Israel aprova plano para transferir fundos fiscais de Gaza para a Noruega


0

O funcionário da Autoridade Palestina, Hussein al-Sheikh, diz que “qualquer dedução dos nossos direitos financeiros” seria rejeitada.

Um refugiado palestino passa por casas destruídas no campo de refugiados de Tulkarem, na Cisjordânia, sexta-feira
Um refugiado palestino passa por casas destruídas no campo de refugiados ocupado de Tulkarem, na Cisjordânia, após um ataque israelense [File: Nasser Nasser/AP]

Os impostos cobrados por Israel e com destino a Gaza serão retidos na Noruega, em vez de serem enviados para a Autoridade Palestiniana (AP), que exerce um autogoverno limitado na Cisjordânia ocupada por Israel, de acordo com um plano aprovado por autoridades israelitas.

“Os fundos congelados não serão transferidos para a Autoridade Palestiniana, mas permanecerão nas mãos de um terceiro país”, afirmou um comunicado divulgado no domingo pelo gabinete do primeiro-ministro israelita.

“O dinheiro ou a sua contrapartida não serão transferidos em nenhuma circunstância, exceto com a aprovação do Ministro das Finanças de Israel, nem mesmo através de terceiros”, afirmou.

Em linha com um acordo alcançado na década de 1990, Israel cobra impostos em nome dos palestinianos e faz transferências mensais para a AP, enquanto se aguarda a aprovação do Ministério das Finanças.

Embora a AP tenha sido expulsa da faixa em 2007, muitos dos seus funcionários do sector público no enclave mantiveram os seus empregos e continuaram a ser pagos com receitas fiscais transferidas.

Mas quase um mês depois do ataque de 7 de Outubro – quando os combatentes do Hamas lançaram um ataque sem precedentes ao sul de Israel matando pelo menos 1.139 pessoas, de acordo com uma contagem da Al Jazeera baseada em estatísticas israelitas, e fazendo cerca de 240 prisioneiros – as autoridades israelitas decidiram reter os fundos destinados ao ataque. para a Faixa de Gaza.

Em resposta à dedução monetária, a AP recusou-se a aceitar uma transferência parcial de dinheiro.

“Quaisquer deduções dos nossos direitos financeiros ou quaisquer condições impostas por Israel que impeçam a AP de pagar ao nosso povo na Faixa de Gaza são rejeitadas por nós”, disse Hussein al-Sheikh, alto funcionário da AP, no X.

“Apelamos à comunidade internacional para que pare com este comportamento baseado na pirataria e no roubo do dinheiro do povo palestino e force Israel a transferir todo o nosso dinheiro”, acrescentou.

Nour Odeh, um analista político baseado em Ramallah, na Cisjordânia ocupada, disse que Israel estava a usar a sua influência sobre as receitas fiscais para “punir” e “enfraquecer” a AP.

“É uma forma de Israel afirmar quanto controle tem sobre tudo, incluindo a capacidade de funcionamento da AP. Não está claro se a AP estaria disposta a aceitar as condições, porque seria humilhante voltar atrás na sua promessa de não receber as receitas com a dedução da parte de Gaza”, disse ela à Al Jazeera.

“[WIthholding the revenues] terá um enorme impacto porque os empregados da AP não receberão os seus salários numa altura em que muitos estão a morrer de fome devido ao cerco e à guerra de Israel – as pessoas precisam desse dinheiro para sobreviver.”

O ministro da Segurança Nacional israelense de extrema direita, Itamar Ben-Gvir, foi o único membro do governo a se opor ao plano de enviar fundos para a Noruega.

Ben-Gvir disse que o plano não garante que o dinheiro não será transferido para Gaza.

“Na semana passada começaram a movimentar camiões de farinha e agora estão a tomar uma decisão que não garante que o dinheiro não chegará aos nazis de Gaza”, disse o líder da extrema-direita no X, acrescentando que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu estava “constantemente” movendo “a linha vermelha”.

A questão tem sido uma fonte de atrito dentro do gabinete de guerra israelita, com o Ministro da Defesa, Yoav Gallant, a pedir que os fundos sejam distribuídos para manter a estabilidade na Cisjordânia ocupada.

A violência aumentou desde o início da guerra, em meio a ataques quase diários e campanhas de prisões em massa em cidades e vilarejos por parte das forças israelenses.

Desde então, pelo menos 319 palestinos foram mortos por forças israelenses ou colonos, segundo dados da ONU, e mais de 6 mil foram presos, segundo o grupo de defesa da Sociedade dos Prisioneiros Palestinos.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *