Não haverá paz até que os objetivos da Rússia na Ucrânia sejam alcançados, diz Putin


0

O presidente russo dá a primeira entrevista coletiva de fim de ano desde o início da guerra na Ucrânia.

Vladímir Putin
O presidente russo, Vladimir Putin, fala durante sua coletiva de imprensa anual em Moscou, em 14 de dezembro de 2023 [Alexander Zemlianichenko/Reuters]

Os objectivos da Rússia na Ucrânia permanecem inalterados e não haverá paz até que sejam alcançados, disse o presidente Vladimir Putin na sua primeira conferência de imprensa de fim de ano desde o início da ofensiva.

O evento de quinta-feira ocorre dias depois de Putin anunciar que concorrerá às eleições presidenciais de março de 2024, nas quais é quase certo que o líder de 71 anos conquistará um quinto mandato. Ele está no poder há 24 anos, incluindo sua passagem como primeiro-ministro, e uma vitória no próximo ano o fará permanecer presidente até 2030.

Respondendo a perguntas do público e dos meios de comunicação em Moscovo, o líder russo disse que a paz será possível após a “desnazificação, desmilitarização e um estatuto neutro” da Ucrânia – algo que tem repetido desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em Fevereiro de 2022.

A Rússia alega que o governo da Ucrânia é fortemente influenciado por grupos “nacionalistas radicais” e neonazis, que Kiev e o Ocidente contestam. Putin também exigiu consistentemente que a Ucrânia permanecesse neutra e não aderisse à aliança militar da OTAN.

“Quanto à desmilitarização, eles não querem negociar, por isso somos forçados a tomar outras medidas, incluindo medidas militares”, disse Putin.

“Ou concordamos ou precisamos resolver [the issue] à força”, acrescentou.

Putin disse que há cerca de 617 mil soldados russos atualmente na Ucrânia, incluindo cerca de 244 mil que foram convocados para lutar ao lado das forças militares russas profissionais. Mas não há necessidade actual de uma maior mobilização de reservistas, acrescentou.

Ele disse que cerca de 486 mil pessoas se inscreveram voluntariamente como soldados contratados até agora, além das 300 mil pessoas convocadas no ano passado, e “o fluxo não está diminuindo”.

Em dezembro passado, quebrando a tradição, Putin cancelou o evento. Foi a primeira vez em uma década que ele não realizou a conferência.

Este ano, os temas principais da conferência foram os combates na Ucrânia, os pagamentos aos soldados e suas famílias e a economia.

‘Uma tragédia’

Falando aos repórteres na quinta-feira, Putin disse que a Ucrânia perdeu algumas das suas melhores tropas na tentativa de garantir uma posição segura na margem leste do Dnipro, na região de Kherson. “É uma tragédia, acredito, para eles”, disse ele.

À medida que a guerra se aproxima do fim do seu segundo ano, a Ucrânia obteve apenas pequenos ganhos numa contra-ofensiva que começou em Junho.

A Rússia, no entanto, também não registou quaisquer progressos tangíveis desde a captura da cidade de Bakhmut, a custos elevados, em Maio. Ocupa cerca de um sexto do território da Ucrânia, mas não controla totalmente nenhuma das quatro regiões ucranianas que reivindicou no ano passado como parte da Rússia.

Sobre a guerra em curso e as relações com o Ocidente, Putin disse: “O desejo desenfreado de se aproximar das nossas fronteiras, levando a Ucrânia para a NATO, tudo isto levou a esta tragédia… Eles forçaram-nos a estas acções”.

Entretanto, sobre as relações da Rússia com a China, disse ele, “o nível dos nossos laços com a China está no nível mais alto de todos os tempos”.

Putin também disse que era importante que os mecanismos das Nações Unidas, como o poder de veto dos estados membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, permanecessem em vigor.

Questionado por um jornalista turco sobre a crise humanitária em Gaza, ele disse que esperava encontrar-se com o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, no início de 2024.

E comentando o plano do novo presidente argentino, Javier Milei, de dolarizar a economia do seu país, Putin disse que corria o risco de pôr em risco a soberania do país.

Nos Jogos Olímpicos de Verão de 2024, em Paris, Putin disse que não era contra a competição russa, mas que o país deveria ponderar se o deveria fazer, caso o evento fosse concebido para retratar o desporto russo como “moribundo”.

O Comité Olímpico Internacional (COI) disse na semana passada que os atletas qualificados da Rússia e da Bielorrússia – que foram proibidos de competir internacionalmente após a invasão da Ucrânia – poderiam participar nos Jogos como neutros, sem bandeiras, emblemas ou hinos.

“Ainda precisamos analisar cuidadosamente as condições que o COI apresentou”, disse Putin. “Se as condições artificiais do COI são concebidas para isolar os melhores atletas russos e retratar nas Olimpíadas que o desporto russo está a morrer, então é preciso decidir se vamos ou não ir para lá.”


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *