O “desrespeito arrepiante” de Israel pela vida na Cisjordânia ocupada: Anistia


0

Durante a guerra em Gaza, Israel liberou força letal ilegal contra os palestinos na Cisjordânia, afirma um grupo de direitos humanos.

O campo de refugiados de Nour Shams, na Cisjordânia ocupada, tem sido alvo de repetidos ataques das forças israelenses, que regularmente matam, ferem e detêm palestinos durante essas operações. [Raneen Sawafta/Reuters]

Israel libertou força letal ilegal contra palestinianos na Cisjordânia ocupada, cometendo assassinatos ilegais e demonstrando “um arrepiante desrespeito pelas vidas palestinianas”, afirma a Amnistia Internacional.

A organização de direitos humanos afirmou num relatório divulgado na segunda-feira que as ações de Israel no território se intensificaram durante a guerra contra Gaza e que os seus militares e outros organismos estão a cometer numerosos atos ilegais de violência que constituem violações claras do direito internacional.

Os olhos do mundo estão principalmente voltados para a Faixa de Gaza, onde os militares israelitas mataram mais de 27 mil palestinianos, a maioria mulheres e crianças, desde o início da guerra, em 7 de Outubro. A Anistia disse no relatório.

O documento foi compilado com entrevistas remotas com testemunhas, socorristas e residentes locais, bem como vídeos e fotos verificados.

“Ao abrigo dos bombardeamentos implacáveis ​​e dos crimes atrozes em Gaza, as forças israelitas desencadearam força letal ilegal contra os palestinianos na Cisjordânia ocupada, cometendo assassinatos ilegais e demonstrando um desrespeito arrepiante pelas vidas palestinianas”, afirmou Erika Guevara-Rosas, da Amnistia Internacional. Diretor de pesquisa global, defesa e política da International.

“Estas mortes ilegais constituem uma violação flagrante do direito internacional dos direitos humanos e são cometidas com impunidade no contexto da manutenção do regime institucionalizado de Israel de opressão sistemática e dominação sobre os palestinianos.”

Os palestinianos na Cisjordânia já sofriam regularmente ataques israelitas mortais, mesmo antes da guerra, mas tem havido um aumento explosivo no número de ataques israelitas desde Outubro.

De acordo com dados do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), Israel matou pelo menos 507 palestinos na Cisjordânia ocupada em 2023, incluindo pelo menos 81 crianças, tornando-o o ano mais mortal desde que a organização começou a registar vítimas em 2005.

Os números da ONU mostram também que 299 palestinianos foram mortos desde o início da guerra até ao final de 2023, um aumento de 50 por cento em comparação com os primeiros nove meses do ano. Pelo menos mais 61 palestinos, incluindo 13 crianças, foram mortos pelas forças israelenses em janeiro, disse a ONU.

‘Assassinato intencional’

A análise da Amnistia Internacional de um ataque israelita de 30 horas ao campo de refugiados de Nour Shams, em Tulkarem, ocorrido em 19 de Outubro, demonstra as tácticas utilizadas pelos militares israelitas.

Nesse ataque, os soldados israelitas usaram um grande número de veículos militares e soldados para invadir mais de 40 casas. Destruíram pertences pessoais, perfuraram paredes para postos avançados de franco-atiradores, cortaram a água e a electricidade do campo de refugiados e usaram escavadoras para destruir estradas públicas, redes eléctricas e infra-estruturas de água.

No final do ataque, tinham matado 13 palestinianos, incluindo seis crianças, quatro delas com menos de 16 anos, e tinham prendido 15 palestinianos.

Um policial de fronteira israelense foi morto depois que um dispositivo explosivo improvisado foi usado contra um comboio militar.

Entre os mortos durante o ataque estava um jovem desarmado de 15 anos chamado Taha Mahamid, que as forças israelenses mataram a tiros na frente de sua casa quando ele saía para verificar se as forças israelenses haviam deixado a área, disse a Anistia.

“Eles não lhe deram uma chance”, disse Fátima, irmã de Taha. “Em um instante, meu irmão foi eliminado. Três balas foram disparadas sem piedade. A primeira bala atingiu-o na perna. O segundo no estômago. Terceiro em seus olhos. Não houve confrontos. … Não houve conflito.”

O pai de Taha, Ibrahim, tentou carregar seu filho para um local seguro enquanto estava desarmado, mas foi baleado e sofreu ferimentos internos graves.

“Este uso desnecessário de força letal deve ser investigado como possíveis crimes de guerra de homicídio intencional e de causar intencionalmente grande sofrimento ou lesões graves ao corpo ou à saúde”, afirmou a Amnistia.

Mas esse não foi o fim da operação israelita para a família. Cerca de 12 horas após o assassinato de Taha, os militares israelitas invadiram a casa da sua família e trancaram os seus familiares, incluindo três crianças, num quarto sob a supervisão de um soldado durante cerca de 10 horas.

Eles também fizeram furos nas paredes de duas salas para posicionar atiradores de elite com vista para a vizinhança. Uma testemunha disse que os soldados revistaram a casa, espancando um membro da família, e um deles foi visto urinando na soleira da porta.

Os extensos danos causados ​​pelas escavadoras israelitas nas ruas estreitas do campo de refugiados impediram a passagem das ambulâncias, dificultando a evacuação médica dos feridos.

Alvejando ambulâncias, matando manifestantes

A Amnistia também documentou casos em que as forças israelitas abriram fogo directamente contra ambulâncias e pessoal médico.

A obstrução da assistência médica aos palestinianos pelas forças israelitas é agora “prática rotineira”, afirmou a organização de direitos humanos.

Documentou um caso em que soldados israelitas impediram que ambulâncias chegassem a vítimas que acabaram por sangrar até à morte.

“As vítimas foram posteriormente recolhidas por uma ambulância militar israelita e os seus corpos ainda não foram devolvidos às suas famílias”, afirmou a Amnistia.

A organização também documentou como os militares israelitas reprimem os protestos pacíficos palestinianos realizados em solidariedade com o povo de Gaza, disparando balas reais e bombas de gás lacrimogéneo contra as multidões.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *