Pressão sobre Netanyahu em meio a disputas sobre o plano de Israel para o ‘dia seguinte’ à guerra em Gaza


0

Enquanto os militares israelitas atacam Gaza e realizam ataques na Cisjordânia ocupada, o Hamas afirma que não há acordo sobre os cativos até que a “agressão” cesse.

Benjamim Netanyahu
O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, no centro, cancelou uma reunião com o gabinete de guerra em meio à pressão de seu governo de coalizão de direita. [File: Avi Ohayon/ Handout via Reuters]

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, enfrenta uma pressão crescente do seu governo de coligação de direita, no meio de fortes divergências sobre o actual conflito israelo-palestiniano, que se aproxima do seu 90º dia, sem um fim à vista para a guerra ou um acordo para uma pausa nas hostilidades.

Netanyahu cancelou uma reunião do gabinete de guerra de Israel na noite de quinta-feira, que deveria discutir o plano para o “dia seguinte” à guerra, após forte oposição à reunião por parte de membros de extrema direita da coalizão.

O ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben-Gvir, do partido ultranacionalista Poder Judaico, disse que o assunto estava fora do mandato do gabinete de guerra. O Partido Religioso Sionista do Ministro das Finanças, Bezalel Smotrich, anunciou que iria realizar a sua própria reunião em protesto pela sua exclusão da discussão.

Ben-Gvir e Smotrich fazem parte do gabinete de segurança maior, mas não fazem parte do gabinete de guerra, cujos principais membros são Netanyahu, o ministro da Defesa Yoav Gallant e o líder da oposição Benny Gantz.

“[Smotrich] não queria essa discussão [on the day after] acontecer”, disse Alan Fisher, da Al Jazeera, reportando da Jerusalém Oriental ocupada, na sexta-feira. “Ele é totalmente contra a Autoridade Palestina [PA] ter qualquer governo em Gaza após a guerra.”

Sob tal pressão, Netanyahu decidiu que o gabinete de guerra não discutiria a questão, que agora será abordada pelo gabinete de segurança na terça-feira.

Os Estados Unidos sugeriram que a AP deveria governar Gaza depois de Israel atingir o seu objectivo declarado de eliminar o Hamas, cujo ataque de 7 de Outubro ao sul de Israel desencadeou a guerra.

“Netanyahu cancelou o gabinete de guerra, temendo que isso fraturasse a sua coligação, fraturasse o seu governo e colocasse em risco a sua posição como primeiro-ministro”, disse Fisher.

O gabinete de guerra também pretendia “discutir um acordo com o Hamas – negociado pelos americanos, pelos catarianos e pelos egípcios – sobre a troca de prisioneiros por prisioneiros palestinianos detidos em prisões israelitas”, acrescentou o nosso correspondente.

‘Entre uma rocha e um lugar duro’

Ahmed Helal, diretor do Conselho Global para o Médio Oriente e Norte de África, disse à Al Jazeera que o cancelamento da reunião do gabinete de guerra demorava “muito tempo”, à medida que o establishment militar e a elite política se distanciavam cada vez mais.

“A elite militar tem ficado cada vez mais desconfortável ao longo dos últimos 10 anos, e eles não são pacifistas de forma alguma – eles não são pombos. Mas eles compreendem o que é estrategicamente importante para Israel e têm pressionado contra as ambições excessivamente militaristas do governo civil”, disse Helal.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, deverá fazer outra viagem ao Médio Oriente na próxima semana para discutir a guerra de Gaza, na qual os militares israelitas mataram mais de 21.000 pessoas só em Gaza. O número revisado de mortos no ataque do Hamas a Israel é de 1.139.

O principal diplomata dos EUA provavelmente enfrentará aliados árabes regionais que pressionam cada vez mais por um cessar-fogo, disse Natali Tocci, diretora do think tank italiano Istituto Affari Internazionali, à Al Jazeera.

“Neste momento, não vemos os EUA realmente a pressionar Israel para um cessar-fogo”, disse Tocci. “No entanto, à medida que o papel egípcio está realmente aumentando… no apelo por um cessar-fogo, Blinken basicamente se encontrará entre uma rocha e uma posição difícil.”

O Egipto, que faz fronteira com a Faixa de Gaza, assumiu um papel de liderança na promoção de um cessar-fogo, incluindo a introdução de um plano para pôr fim aos combates. Inclui trocas de cativos e prisioneiros entre Israel e o Hamas.

O alto funcionário do Hamas, Osama Hamdan, disse na quinta-feira que o grupo não libertará mais prisioneiros israelenses sem uma “cessação total e completa das atividades agressivas contra o nosso povo através de negociações que estejam alinhadas com os interesses do nosso povo”.

Uma delegação do Hamas visitará o Cairo na sexta-feira para considerar o plano egípcio para acabar com a guerra, informou a agência de notícias France-Presse, citando um funcionário do Hamas.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *