do TIJ contra Israel. No entanto, no próprio Israel, as opiniões sobre ele entre a esquerda pró-Palestina são um pouco mais matizadas.

“Ele é alguém que respeitamos e apoiamos pela sua posição contra o genocídio, apesar de haver algumas diferenças políticas com alguns de nós”, disse Neta Golan, um membro activo dos Israelitas Contra o Apartheid.

Ofer Neiman, um activista israelita pró-palestiniano de Jerusalém, disse acreditar que Cassif é demasiado “brando” com o presidente russo, Vladimir Putin.

Neiman acrescentou: “Eu [also] discordo dele em… [his] relutância em considerar outras opções além da solução de dois Estados. Mas a Palestina e o genocídio são o foco aqui. Então, em poucas palavras, ele é um colega dissidente para mim.”


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *