O que as pegadas de 100.000 anos no Marrocos nos dizem sobre os primeiros humanos


0

Os cientistas dizem que um grupo de adultos e crianças caminhando ao longo de uma costa rochosa provavelmente deixou as pegadas.

Pegadas antigas, que se acredita terem sido deixadas por humanos há cerca de 100 mil anos, foram descobertas ao longo da costa da região de Larache, no norte de Marrocos. [Fadel Senna/AFP]

O que as reentrâncias no solo de há muito tempo nos podem dizer sobre os nossos primeiros antepassados? Acontece que muito.

Em Janeiro, uma equipa internacional de cientistas de Marrocos, França, Alemanha e Espanha publicou detalhes de uma descoberta fascinante: um conjunto de pegadas humanas bem preservadas que se acredita terem 100 mil anos.

Acredita-se que as pegadas sejam de um grupo de cinco indivíduos e foram encontradas em uma praia rochosa em uma cidade do norte de Marrocos.

A pesquisa, publicada na revista científica Nature, soma-se a um crescente conjunto de trabalhos que está ajudando os cientistas a descobrir as verdadeiras e evasivas origens da raça humana. Mas embora a sua descoberta seja um feito arqueológico, a erosão costeira ameaça a existência destas antigas pegadas.

Aqui está o que sabemos sobre esta última descoberta e sobre outros vestígios humanos antigos que os cientistas descobriram até agora.

Pegada de Marrocos
Uma equipa de cientistas marroquinos e europeus encontrou um conjunto de cerca de 85 pegadas feitas por cinco ancestrais dos seres humanos [Fadel Senna/AFP]

O que os cientistas encontraram em Marrocos?

Em junho de 2022, o arqueólogo Mouncef Sedrati liderava uma pesquisa de campo focada em rochas perto da costa marroquina, numa área ao sul de Tânger, quando a sua equipa se deparou com reentrâncias no solo na cidade de Larache.

Olhando mais de perto, descobriram que as marcas eram pegadas de tamanhos variados. Para Sedrati, especialista em dinâmica costeira e geologia marinha da Universidade Francesa do Sul da Bretanha, foi uma visão “excepcional”.

“Não tínhamos 100 por cento de certeza no início com a primeira impressão, mas, aos poucos, encontramos uma segunda, uma terceira, depois uma pista muito clara e mais e mais”, disse Sedrati à Al Jazeera. “Foi então que a dúvida desapareceu. Os vestígios iniciais foram deixados pelo Homo saudável [sapiens] em um sedimento de praia arenosa há cerca de 100.000 anos.”

Foram encontradas cerca de 85 pegadas no total, provavelmente feitas por um grupo de cinco humanos que caminhavam em direção à água, usando o local como caminho. Estas são as primeiras pegadas humanas descobertas no Norte de África e no Sul do Mediterrâneo.

O arco das reentrâncias, os calcanhares arredondados e as marcas dos dedos curtos confirmavam que se tratava de rastros do Homo sapiens ou de humanos modernos como nós. Os tamanhos variados dos pés sugeriam que havia adultos e crianças de diferentes idades.

Os cientistas, porém, ainda não sabem o que o grupo fazia no local. Eles estavam tentando coletar comida do mar? Ou eles estavam simplesmente navegando pela área e encontraram a rota da praia por acaso?

Como as pegadas sobreviveram por tanto tempo?

A equipe de Sedrati estudou os sedimentos no local e as próprias pegadas para determinar há quanto tempo elas poderiam estar ali.

A datação por luminescência opticamente estimulada, uma técnica de pesquisa que ajuda os arqueólogos a determinar quando os minerais ou carbono que cercam os artefatos descobertos foram expostos pela última vez ao calor ou à luz solar, permitiu aos pesquisadores estimar a idade das impressões.

Eles atrelaram as origens das marcas à era do Pleistoceno Superior, o período durante o qual aconteceu a última Idade do Gelo. Acredita-se que o período anterior do Pleistoceno Médio ao Final, abrangendo os períodos de 770.000 a 120.000 anos atrás, seja a época em que os humanos antigos – separados dos humanos modernos – vagavam pela Terra.

Usando um drone para tirar 461 fotografias das impressões, a equipe processou as imagens usando um software especializado e extraiu modelos 3D para medir com precisão a depressão e a largura de cada impressão e avaliar a idade dos membros do grupo.

As pegadas de Larache provavelmente permaneceram intactas devido a uma combinação de fatores, escreveram os pesquisadores no estudo, incluindo a sua localização, o tipo de solo e as ondas do mar. A posição da praia sobre uma plataforma rochosa permitiu que as marés enterrassem os sedimentos argilosos que formavam os trilhos, mantendo-os preservados até que uma erosão recente os expusesse novamente.

Para Sedrati, que é descendente de norte-africanos, a descoberta é pessoal.

“Vocês podem imaginar o quanto estou orgulhoso de liderar a equipe de pesquisa que fez esta descoberta, ainda mais em uma cidade marroquina que é próxima do meu coração”, disse ele, acrescentando que adorou trabalhar com colegas de outras áreas, como geologia, para completar o estudo.

Mas há mais trabalho para a equipe fazer. Apenas parte das impressões foi processada e a equipe tem dúvidas.

“Quais eram as condições climáticas e meteorológicas da época? Onde estava o litoral, o nível do mar?” Sedrati perguntou.

Annas Sedrati
O arqueólogo Mouncef Sedrati examina um conjunto de pegadas antigas, que se acredita terem sido deixadas pelo Homo sapiens há mais de 100 mil anos, cerca de 90 km (55 milhas) ao sul de Tânger, no norte de Marrocos [Fadel Senna/AFP]

Onde mais foram encontrados rastros humanos antigos?

Encontrar pegadas com milhares de anos é raro, mas não inédito.

As pegadas humanas mais antigas conhecidas foram descobertas em 1995. Tratava-se de um conjunto de três impressões pertencentes a uma hipotética “Eva” e denominadas “pegadas de Eva”. Eles foram descobertos em Langebaan, uma cidade costeira na província de West Cape, na África do Sul. Acredita-se que “Eva” tenha vivido há cerca de 117.000 anos.

David Roberts, que fez parte da equipe que descobriu essas pegadas, disse na época que provavelmente foram feitas em uma duna íngreme durante uma tempestade, antes que a areia seca preenchesse a reentrância e endurecesse.

As estampas mediam 22 cm (8,7 polegadas), aproximadamente o mesmo tamanho de uma mulher moderna vestindo tamanho americano 7,5. “Eva” provavelmente tinha cerca de 122 cm (4 pés) de altura.

Em 2022, outra equipe de pesquisadores encontrou dois rastros humanos no telhado de uma caverna na mesma área. Eles não estavam bem preservados. O sedimento em que as impressões foram feitas havia erodido, mas os contornos das pegadas ainda eram visíveis. A distância entre as duas pegadas – 49 cm (19 polegadas), consistente com a distância entre as pernas de um ser humano médio durante uma caminhada – sugeriu à equipe que era de um de nossos ancestrais diretos, e não de Hominini – outra espécie de ser humano moderno que agora está extinto.

Além do continente africano, pegadas antigas também foram descobertas nos Estados Unidos. Em 2009, um gestor de parque no Parque Nacional White Sands, Novo México, encontrou uma pegada e levou os cientistas a descobrir milhares de outras, espalhadas por 325 quilómetros quadrados (80.000 acres). Estas incluíam pegadas do tamanho de uma criança, e um conjunto em particular mostrava uma mulher provavelmente colocando um bebê no chão. Pesquisadores em 2021 disseram que provavelmente foram feitos há 22.800 anos.

Areias brancas
Acredita-se que milhares de pegadas encontradas no Parque Nacional White Sands, no Novo México, tenham sido deixadas por humanos há quase 23.000 anos. [NPS via AP]

O que essas descobertas nos dizem sobre os humanos pré-históricos?

Os paleoantropólogos – investigadores que estudam a evolução do ser humano moderno – disseram que as impressões em conjunto nos apresentam um instantâneo no tempo, ajudando-nos a determinar como poderia ter sido a vida dos nossos primeiros antepassados.

Uma possibilidade, por exemplo, é que as mulheres antigas pintassem os seus corpos com ingredientes semelhantes à maquilhagem moderna: os cientistas que descobriram as pegadas de Eva também encontraram ocre, um pigmento colorido, na mesma área. Acredita-se que a pintura corporal foi aplicada em rituais.

Outras vezes, os cientistas encontraram lareiras – indicando que os humanos mais velhos sabiam como acender fogueiras. Restos de ossos e ferramentas de pedra também apontam para a possibilidade de que os primeiros humanos dependessem inicialmente de animais mortos para se alimentar e só tenham começado a montar armadilhas e a caçar animais há cerca de 20 mil anos.

Mas as pegadas também dão aos cientistas um prazo estimado para descobrirem quando os humanos começaram a diversificar-se e a mover-se por todo o mundo.

Durante anos, os investigadores sustentaram que os humanos modernos chegaram pela primeira vez ao Alasca e espalharam-se pela América do Norte cerca de 13.000 a 16.000 anos atrás, após a última Idade do Gelo.

Mas as pegadas no Parque White Sands, no Novo México, refutaram esses estudos. No novo cenário, os humanos já estavam a espalhar-se pelo Novo México e possivelmente viajaram pelo continente há 23 mil anos, quando os glaciares ainda se expandiam e se espalhavam pela área.

Infelizmente, muitas destas descobertas, incluindo as pegadas de White Sands e Larache, estão ameaçadas pela mudança da topografia, em parte ligada às mudanças climáticas. O grupo de Sedrati observou no seu estudo que a costa rochosa está a entrar em colapso devido à subida do nível do mar e que poderá eventualmente desaparecer.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *