Protestos sobre a queima do Alcorão na Suécia: uma linha do tempo


0

Nações muçulmanas expressaram indignação desde que Salwan Momika profanou o livro sagrado em Estocolmo no mês passado.

Bagdá
Um manifestante segura um retrato do líder xiita iraquiano Muqtada al-Sadr enquanto a fumaça sobe da embaixada sueca durante um protesto em Bagdá, Iraque [Ahmed Saad/Reuters]

O Iraque expulsou o embaixador da Suécia logo depois que manifestantes invadiram sua embaixada em Bagdá e incendiaram partes do prédio.

Apoiadores do influente líder religioso e político xiita iraquiano Muqtada al-Sadr pediram a queima da embaixada na quinta-feira. Os manifestantes ficaram furiosos com o que deveria ser a segunda queima de um Alcorão em frente à embaixada iraquiana em Estocolmo.

Enquanto os manifestantes na Suécia chutaram e danificaram parcialmente um livro que disseram ser o Alcorão, eles não o queimaram como haviam ameaçado fazer.

De acordo com relatos da mídia sueca, o incidente foi planejado por Salwan Momika, um refugiado iraquiano de 37 anos na Suécia que também queimou páginas do Alcorão em frente à maior mesquita de Estocolmo em 28 de junho durante o festival islâmico Eid al-Adha.

O incidente do mês passado também gerou raiva generalizada no Iraque e levou partidários de al-Sadr, que se posiciona como populista e cujos partidários já invadiram o parlamento iraquiano, a invadir a embaixada da Suécia em Bagdá.

Promoveu vários outros protestos em países de maioria muçulmana, enquanto os governos do Iraque, Turquia, Emirados Árabes Unidos, Jordânia e Marrocos denunciaram o incidente.

Aqui está uma linha do tempo dos principais eventos que se desenrolaram antes da profanação de quinta-feira e dos protestos no Iraque:

28 de junho

  • Momika agita duas bandeiras suecas e toca o hino nacional do país em frente à Mesquita Central de Estocolmo. Ele então profana o Alcorão repetidamente, rasgando-o e incendiando-o.
  • O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Hakan Fidan, critica o incidente, dizendo que é inaceitável permitir protestos anti-islâmicos em nome da liberdade de expressão.
  • O Departamento de Estado dos EUA rejeita o incidente enquanto pede à Turquia que aprove a proposta de adesão da Suécia à OTAN, que vinha bloqueando.

29 de junho

  • O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, critica a Suécia pelo incidente, dizendo que Ancara nunca se curvará a uma política de provocação ou ameaça. “Ensinaremos ao arrogante povo ocidental que não é liberdade de expressão insultar os valores sagrados dos muçulmanos”, disse ele.
  • O Iraque convoca o embaixador sueco e chama o ato de “racista” e “irresponsável”. Centenas de iraquianos invadem a embaixada sueca em Bagdá depois que al-Sadr exorta as pessoas a fazê-lo, chamando a Suécia de “hostil ao Islã”.
  • Marrocos chama de volta o seu embaixador na Suécia por tempo indeterminado. O Ministério das Relações Exteriores do reino também convocou o encarregado de negócios da Suécia em Rabat e expressou sua “forte condenação a este ataque e sua rejeição a este ato inaceitável”.
  • Vários países de maioria muçulmana, incluindo Irã, Arábia Saudita, Egito, Jordânia, Kuwait e Emirados Árabes Unidos, também expressam sua condenação.
  • O Departamento de Estado dos EUA condena o incêndio, mas acrescenta que a emissão da autorização para a manifestação apoiou a liberdade de expressão.

2 de julho

  • A Organização de Cooperação Islâmica de 57 países diz que a lei internacional e outras medidas coletivas são necessárias para evitar futuros incidentes envolvendo a profanação do Alcorão.
  • O governo da Suécia condena o incidente, chamando-o de “islamofóbico”.

3 de julho

  • O Papa Francisco condena as ações de Momika, dizendo que se sente “irritado e enojado” por ver o livro sagrado muçulmano profanado.

7 de julho

  • Muçulmanos no Paquistão, incluindo em Islamabad, Karachi e Lahore, realizam comícios para observar o Dia da Santidade do Alcorão depois que o primeiro-ministro Shehbaz Sharif convoca protestos.

11 de julho

  • As nações muçulmanas apresentam uma moção no órgão de direitos humanos das Nações Unidas, pedindo aos países que revisem suas leis e preencham as lacunas que podem “impedir a prevenção e o julgamento de atos e a defesa do ódio religioso”.

12 de julho

  • O Conselho de Direitos Humanos da ONU aprova uma resolução sobre ódio religioso e fanatismo. Mas, como acontece com todas as resoluções do conselho, não é juridicamente vinculativo.

15 de julho

  • Ahmad Alloush, 32, abandona um plano de queimar a Torá e a Bíblia do lado de fora da embaixada de Israel na Suécia.

Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *